29 agosto 2018

Resenha - Os Imortalistas


Título: Os Imoralistas
Autora: Chloe Benjamin
N° de Páginas: 320
Editora: Hrper Collins
Skoob
Onde comprar: Saraiva/ Amazon

Se você soubesse a data de sua morte, como viveria sua vida? É 1969 no Lower East Side de Nova York e os rumores na vizinhança são sobre a chegada de uma mulher mística, uma vidente que se diz ser capaz de dizer a qualquer um qual será o dia de sua morte.
As crianças Gold - quatro adolescente que estão começando a conhecer a sim mesmos - saem de casa sorrateiramente para saber sua sorte. As profecias informam as cinco décadas de suas vidas. Simon, o menino de ouro, escapa para a costa oeste, procurando por amor na São Francisco dos anos 80; a sonhadora Klara se torna uma ilusionista em Las Vegas, obcecada em misturar realidade e fantasia; Daniel, o filho mais velho, luta para se manter seguro como um médico do exército após o 9 de Setembro; e Varya, a amante dos livros, se dedica a pesquisas sobre longevidade, nas quais ela testa os limites entre ciência e imortalidade. Um romance notavelmente ambicioso e profundo com uma brilhante história de amor familiar, Os Imortalistas explora a linha tênue entre destino e escolha, realidade e ilusão, este mundo e o próximo. É uma prova emocionante do poder da literatura, da essência da fé e da força implacável dos laços familiares.



Olá, pessoal!
A resenha de hoje é sobre um dos melhores livros que já li até hoje. Essa é a mais pura verdade. porque Os Imortalistas conta a saga de quatro irmãos que ainda muito crianças, visto que somente Varya e Daniel se aproximam da adolescência e Klara e Simon são os caçulas da estória que vão em busca da data precisa de suas mortes. Eles ouvem um boato de que chegou à vizinhança uma vidente que pode precisar com exatidão do dia em que cada pessoa morrerá, e seduzidos por essa possibilidade eles decidem saber qual será o dia em que cada irmão Gold irá morrer.



Depois do assustador encontro com a vidente as crianças retornam ao lar totalmente mudados e eles carregam dentro de si o terrível segredo do dia "D" de cada um. Os anos passam e cada irmão segue sua vida, sem nunca ter revelado entre eles o fatídico dia de suas mortes. Todos eles então decidem trilhar seu próprio caminho e isso os faz se distanciar cada vez mais um dos outros, somente Klara e Simon continuam muito próximos e unidos e assim cada um deles procuram viver suas vidas da melhor maneira possível.

O tempo passa e o que a misteriosa vidente previu parece destinado a acontecer, ainda que o medo, a angústia e o desespero sejam companhias constante na vida dos quatro irmãos.

Varya se tornou uma ferrenha pesquisadora sobre longevidade, Daniel tornou-se médico, Klara tornou-se ilusionista, e adora colocar a vida em perigo e por último vem Simon que foi o primeiro entre os irmãos a debandar e ir atrás de suas realizações. Mas aquele dia do ano de 1969 volta constantemente a cada um deles, lembrando-os de que se a previsão da mulher for verdadeira logo logo o primeiro irmão morrerá, e o que eles podem fazer é esperar para saber quem e como acontecerá.

" - Tudo bem - disse ela - Mas do que você tem realmente medo?
Varya riu da pureza da pergunta. Era a perda, é claro. Perda da vida; perda das pessoas que ela amava."



[- Minhas impressões -]

Pois é, eu gosto de ser surpreendida pelos livros que leio e isso aconteceu de forma espetacular com Os Imortalistas. Quando li a sinopse pensei: Nossa, que estória forte, interessante... Acho que vou gostar, e eu não só gostei como o considero um dos melhores lidos até agora, como bem disse no começo da resenha.

Já aconteceu de vocês estarem lendo um livro e simplesmente sentirem como se as palavras fossem de alguma forma direcionadas a vocês? Se a resposta for sim eu fico muito feliz, pois foi exatamente essa a sensação que eu tive ao ler Os Imortalistas. A estória aborda o medo, não só o medo da morte em si, mas o medo que está em cada um de nós o tempo todo. O medo que nos paralisa, nos prende e nos impede de seguir adiante, porque achamos que não somos capazes. E aí, a gente deixa de viver, deixa de sonhar, de acreditar e realizar.  A gente por fim só passa pela vida e a vida passa pela gente, mas sem nunca termos vivido de fato.

Em Os Imortalistas acredito que somente Simon e Klara tenham realmente vivido suas vidas da maneira que quiseram e mesmo não concordando com  as atitudes tomadas por eles ao longo de suas trajetórias ouso dizer que eles foram os mais corajosos e destemidos, e para eles foi toda a minha simpatia e solidariedade.

A escrita da autora é sensível, honesta e muito real e por várias vezes me senti conectada às suas palavras e totalmente emocionada e tocada também, e é por isso que eu sempre costumo dizer que o que me encanta na leitura é esse poder que as palavras têm de me emocionar e me ensinar, pois livros e estórias como essa me levam à reflexão, algo que eu gosto muito e que me faz muitíssimo bem.

À Chloe e ao Os Imortalistas o meu mais sincero obrigada por essa incrível e comovente estória. Espero ler mais livros da autora em breve, porque ela tem em mim uma grata e fervorosa fã. E não poderia terminar minha resenha sem dizer que eu amei a singeleza e beleza da capa, mesmo que à princípio não tenha entendido muito bem seu significado, porém, comentando com a minha filha ela me levou a perceber que a árvore na capa significa a árvore genealógica da família Gold - os laços inseparáveis que une o indivíduo aos seus familiares. Confesso que gostei do que ela me falou e concordo totalmente também.

É isso aí, pessoal,  espero que vocês tenham gostado e que leiam assim que possível esse livro maravilhoso e repleto de ensinamentos.


Inscrições Abertas - Participe !




9 comentários:

  1. Tenho acompanhado nos últimos tempos o crescimento e carinho da Harper com seus lançamentos e isso dá um orgulho gostoso.
    Tenho lido muita coisa positiva a respeito deste lançamento e fiquei pensando como seria viver sabendo o dia da minha morte. Acho que não queria isso não.rs
    Ontem caminhando, pensava o quanto não tinha mais controle na minha vida, peguei uns fardos que não são meus e hoje tá complicado carregar...mas, sei lá.
    Talvez o livro também seja escrito para mim, por isso, espero ler o quanto antes!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Oi Kaline.
    Esse livro parece ser ótimo.
    Espero me sentir tocada pelas palavras da autora. É incrível quando os autores escrevem frases e reflexões que parecem ser diretas para nós.
    O medo é realmente algo que nos paralisa e por causa dele deixamos de fazer muita coisa. Provavelmente não iria gostar de saber a data da minha morte. Com certeza iria influenciar demais na forma que iria tomar as decisões, talvez eu me tornasse mais impulsiva.
    Espero ler o livro em breve.
    AMEI essa capa!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi, Kaline,

    Com camadas bem únicas, a impressão que o livro passa é que a autora soube aproveitar cada linha do mesmo.

    Somado a tudo isso, a incerteza de cada instante presente na trama, ao ampliar a concepção do leitor - mediante todos os fatos destacados - e levando-o a divagar sobre como isso que poderia afetar diretamente sua vida, é algo muito válido.

    Eu, particularmente, se soubesse quando irei morrer, no mínimo, iria surtar, entrar em desespero...

    Enfim, é um livro que desde o primeiro momento, eu soube que eu tinha que lê-lo, por conter um toque diferenciado dos demais livros. Não sendo assim, muito previsível.

    ResponderExcluir
  4. Olá Kaline!
    Só li resenhas lindas desse livro, dá vontade de ler logo de cara e é tão bacana quando um livro toca o leitor de alguma forma...
    Espero ler um dia!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Olá! Eu também adoro ser surpreendida durante a leitura (é bom demais) e mais de uma vez já me vi lendo algo que parecia ter sido escrito exatamente para mim, o que torna a leitura ainda mais especial. Não conhecia esse livro, mas também achei a sinopse bem interessante, não me vejo querendo descobrir a data do não tão esperado “the end”. Mas com toda certeza vou querer descobrir como esses irmãos lidaram com tal situação.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Kaline!
    Saber o dia de minha morte é algo que eu não gostaria de saber, provavelmente se eu soubesse agiria igual a Varya e Daniel, deixaria de viver e ficaria me preocupando apenas com esse dia...
    Mas achei interessante a premisaa de Os Imortalistas, fiquei muito curiosa para saber o que a vidente disse para cada uma das crianças Gold... Valeu pela dica, anotada! Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Nossa que emocionante ler isso, eu também prefiro livros que realmente mexam com meu emocional e com meus pensamentos. Acho essa história muito intrigante e diferente de tudo que se vê por aí. Eu jamais gostaria de saber a data de minha morte, morro de medo da morte,E imagino que forte para esses adolescentes terem essa data fatídica. Melhor seria não saberem. Fiquei curiosa pra saber se os pais tem conhecimento, acredito que os irmãos guardaram segredo por toda vida . Adorei a capa colorida, E vai pra lista.

    ResponderExcluir
  8. O enredo desse livro me parece bastante original, e é impossível não querer conhecer essa trama e as personagens, saber o que acontece com cada um deles e como suas escolhas interferem em suas vidas. Além disso, o livro proporciona reflexões sobre temas indispensáveis e comuns a todos os seres humanos, como o medo da morte e a maneira como decidimos viver e aproveitar nossos dias. Além disso, essa capa é maravilhosa!

    ResponderExcluir
  9. Kaline!
    Interessante poder acompanhar e torcer pela família Gold, sua saga, suas 'maldições'...
    O que mais me interessou foi a parte dos anos 80, afinal, passei minha adolescência durante esse período e gostaria de acompanhar e fazer um 'revival' da época.
    Não conhecia o livro.
    cheirinho
    Rudy

    ResponderExcluir