04 outubro 2018

Resenha - O Iluminado


Título: O Iluminado
Autor: Stephen King
Editora: Cia das Letras / Suma de Letras
Páginas: 520
Skoob
Onde comprar: Amazon / Saraiva

Um clássico de Stephen King. Edição especial, com tradução revisada e prólogo e epílogo inéditos.
“O lugar perfeito para recomeçar”, é o que pensa Jack Torrance ao ser contratado como zelador para o inverno. Hora de deixar para trás o alcoolismo, os acessos de fúria, os repetidos fracassos. Isolado pela neve com a esposa e o filho, tudo o que Jack deseja é um pouco de paz para se dedicar à escrita. Mas, conforme o inverno se aprofunda, o local paradisíaco começa a parecer cada vez mais remoto... e mais sinistro. Forças malignas habitam o Overlook, e tentam se apoderar de Danny Torrance, um garotinho com grandes poderes sobrenaturais. Possuir o menino, no entanto, se mostra mais difícil do que esperado. Então os espíritos resolvem se aproveitar das fraquezas do pai... Um dos livros mais assustadores de todos os tempos, O iluminado é um clássico de Stephen King. Edição especial com tradução revisada e prólogo e epílogo inéditos.

                             
Acho que o que aconteceu aqui foi o resultado de excesso de uísque barato, que Grady tinha em grande estoque e era de meu total desconhecimento, e uma situação curiosa que se chama síndrome da cabana. Conhece a expressão?


E vocês, conhecem o que é a síndrome da cabana? Eu não conhecia este termo até me deparar com ele nesta história, mas vamos lá. Síndrome da cabana, ou febre da cabana, apesar de não ser um distúrbio oficialmente catalogado pela medicina, nada mais é do que um desequilíbrio psicológico causado pelo isolamento. A pessoa afetada começa a sofrer disso pela simples “falta do que fazer”. Ela pode levar a pessoa à depressão, ou em casos mais sérios a tomarem atitudes PERIGOSAS...

Quando um de nossos protagonistas desta história, Jack Torrence ouve isso de seu entrevistador de emprego, garante que o mesmo não acontecerá com ele. Jack, após perder seu emprego como professor por digamos, ter tomado uma atitude nada civilizada com um de seus alunos, consegue um trabalho temporário no famoso Hotel Overlook, no Colorado. Este enorme hotel, por conta da sua localização precisa ser fechado durante a temporada de inverno, já que as estradas até eles devido a neve tornam-se inacessíveis.


Ele possui um filho de 5 anos chamado Danny, e sua mulher chama-se Wendy. Danny, é uma criança muito especial. Ele possui um dom, que o permite vislumbrar certos momentos no passado e no futuro, além de ser extrassensível acerca das pessoas ao seu redor.


Danny olhou furtivamente para a janela da cozinha. Ás vezes o ato de pensar intensamente fazia algo acontecer com ele. Fazia as coisas reais desaparecerem, e em seguida o menino via coisas que não estavam ali.

Já Wendy é uma mulher que vive para seu filho e casamento, ela tem sérios problemas com sua mãe e tenta ao máximo preservar sua família. Tem uma personalidade um pouco apática, porém nas horas que precisam serem tomadas atitudes drásticas, ela se enche de coragem e age como uma verdadeira protetora.


Jack é uma pessoa um pouco complicada. Ele possui sérios problemas com bebida e seu comportamento em certas situações é explosivo, tanto que em um de seus acessos de fúria, ele por acidente acaba quebrando o braço de Danny aos 3 anos, quando o mesmo havia derrubado cerveja em seus papéis de trabalho. Porém, logo no início percebemos, que ele não é uma má pessoa. Apesar de seus problemas, ele quer melhorar.


Bom, já que conhecemos um pouco de nossos heróis, vamos continuar com a história. Bom, emprego arrumado, hora de saber o que como zelador Jack precisa fazer. Ele logo se encontra com um dos chefes da manutenção do local, que o instrui a SEMPRE cuidar da caldeira do hotel, já que ela apresenta problemas de superaquecimento e sua pressão necessita ser controlada diariamente, caso contrário, há um grave risco de explosão. Mas além disso, Jack fica sabendo de outras coisas relacionadas ao incrível hotel...

- Todo grande hotel tem seus escândalos. Assim como todo grande hotel tem um fantasma. Por quê? Diabos, as pessoas vêm e vão. Ás vezes alguém cai duro no quarto, ataque do coração, derrame, algo do tipo. Hotéis são lugares supersticiosos.

É enfim chegada a hora da família mudar-se para o hotel, já que eles acompanharão Jack em seu trabalho, pois ele precisa ficar durante o inverno todo no hotel. Um pouco antes de irem, Danny, já sabe graças ao seu “poder” especial que aquele lugar esconde mais do que simples historinhas de fantasmas, e sim algo muito maior. Tonny, seu “amigo imaginário” o alerta e o perturba toda vez que o assunto do hotel surge na família, inclusive, uma palavra sempre ressoa nos pensamentos do menino: REDRUM. Mas o que será que essa palavra quer dizer? Bom a resposta será respondida mais ao final do livro, e seria uma pena eu explicar agora!


Um pouco antes de todos no hotel saírem, Danny conhece o Sr. Haloran, o cozinheiro do lugar, que logo percebe que o menino tem algo de especial: ele é um Iluminado, ou seja, ele possui uma forte mediunidade, inclusive o próprio cozinheiro também é um. Os dois conversam muito e Haloram explica a Danny que tome bastante cuidado com o quarto 217 do hotel, e que ele evite de andar por lá durante sua estada. Apesar de confuso pela pouca idade, o menino assente.

Já deu para perceber que nossos protagonistas se meteram em um lugar muito estranho, e com certeza eles logo descobrirão que este emprego que Jack conseguiu pode colocar em risco direto suas vidas. 


Eu queria muito, mas não posso contar mais NADA desta história, pois estragaria muito a experiência de leitura. Só posso dizer que todas as perguntas que eu deixei no ar ao longo da resenha, serão desenvolvidas de uma forma magistral nesta história. Temos que lembrar que esse hotel não é um local comum, e que de certa forma ele meio que ativa as fraquezas de nossos protagonistas, Jack por exemplo fica mais agressivo, Danny é perturbado por influências diretas do hotel, e não entende muito bem o que acontece e Wendy se vê oprimida a todo momento.

Há certas situações de puro tormento para nossos personagens, que inclusive eles em certos momentos desejam que o que os aflige se torne REAL, assim a dúvida de se tudo aquilo é uma alucinação ou não é muito pior do que a própria realidade. Este livro vai muito além de um livro simples de terror, que só foi feito para assustar. Ele contém em suas páginas questões complicadas e que valem muito a pena de acompanhar, além de ser uma história muito bem ambientada e construída, por tanto, eu indico MUITO esta leitura para os fãs de terror e mistério, como também para quem gosta de ambientes e personagens muito bem construídos.


Falando um pouco das partes assustadoras, apenas lembrem-se disto que eu vou falar: em um certo momento da história, nossos protagonistas ouvem o barulho do elevador do hotel funcionando, mas o detalhe é que eles estão SOZINHOS, e todos estão no mesmo quarto. Há também um homem vestido de cachorro, que me deu pesadelos depois que eu li sua aparição no livro. Guardem bem estas cenas quando estiverem lendo, e vocês saberão do que estou falando.


A escrita do Stephen King é toda característica neste livro, e ele consegue com a simplicidade dela não se tornar algo medíocre, afinal há muita genialidade em conseguir escrever de maneira simples, porém com muita qualidade. Falando um pouco sobre as adaptações desta obra, há duas delas: uma é o famoso filme do diretor Stanley Kubrick, estrelando Jack Nicholson no papel principal, que para mim é mais um reconto do livro do que uma adaptação em si, já que pega algumas características da história e transmite para a tela. Não é ruim, porém comparado a complexidade do livro, acaba não agradando aos fãs ferrenhos do livro. Já a outra é uma mini série produzida pelo próprio King, que peca pela qualidade da produção e do elenco, porém é mais fiel ao original.

 A edição da Suma de letras é sensacional com capa dura e emborrachada, além de conter um prólogo e epílogo inéditos no Brasil, que contam mais sobre a história do hotel.


Inscrições Abertas - Participe !!


5 comentários:

  1. Ah o Mestre!!! Li este livro tem tanto tempo, numa edição velhinha na biblioteca da minha cidade e acabei vendo o filme umas três vezes!
    Com certeza, é uma obra prima do autor e neste livro, ele junta o simples, o medo ali,"pegável" e a mais uma vez, a mente humana agindo e reagindo!
    Estas edições capa dura estão belíssimas e não vejo a hora de poder ter todos!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Aah, estava esperando pelo spoiler haha... Não leio terror/sobrenatural nem se me dessem aquela biblioteca maravilhosa da Alemanha; sou muito medrosa.
    Mas também sou curiosa e já estava querendo mais detalhes sem precisar me deparar com as lsrtes assustadoras.
    Não sabia dessa síndrome da cabana, é um tanto estranha. Mas faz sentido, ficar sem fazer nada às vezes não é agradável.
    Gostei dos gifs na resenha.
    A princípio pensei que a história seria sobre o pai, mas é o menino que é iluminado. Sinistro...
    Com certeza é uma ótima leitura para quem curtr o gênero, e apesar de não conhecer nada do King, preciso admitr que ele é O cara.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Olá! Vou confessar que eu fujo um pouco (muito) desse gênero, e só esses gifs, os dois últimos principalmente, já me deixaram aterrorizadas. A edição está realmente maravilhosa, mas acho que preciso reunir um pouco mais de coragem para poder iniciar a leitura (risos, mas de nervoso). Apesar de tanta apreensão em relação a leitura, não tenho dúvidas de que a história é simplesmente phod@st1k e quem sabe, que de luz acesa não role uma leitura.

    ResponderExcluir
  4. Eu sou apaixonada por King desde muito nova e O Iluminado foi um dos primeiros livros que li dele. Como já estou acostumada com o gênero, confesso que o livro não me assustou tanto, mas algumas partes são bem perturbadoras, como a do cachorro, por exemplo. O que eu mais curto nesse livro é a mistura que o autor consegue fazer entre elementos totalmente sobrenaturais e personagens tão reais, que chegam a ser palpáveis. Essa é uma das grandes qualidade do King pra mim. Não curto a adaptação feita pela Kubrick, inclusive o próprio King já disse que não achou legal.

    ResponderExcluir
  5. Concordo com você à respeito do filme, eu não li esse livro, e lendo a resenha já deu pra ver como o filme é superficial.
    De King só li Cujo e detestei, mas quero ler outros para não ficar com uma impressão ruim do mestre do terror.
    Eu lembro que muitas dessas nuances passam despercebidas no filme.
    Acho o personagem de Wendy maravilhoso, pois ela tem que conviver com Jack..
    Acredito que a história seja perturbadora mesmo, a cena do "cachorro" no quarto dá margem à mil idéias, e nenhuma é reconfortante.
    Acho que já decidi qual será meu segundo SK. Obrigada.

    ResponderExcluir