24 outubro 2018

Resenha - A Bela e o Chefe


Título: A Bela e o Chefe
Cortesia: Ruby Lace (Autora Nacional)
Páginas: 426
Ano: 2017
Skoob
OndeComprar: Amazon

O primeiro trabalho de Nora Maia está longe de ser o dos seus sonhos, e ainda mais longe da área profissional a qual ela almeja seguir e lutou com unhas e dentes para ingressar na faculdade, a de medicina. Em vez disso, Nora sacrificou tudo para trabalhar como governanta de um dos homens mais ricos e cobiçados do país, Átila Douglass. Mas todo sacrifício é válido para ajudar àqueles a quem ama.


Átila Douglass nasceu em berço de ouro, é um grande apreciador de bebidas e mulheres, vantagens de ser herdeiro de uma grande rede de cervejaria. Seu nome é mundialmente conhecido pela marca de qualidade Douglass. No entanto, por trás do sorriso galanteador e do bom status, se encontra um homem grosseiro e com um temperamento difícil de lidar. Ninguém foi capaz de suportar sua personalidade tempestuosa por muito tempo, com exceção dela.


Isolados em uma ilha, segredos sombrios vem à tona, assim como o sentimento avassalador entre os dois. Porém, diante de um momento difícil e perturbador, o maior sacrifício ainda será feito. Tudo, é claro, em nome do amor.


“Alguns sacrifícios pesam na alma e chegam a doer, outros nos presenteiam com uma sensação de leveza e paz de espírito.”

Nora Maia sabe o que é fazer sacrifícios desde sempre, dado que em nome de sua mãe acometida por uma terrível doença, ela simplesmente desistiu de praticamente todos os seus sonhos, mas o que esta a matando por dentro lentamente é o fato de ter que abdicar dos seus estudos e de um futuro que ela imaginava ser promissor – dado que ela queria ser uma médica – para trabalhar de governanta, seria isso o certo a se fazer? O quão injusto a vida pode ser? Mas mesmo assim ela segue em frente em sua decisão, afinal família sempre vem em primeiro lugar não é mesmo?

Átila Douglas sempre teve tudo o que quis, quando quis. Herdeiro de uma grande rede de cervejaria ele sabe bem como aproveitar a vida, fora o fato de ser um dos homens mais cobiçados. Mas o que poucos sabem é o quanto ele sofre, atormentado por um passado que não consegue por nada neste mundo esquecer. Ele acreditava que estava fadado a sofrer dia após dia e nunca, jamais viria a amar e ser amado novamente. Mas bem, o destino tende a contrariar tudo o que achamos conhecer e ter controle.

Àtila e Nora são duas pessoas completamente diferentes, de mundos diferentes, com sonhos e metas diferentes; mas que por incrível que pareça sentem uma atração absurda, mas as vezes a atração seria o prelúdio para algo maior e mais intenso? Para Átila o amor esta fora de cogitação, afinal a única vez que amou perdidamente alguém, não acabou nada bem. Nora sabe que o que era para ser uma relação estritamente profissional, aos poucos foi evoluindo, ela se encontra apaixonada por um homem recluso e demasiadamente machucado por um passado que pelo visto jamais será esquecido. Mas o que Nora não sabe é que Átila esconde um segredo de todos, segredo esse que arruinaria a vida de todos que o cercam, segredo esse que viria a testar tudo o que ela acreditava.

Quanto mais se nega um sentimento igual o amor, mais forte esse sentimento se torna. Nora esta disposta a lutar por esse homem quebrado e imperfeito, esta disposta a se entregar totalmente para ele, mas as vezes cuidado nunca é demais, afinal o coração da gente pode sempre acabar machucado, despedaçado em certas situações. Nora só não contava que seria extremamente complicado ter Átila inteiro para si. Será que ela se contentaria em ter somente um pedaço dele? O que ele tanto luta para esconder?

Quando amamos verdadeiramente uma pessoa temos que estar dispostos a mostrar não somente nossas qualidades, não mostrar somente o lado bonito; mas sim mostrar nossos defeitos, nossas imperfeições, porque amar alguém de verdade, inclui tudo. Amar é se arriscar, se permitir sentir tudo intensamente; porque quanto mais refreamos tal sentimento, maior é a chance de se de decepcionar.

“Assim como Átila havia prometido, eu me tornei dele por completo. Eu só não imaginava que seria difícil tê-lo inteiramente para mim.”

Mas parece que esquecer o passado é tão complicado. Passado esse que a cada dia que se passa acabará por tornar sua eterna prisão, o impedindo de amar e ser amado de verdade, que fará ele perder o que a vida tem de melhor a nos oferecer, passado esse que o empurra cada vez mais par baixo, que o incentiva cada vez mais a abraçar seu vicio para assim poder ter certa paz. São em momentos como esse que de fato conhecemos aqueles que nos ama.

E é ao lado de Átila que Nora viverá seus melhores dias, mas que também enfrentará dias turbulentos e duvidosos; acabará vendo conhecendo um lado de seu amor que a fará inicialmente questionar se de fato vale a pena ficar uma vida ao lado de uma pessoa arruinada e perdida para a dependência química como Átila é. Mas mesmo contra todas as probabilidades, ela terá fé, esperança que seu amor poderá superar e vencer tanto seu passado quanto seu vicio. E Átila acabará percebendo que não só arruinou sua vida, como perceberá que mesmo magoando Nora, ela não desistiu dele, mas acabou por se tornar seu porto seguro e sua âncora. Será ele capaz de se tornar um novo homem e se entregar integralmente a esse amor que só o fez bem? O acabará perdendo a única coisa boa que teve em sua vida? Às vezes para podermos viver um grande amor, só precisamos enfrentar o passado, revivê-lo uma última vez para de fato colocar um ponto final e seguir em frente. Pois não podemos mudar o passado, mas podemos superá-lo.


“Eu nunca esperei por um conto de fadas, sabia que não existiam príncipes encantados nessa vida. Eu era realista. Mas, apesar de tudo, também não imaginava encontrar o amor em meio a tantos obstáculos.”



[-Minhas Impressões-]

A Bela e o Chefe é uma releitura moderna do clássico infantil A Bela e a Fera que conquistou meu coração desde o inicio da história. Ruby Lace apresentou uma história completamente envolvente e apaixonante, onde essa história vai muito além de um romance clichê. Um livro com assuntos densos abordados de forma incrivelmente realista, que nos emociona e é capaz de sensibilizar até o mais ranzinza e frígido ser humano.

Abordar dependência química nem sempre é uma coisa fácil, raramente somos convencidos nas histórias de que aquilo que esta acontecendo ali é verdadeiro; e a autora acertou em cheio nesse quesito, ela emociona e nos faz leva a refletir sobre as decisões dos personagens, você se questiona durante a leitura sobre os motivos que levaram Átila a se tornar um viciado. Sei que mágoas e decepções mudam a vida de uma pessoa, mas será que vale a pena destruir sua vida por isso? Temos a certeza de que é impossível mudar o passado, mas se quisermos podemos superá-lo. Do mesmo jeito que o amor é capaz de despedaçar nosso coração, ele é capaz de curar as feridas deixadas à muito tempo em nossa vida, em nossa alma.

A maneira como a autora nos mostra um lado mais sombrio de Átila, eu confesso que mexeu bastante comigo, me emocionou, me fez refletir, me fez querer sacudi-lo e mostrar o quanto sua dependência é algo destrutivo. Mas em contrapartida quantas pessoas não nos deparamos por aí sofrendo, se esforçando para sair do vicio. E aí vem a dúvida e as diversas atrocidades que ouvimos por aí, como: “Ah, se a pessoa entrou nessa vida é obrigação dela sair com as próprias pernas.”; “Ah, é só internar em um clinica e voltar daqui a alguns meses que a pessoa estará bem.”; “Problema da pessoa, tá tendo o que merece, ninguém mandou escolher essa vida.”... E essas são algumas das atrocidades que as pessoas falam, mas já pararam para pensar que por mais que a pessoa esteja nessa vida ela precisa de apoio, de pessoas que a amam para apoiar durante essa fase? Já parou para pensar que sozinho as chances de se curar é praticamente nula? Uma vez sozinho e desamparado o que resta para a pessoa? A tendência é se atolar cada vez mais e piorar. Viver em reclusão nunca fez e nunca fará bem a ninguém. A vida é valiosa demais para ser desperdiçada. E você apoiar uma pessoa não o diminuirá e não o fará menos que ninguém.

Nora é uma das protagonistas mais forte que pude ver, mesmo tendo medo e se sentindo insegura, ela esta lá ao lado de Átila, enfrentando a batalha junto dele, ela foi forte por si mesma e por ele e isso só me fez admirá-la. A evolução desse casal foi algo belo de se ver no decorrer da leitura.

Os capítulos sob o ponto de vista de Nora e Átila foi um fator crucial para tornar a leitura mais rápida e fluida, pois temos a chance de saber o que cada um pensa; seus medos, receios, suas dores. Como se a evolução dos personagens não fosse o suficiente, a história em si teve um crescimento admirável e que me fez devorar cada página, pois me coloquei no lugar dos personagens, senti suas dores; enfim, fui completamente envolvida pela leitura.

Foram as 426 páginas que li mais rápido em minha vida, um dia e meio ( na verdade foi questão de horas, dado que tenho o hábito de ler somente a noite), pois para aprimorar mais ainda a história, tínhamos flashes do passado de Átilla, o que elevava minha curiosidade a níveis indescritíveis e quando cheguei ao fim, ver que me encontrava contente pelo rumo que a história tomou, pela maneira com que os personagens foram trabalhados e no final estar aos prantos me faz querer gritar para que todos leiam esse livro. Pois no fim das contas a Ruby trabalhou um assunto extremamente polêmico e realista com uma delicadeza ímpar.

 Só me resta indicar, recomendar e dizer: leiam esse amor de livro. Um romance repleto de lições e mensagens de suma importância para nossa vida.

“Meu amor, não sou o homem perfeito, e estou longe de ser o príncipe encantado. Eu sou um homem real, assim como meus sentimentos.”

Inscrições Abertas - Participe !!

5 comentários:

  1. Sou fascinada por um bom romance e se ele chegar em forma de uma releitura assim, melhor ainda!Que capa mais linda.rs(eu adoro quando trazem pessoais reais...e que realidade)
    Mas voltando ao livro, gosto demais deste tipo de clichê, a mocinha(nem tão mocinha ingênua assim) conhecendo o homem destroçado e certo de que não amará mais. Aí o sentimento chega e? Estão ambos envolvidos, tentando a todo custo curarem um ao outro!
    Como não conhecia o livro, já vai para a lista de desejados agora!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Ah, só me resta dizer que quero muito ler.
    Amo releituras, mas no início pensei que seria mais do mesmo e estava curiosa para saber se tinha um diferencial; e você mostrou que tem, ainda bem!
    Foram poucos livros que li que abordaram a temática do vício químico; é algo forte, e deveria ser mais abordado.
    De fato, tem muitos julgamentos, acredito que não seja fácil sair sozinho e, não destrói apenas o viciado, leva todos que estão ao redor.
    Gostei de saber da força da protagonista!
    Já vejo que é uma história muito reflexiva e emocionante; vai pra lista.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Olá! Conheci o livro quando ainda estava sendo postado em uma famosa plataforma virtual, como fã mais que declarada da Bela e a Fera, a cada nova história inspirada nesse casal, que tem meu coração desde pequena, chama minha atenção. A história é muito bonita e a escrita foi capaz de transmitir os sentimentos pelos quais Átila e Nora passavam. Abordar um tema tão delicado, relevante e polêmico, mas que ao mesmo tempo faz parte do cotidiano de muitas famílias, de uma maneira tão sensível que nos trouxe lágrimas em cada página lida, não é para qualquer um. E ao final da leitura fiquei com um sorriso de dar inveja ao Gato de Cheshire, afinal aquele crossover foi M.A.R.A.V.I.L.H.O.S.O (#prontofalei).

    ResponderExcluir
  4. Eu aprecio muito as releituras, principalmente aquelas que conseguem transportar para a história nosso mundo atual, nossos problemas atuais, como acontece aqui. Acho que abordar a dependência química é algo delicado mas urgente, e pela tua resenha deu pra perceber que a autora conseguiu fazer isso com delicadeza e sensibilidade, emocionando e fazendo refletir ao mesmo tempo. Além disso, a evolução lenta e gradativa do romance entre os protagonistas e a personagem feminina forte são dois pontos bastante fortes do enredo, que enriquecem e diferenciam a trama das demais obras do gênero. Com certeza vou procurar saber mais sobre o livro.

    ResponderExcluir
  5. Essa capa é um luxo, acho maravilhosa, a releitura de A bela e a Fera condiz muito com esse tema da dependência química, pois a pessoa se torna realmente uma fera, ela não é o que era fora das drogas. Acho que além de tudo o assunto que esse livro aborda tem uma importância enorme, além da literatura.
    Acho incrível quando o autor ,nesse caso a autora, consegue mostrar o ponto de vista de cada um, isso nos torna privilegiados na hora de sentir o drama dos personagens.
    Louca pra conhecer de perto a evolução dessa história e de Atila e Nora.
    Obrigada pela empolgação ,a gente percebe quando o livro mexe mesmo com o leitor.

    ResponderExcluir