20 agosto 2018

Resenha - Se Não Houver Amanhã



Livro: Se não houver amanhã
Autora: Jennifer L. Armentrouth
Cortesia: Universo dos Livros
Páginas: 384
Skoob
Onde Comprar: Amazon
Lena Wise está sempre ansiosa pelo dia seguinte, especialmente porque está começando o último ano da escola. Ela está decidida a passar o máximo de tempo possível com os amigos, completar as inscrições da faculdade e talvez informar seu melhor amigo de infância, Sebastian, sobre o que realmente sente por ele. Para Lena, o próximo ano vai ser épico — um ano de oportunidades e conveniências. Até que uma escolha, um instante… destrói tudo.
Agora Lena não está ansiosa pelo dia seguinte. Não quando o tempo que dedica aos amigos pode nunca mais ser o mesmo. Não quando as inscrições para a faculdade podem ser qualquer coisa, menos viáveis. Não quando há o risco de Sebastian jamais perdoá-la pelo que aconteceu.
Pelo que ela permitiu que acontecesse. À medida que sua culpa aumenta, Lena está ciente de que sua única esperança é superar o ocorrido. Mas como é possível seguir em frente quando a existência inteira, tanto dela quanto a de seus amigos, foi transformada?Como seguir em frente quando o amanhã sequer é garantido?



E mais uma vez me vejo completamente arrebatada por um clichê, mas dessa vez um clichê com extrema significância para nossa vida.

Lena Wise, uma jovem adolescente de 17 anos e que esta prestes a iniciar seu último ano escolar, e sempre se preocupa com o amanhã, com o como virá a ser o dia seguinte. Ela tem amigos bem legais e que considera seu tudo e que pensa que nada poderá vir separa-los, nada poderá abalar essa amizade; sendo Sebastian seu melhor amigo e que, como todo o qualquer jovem, tem preocupações corriqueiras, como o fato de finalizar as inscrições para a faculdade, em que faculdade ela estará no próximo ano e diversas outras preocupações por quais provavelmente todos nós já passamos um dia.

Mas Lena com sua mania de pensar no amanhã com demasiado excesso, acaba por perceber que o colégio esta finalmente acabando e ela precisa contar a Sebastian seus sentimentos, abrir o jogo, ser sincera com si mesma e com ele. Mas as vezes confessar um amor não seja a coisa mais fácil, envolve não só você, mas todos que lhe rodeia. E ela precisa entender que em certos momentos é muito mais gratificante viver o hoje do que ficar no anseio do amanhã.

"Não havia dancinha no meu coração, apenas uma batida violenta que eu sentia reverberar em cada parte do meu corpo."

Até que o inesperado acontece... Uma decisão, um instante, um simples momento vem e simplesmente destrói tudo, tudo o que ela conhecia. Momento este que virá mudar seu destino, seu amanhã e o de seus amigos. Será que o amanhã ainda será tão aguardado? Será que o amanhã terá o mesmo significado e importância de antes? O que o amanhã reservará para Lena e seus amigos?

"Uma noite mudou a nossa vida irrevogavelmente. Uma escolha tinha alterado o curso do que todos nós deveríamos nos tornar. O que eu teria feito diferente naquela noite se eu soubesse que não haveria amanhã? Tudo. Eu teria feito tudo diferente."

A garota que tanto ansiava pelo amanhã se fecha para todos, se fecha para o mundo e o sentimento mais destrutivo começa a aumentar dentro de si: a culpa. Toda escolha tem sua consequência, toda escolha desperta sentimentos que nos domina futuramente e Lena pode pagar um preço alto demais por uma decisão. Mas se tem algo que ela tem esperanças é que algum dia ela possa superar isso tudo; mas que no fim ela possa se perdoar acima de tudo.

"Como a pessoa supera uma coisa dessas? Como a dor diminui ao longo dos ano? Como é que um buraco na nossa vida, o lugar que pertencia à outra pessoa, vai conseguir ser preenchido algum dia?"

As vezes decisões mudam nossa vida de maneira irremediável. Um instante faz a diferença. Um momento pode se tornar nosso eterno tormento. E se não superarmos os acontecimentos e não nos perdoarmos, um erro e até mesmo uma escolha se torna nossa eterna prisão. E tudo aquilo que tanto conhecíamos, se torna o desconhecido.



[- Minhas Impressões -]

O que dizer sobre esse livro? O que dizer depois de tudo o que foi lido no decorrer dessas 384 páginas? Acho que todas as palavras não seriam o suficiente para descrever todas as emoções despertadas enquanto lia esse livro.

Sou irreversivelmente apaixonada na escrita da Jennifer L. Armentrouth, mas nenhum um livro lido dela anteriormente me preparou para o que ela apresentou aqui. De risadas arrancadas na saga Lux, aqui ela nos comove de uma maneira inenarrável e que no fim nos faz refletir: O quanto vale o amanhã? Ele vale mais que o hoje? Sua significância é tão maior que a do presente? Ansiar e viver por algo que provavelmente nem venha a acontecer vale tão a pena? Na minha concepção não vale mesmo. O hoje é algo único, é algo que podemos fazer valer a pena ou na. Podemos nos arrepender, podemos pensar em repetir, mas bem, isso fica para o amanhã que de alguma maneira nunca se igualará ao hoje. O amanhã é uma vertente desconhecida, não sei se estarei lá, você não sabe.

E como se isso não fosse o suficiente, vemos o quanto guardar um sentimento nos leva a loucura, e por vezes isso se torna o gatilho para uma decisão errada, que por conta dessa decisão desperta um dos sentimentos mais destrutivos do mundo: a culpa e que por fim nos leva a uma prisão feita por uma escolha inicial, é como se fosse uma cadeia alimentar. Com uma delicadeza ímpar e sentimentos por vezes conflitantes, a autora nos mostra que escolhas podem ser algo extremamente destrutivo e aterrador. Jennifer nos mostra também a importância da família, dos amigos na vida de uma pessoa; e acima de qualquer outra coisa, elas nos mostra que é preciso superar, se perdoar, pois quando não somos capazes disso, nossa vida se torna uma tormenta sem fim, causando consequências até mesmo irremediáveis na vida e no psicológico de uma pessoa.

Ao acompanhar Lena no decorrer da leitura, ela despertou sentimentos conflitantes em mim, posso até dizer que foi uma das personagens mais complexas que já me deparei em um livro nesse ano. Ela é uma boa aluna, uma jovem como outra qualquer acaba por ter sentimentos por seu melhor amigo e isso acaba levando ela a tomar decisões que ao me ver impactou drasticamente não só em sua vida, mas na de todos que sempre esteve ao seu.

Esta é uma resenha difícil de fazer, pois o menor deslize pode desencadear em um spoiler e por fim impactar significativamente na leitura, mas posso dizer que esse livro é tão emocionante quanto grandioso; magnífico e devastador na mesma proporção e Jennifer mostrou um outro lado dela que eu não esperava. Como tinha dito inicialmente, ela é minha autora favorita, mas que confesso que me deparei com algo novo e que mexeu muito comigo no decorrer da leitura e mais uma vez ela mostrou que é uma escritora completa e que teve o poder de me fazer enxergar a vida por outra perspectiva. Me fez ver que de que adianta ansiar pelo amanhã, se o hoje esta aqui e estou deixando ele escorrer por entre meus dedos como se fosse areia. O hoje não volta, não se repete. O amanhã parece algo tão longínquo para me preocupar agora, para dar mais valor nele do que no hoje.

Faça seu hoje valer a pena, viva ele. Ria, grite, chore, se declare para seu amor independente do que acontecerá. Escolhas são feitas a todo momento, se perdoe e entenda que toda e qualquer escolha tem uma consequência. Se é boa ou não? Não saberemos de imediato, mas sim com o tempo. Se perdoar é necessário e seguir em frente é essencial. Então não deixe uma escolha se tornar sua prisão perpétua.

Enfim, Se Não Houver Amanhã é um livro que fala sobre perdão, erros e suas consequências. Uma leitura arrebatadora, aterradora de quão verdadeira que é a história. Intensa e dolorosamente belo.

A edição esta linda, com exceção de diversos erros de digitação presentes no decorrer da leitura, mas que no fim não impacta de maneira significativa na leitura.

Por fim, quero dizer para vocês: leiam. Mas não leiam pensando somente se tratar de mais um clichê, pois ele vai além disso e que abala nossos sentimentos e psicológico.

"Mas amanhã seria um dia melhor. Amanhã tinha que ser."


Inscrições Abertas - Participe!







11 comentários:

  1. Puxa, primeira resenha que leio deste livro e estou como? Doida para ler a obra! Puxa, há tempos não lia uma resenha tão bem construída e falando tão bem de um livro assim!
    Não tenho muito contato com as letras da autora, mas pelo que li acima, ela arrasou não só na construção do enredo,mas também em trazer uma Lena totalmente real e que mesmo tão jovem, anseia pela vida em sua total plenitude. Mas até que ponto isso é totalmente bom?
    Com certeza, vai para a lista de desejados.
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Oi, Byanca,

    Peguei esse livro para ler apenas com a expectativa de que seria um bom romance, de que seria um livro bem leve para passar o tempo. Como eu estava enganada. Esse livro é tudo, menos leve...

    Gostei muito do que eu encontrei. Essa grande carga emocional - por abordar questões densas e extremamente comuns que acontecem à todo o momento -, me envolveu por completo. O drama da Lena trouxe uma grande lição para mim, e sentir todo o sofrimento da Lena, fez com que eu desmoronasse.

    Me emocionou além da conta, pois eu me envolvi com a personagem e senti todo o seu sofrimento, por ter que carregar a culpa enorme. Me coloquei ali, enfrentando aquela situação, e me peguei pensando nos demais personagens... Na vida adiante... É preciso ser muito forte. E, é isso que a Lena, é: forte! Eu, no lugar dela, não conseguiria aguentar essa barra pesada!

    Por diversas vezes, tive que dá uma pausa na leitura e absorver a emoção contida - que tomou conta de mim -, para dá continuidade à leitura.

    Pude aprender que, por mais que alguma situação dolorosa seja difícil, temos que entender que a vida continua. Não podemos parar no tempo. E, não, isso não é cruel. É realístico.

    Recomendo e muito esse livro. Todos deveriam ler! E, com certeza ele faz parte da lista de melhores livros do ano!

    ResponderExcluir
  3. Oi Byanca.
    Quero muito ler esse livro.
    Da autora só li um livro de suspense (Não olhe para trás, que é ótimo), mas tenho o primeiro da saga Lux na estante.
    Dá para notar que a autora sabe escrever diversos gêneros!
    Achei a premissa desse livro muito interessante. Geralmente damos mais importância para o futuro do que para o presente. Mas, precisamos valorizar mais o dia de hoje, para não ter arrependimentos.
    Achei essa capa lindíssima.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá Byanca!
    Que resenha linda, parabéns, eu amei...
    Não tinha lido nd sobre esse livro ainda, gostei mto, o enredo parecer maravilhoso, o que me prendeu atenção foi as lições retiradas da leitura que deixa o leitor refletindo, amo qdo em deparo com enredos assim...Já vi que irei me emocionar mto!
    Já vai para os meus desejados.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Olá! Estou de olho nesse livro desde o seu lançamento, a sinopse me prendeu de imediato e fiquei muito curiosa para descobrir quais foram essas escolhas que culminaram em algo tão ruim (já estou aqui com o coração pequenininho). Imagino o quanto deve ser difícil para a protagonista lidar com toda essa situação (ainda mais tão jovem) e acredito que o livro passe uma mensagem bacana para quem, por muitas vezes, sente que esta na mesma situação, o sentimento de culpa é uns dos piores, pelo menos para mim, é horrível quando nossas escolhas resultam em fatos desastrosos, mas também meio que inevitável, afinal não há uma bola de cristal que nos ajude nesses momentos.

    ResponderExcluir
  6. Não tive a oportunidade de ler a escrita da autora ainda e não tinha ouvido falar desse livro até agora mas, nossa. Depois de ler essa resenha simplesmente preciso ler esse livro e saber o que acontece. Não só estou curiosa para saber isso mas sentir essas emoções conflitantes que é uma parte tão necessária porém muitas vezes dolorosa de uma leitura. Como alguém que pensa no amanhã de modo as vezes até obsessivo acho que esse livro vai ser necessário e importante para mim.

    ResponderExcluir
  7. Byanca!
    Faz um tempo que não leio um bom YA, porque sempre acredito que serão mais do mesmo, mas pelo visto aqui, a autora soube trazer uma gama de personagens bem caracterizados, assuntos pertinentes a essa fase bem aboradados e o que achei melhor, a presença de um psicólogo para acopanhar e explicar melhor as situações, achei uma ótima sacada da autora e fiquei com muita vontade de ler.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  8. Oi, Byanca! Tudo bom?
    Menina do céu, que resenha foi essa?! É possível não querer ler esse livro depois de palavras tão lindas a respeito dele? Acho que você foi muito convincente no seu propósito u_u kkkkkk.
    Adoro a escrita dessa autora! Acho que ela consegue mandar muito bem, independente do gênero e da abordagem. Meu queridinho continua sendo "Obsidiana", mas "Espero por Você" também foi um romance que me cativou.
    Apesar de não ser uma grande fã de dramas e histórias que me deixem agoniada do começo ao fim, fiquei bem curiosa por esse livro. Parece ser o tipo de leitura obrigatória, daquelas que marcam a vida de quem lê. Sem dúvida já entrou para a minha lista de desejados!

    Um super beijo e uma ótima semana! :* <3
    www.inconstantecontroversia.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Oi, Byanca!
    Antigamente eu era como a Lena, me focava apenas no amanhã e me esquecia de viver o hoje, sofria com o amanhã e não via o que o hoje estava me dando... Hoje em dia penso igual a você, não vale a pena ansiar e viver por algo que provavelmente nem irá acontecer.
    Sou fã dos livros da Jennifer desde que li seu livro Não olhe para trás, e sempre que vejo um livro dela já quero ler, ainda não li a série Lux mas tá na minha lista assim como estou adicionando Se não houver amanhã nesse momento, amei a premissa e fiquei bastante curiosa para saber a escolha que a Lena... Valeu pela dica! Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Eu li apenas o primeiro livro da saga Lux, então ainda não tenho uma opinião formada totalmente sobre a autora. A história de Obsidiana não faz muito meu gênero literário, mas eu gostei dos temas abordados e da construção das personagens, apesar de ter encontrado vários clichês ali. Acho que este é um livro que me agradaria mais, por seu gênero e pela história em si. Por ser um enredo com um pé na realidade, fica mais fácil sentir empatia e se identificar com as personagens. Além disso, ele proporciona uma reflexão sobre o tempo que é indispensável a todo e qualquer leitor. Parece ser uma leitura bem intensa e esse é um ponto muito positivo pra mim.

    ResponderExcluir
  11. Eu já tinha lido uma resenha desse livro, E sigo achando que sei o que acontece na vida de Lena, uma decisão que muda tudo, a sua vida e a de quem convive com ela...Eu fico angustiada por saber, mas terei que ler o livro. Eu como a personagem também( acho que como a maioria) vivo pensando no futuro, a ponto de não viver o presente..agonia total.Esse livro como você comenta deve fazer pensar mesmo nas coisas que fazemos, no que damos importância.,E serve como uma sacudida, rever conceitos, o que importa na vida? Muito bom.Só resta torcer para uma próxima edição sem erros, a capa está linda.

    ResponderExcluir