22 setembro 2016

Resenha - A Cor Púrpura



Vencedor do Prêmio Pulitzer em 1983 e inspiração para a obra-prima cinematográfica homônima dirigida por Steven Spielberg, o romance A cor púrpura retrata a dura vida de Celie, uma mulher negra no sul dos Estados Unidos da primeira metade do século XX. Pobre e praticamente analfabeta, Celie foi abusada, física e psicologicamente, desde a infância pelo padrasto e depois pelo marido. Um universo delicado, no entanto, é construído a partir das cartas que Celie escreve e das experiências de amizade e amor, sobretudo com a inesquecível Shug Avery. Apesar da dramaticidade de seu enredo, A cor púrpura se mostra muito atual e nos faz refletir sobre as relações de amor, ódio e poder, em uma sociedade ainda marcada pelas desigualdades de gêneros, etnias e classes sociais.




Livro: A Cor Púrpura
336 páginas || Skoob || Editora: José Olympio || Onde Comprar 









"Bom, ele fala, bem devagarinho, eu num posso deixar o senhor levar a Nettie. Ela é nova dimais. Num sabe de nada, só o que a gente fala pra ela. Depois, eu quero que ela fique mais na escola. Quero fazer uma professora dela. Mas eu posso deixar o senhor levar a Celie. Ela é mais velha mesmo. Ela pricisa casar primeiro. Ela também num é mocinha, eu acho que o senhor sabe disso. Ela já foi manchada. Duas vez. Mas o senhor também num pricisa de uma mocinha. Eu mesmo peguei uma mocinha e ela tá o tempo todo duente. Ele dá uma cuspida por cima da grade. As criança dão no nervo dela, ela num é boa cuzinheira. E já tá de barriga."

Celie é uma mulher negra, pobre e semianalfabeta que vive nos estados unidos no início do século XX. Desde muito nova ela sofreu abusos sexuais praticados pelo padrasto, tendo inclusive uma gravidez indesejada. Mais tarde, sendo obrigada a casar e imaginando que poderia finalmente fugir daquela vida desesperadora, Celie é mais uma vez surpreendida ao perceber que o marido continuaria a praticar os comportamentos de abuso que seu padrasto praticava. Resignada com tudo o que lhe acontecia, Celie desenvolveu um modo peculiar de narrar os seus sentimentos: através de cartas destinadas a Deus, onde ela revelava seus pensamentos mais íntimos, seus sonhos e mágoas para um ser onisciente no qual muito acreditava.

"Querido Deus,
Harpo pergunta pro pai por que ele bate em mim. Sinhô___ fala, Porque ela é minha mulher. Depois, ela é teimosa. Todas mulher são boa pra- ele num termina. Ele só infia a cara no jornal como faz sempre. Me faz lembrar o Pai.

O Harpo me pergunta, Por que que você é teimosa? Ele num pergunta Por que que você é mulher dele? Ninguém pergunta isso."

Mais tarde, quando imaginava que todas as humilhações já lhe haviam sido impostas, Celie se depara mais uma vez com um obstáculo: o marido leva uma amante para a sua casa. Porém, é a partir disso que Celie poderá finalmente conhecer o mundo existente lá fora e pode descobrir o que é a amizade dentre outros sentimentos dos quais ela apenas ouvira falar.

"Toda minha vida eu nunca me importei com o que as pessoa pensavam de coisa alguma queu fizesse, falei. Mas no fundo do meu coração eu me importava com Deus. O que ele ia pensar. E acabei discobrindo que ele num pensa. Só fica sentado lá na glória de ser Deus, eu acho. Mas num é fácil tentar fazer as coisa sem Deus. Mesmo se você sabe que ele num tá lá, tentar fazer sem ele é duro."

Todo narrado através de cartas, A cor púrpura nos leva a reflexão intensa sobre a desigualdade de gêneros, o valor que devemos dar a nós mesmos, a amizade, o amor, os abusos e sobre a realidade de muitas mulheres sem voz, pois mesmo que a história se passa há vários anos, a situação persiste em muitos lares ainda hoje.

"De qualquer maneira, ele falou, você sabe como é. Você faz uma pergunta pra você mesmo e ela leva você a fazer mais quinze. Eu comecei a imaginar por que a gente precisa de amor. Por que a gente sofre. Por que a gente é preto. Por que tem homem e tem mulher. De onde as criança vêm mesmo. Num demorou muito pra discobrir queu quase num sabia nada. E se você pergunta por que você é preto ou é um homem ou uma mulher ou uma moita isso num quer dizer nada se você num pergunta por que é que você tá aqui, pronto.
E o que é que você acha? eu perguntei.

Eu mesmo acho que a gente tá aqui pra se adimirar. Pra adimirar. Pra perguntar. E adimirando as grandes coisa e perguntando sobre as grande coisa é que a gente vai aprendendo as coisa pequena, quase que por acaso. Mas a gente nunca sabe mais sobre as grandes coisa do que sabia quando começou. Quanto mais eu admiro as coisa, ele falou, mais eu amo.

E as pessoa, eu aposto, começam a amar você de volta, eu falei."


[- Minhas Impressões -]


Esse é mais um dos livros lidos nesse ano que escolhi para o  meu desafio de leitura de um clássico por mês e é uma obra sobre a qual eu tinha intensa curiosidade, devido aos vários comentários positivos que já vi, e fiquei muito feliz em conhecê-la e confirmei o livro maravilhoso que A cor Púrpura é.

A obra nos traz Celie, que é semianalfabeta e escreve cartas para Deus e mais tarde para sua irmã. Não temos outra narrativa no livro, são apenas as cartas e eu adorei isso, é um modo muito pessoal de narração e faz com que a leitura flua, com certeza quero ler mais livros epistolares.  Essas cartas são escritas de forma simples, as vezes até muito curtas, e também a ortografia de Celie é considerada incorreta, do ponto de vista da linguagem formal, como palavras sem plural, faltando letras e etc. A princípio achei que isso me incomodaria, já que sou um tanto exigente quando se trata de erros ortográficos, mas pelo contrário, esse estilo de escrita deu apenas um tom de veracidade ainda maior para a obra, e me fez sentir como se estivesse ouvindo a voz de Celie conversando com Deus. Além disso, os temas debatidos na obra como homossexualidade, a condição dos negros, o preconceito, machismo e também sentimentos bons são todos demonstrados de uma forma muito simples e que nos cativa e nos leva principalmente a refletir e a rever nossos próprios preconceitos diante de uma situação assim.

Quanto a pontos negativos eu encontrei dois, que não prejudicaram no quanto eu gostei da obra. O primeiro foi a respeito das cartas: enquanto eu gostei muito desse método narrativo e me senti muito perto de Celie através delas, ao mesmo tempo achei-as em alguns momentos superficiais e queria entender mais os pensamentos e sentimentos da personagem, e senti que havia muito mais coisas ocultas ali. O outro ponto se refere as passagens de tempo, eram narrados apenas os principais acontecimentos e ela ficava tempos sem escrever cartas, então eu mais uma vez queria saber mais sobre essas lacunas temporais.

A respeito dos personagens, a protagonista, Celie, é uma mulher muito sofrida e foi muito interessante acompanhar toda a evolução dela ao decorrer da obra, posso dizer que é uma das personagens mais admiráveis da literatura que pude conhecer. Outra que merece um grande destaque é Shug, uma mulher que a princípio não gostei mas com quem ao longo da obra fui criando afinidade, principalmente por seu modo diferenciado de viver e pelas influências e ensinamentos que ajudou Celie a adquirir. Por fim, Nettie, a irmã de Celie e sua vida diferente na África foi mais uma grande personagem, e adorei conhecer seu estilo de vida através das cartas.

Enquanto lia esse livro, senti nele uma forte semelhança com o livro Preciosa, da autora Shapire, onde temos também uma menina que é abusada pelo pai e tem uma vida inicialmente semelhante a de Celie, e a obra se assemelha inclusive na escrita, pois preciosa traz esses mesmos erros ortográficos, mas o destino das duas ao final de cada livro acaba sendo diferente.

Não sou uma expectadora assídua de filmes, mas confesso que com essa obra eu fiquei com muita vontade de conhecer a adaptação que foi feita para o cinema, a fim de que eu possa assistir esses personagens ganhando vida nas telas.

Recomendo a obra para todos que gostam de bons livros, atemporais, que trazem as situações presentes em suas páginas para o nosso cotidiano e nos leva a pensar muito a respeito do certo e do errado, sobre o bem e o mal e sobre as atitudes humanas.

38 comentários:

  1. Olá
    Nao lwmbro se já tinha lido alguma resenha sobre esse livro, mas gostei bastante de poder ter lido seus comentários. Legal saber que foi feita uma adaptação também. Achei melhor mesmo o fato de haver essas reflexões. Espero poder ler.
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  2. Olá...
    Olha confesso que esse não é o tipo de livro que me atrai, pra falar a verdade ele foge de tudo que leria, começando pelo fato de ser clássico, não me entenda mal, não me entenda mal, eu cresci lendo clássicos e hoje tenho uma certa dificuldade de encarar esse gênero novamente. Porém sua resenha instigou minha curiosidade e fiquei com aquela sensação que tô perdendo uma ótima obra, então resolvi colocar na minha listinha de desejados e futuramente dar uma oportunidade ao livro, quando isso ocorrer espero gostar tanto quanto você...

    ResponderExcluir
  3. Olá
    Quando li esse nome eu já me lembrei de Todo mundo odeia o Cris e o amor de Tonya por Danny glover kkkk. Nunca tinha lido nada a respeito dele,apenas conhecia de nome essa história. Confesso que eu fiquei bem curioso depois de ler a sua empolgação na resenha. Espero ter a chance de ler essa grande obra. Até mais vê
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Olá, Tamara.
    Não conhecia esse livro ainda, mas já quero ler ele. Adoro livros que são escritos através de cartas. E quando vi que ela era semianalfabeta também pensei sobre esses erros na cartas, mas acho que como você falou, isso dá muito veracidade ao que está escrito. É um livro que já entrou para minha lista. Parabéns pela resenha.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Oi!
    Já conheço a obra e realmente é muito fácil se envolver com Celie, é um clássico atemporal, pois seu drama continua a existir na vida de tantos personagens fictícios e reais. Ler suas cartas nos coloca em conexão direta com seus sentimentos e pensamentos. Não é uma obra fácil devido ao teor dramático, mas merece ser apreciada. Ótima dica na linha leitura clássica. Bjs

    http://umavidaliteraria1.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Eu já conheço o livro mas nunca o li e sempre tive muita vontade. Acho que a trama é muito forte e tenho certeza de que a leitura será incrível. Eu não sabia que tem o filme e gostei de saber da novidade, mas eu só vou assistir depois de ler o livro.

    ResponderExcluir
  7. Oiii Tamara, tudo bem?
    Esse livro deve ser maravilhoso de realizar a leitura, eu com toda certeza super anotei a dica, é um tema até meio tabu na sociedade em que vivemos né, mas achei incrível a ideia do tema abordado e quero muito ler.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  8. Oiii Tamara, tudo bem?
    Menina eu tenho tanta vontade de ler esse livro que você nem imagina, é um team que até hoje é evitado de ser abordado, a cor purpura entrou entre os meus queridinhos depois dessa sua resenha incrível, dica super anotada mesmo.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  9. Amei esse livro, ja reli e assisti o filme incontáveis vezes. E choro demais tanto de emoção felizes como de tristeza e ódio.
    Adorei sua resenha.
    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Oi!
    Quando vi o título eu sabia que tinha ouvido em algum lugar... Todo Mundo Odeia o Chris hahaha'
    Finalmente sei do que se trata. Não sei se me daria bem com esse livro, mas fiquei bem curioso. ainda mais esses que faz pensar... Vou considerar a dica =D
    Abraço!

    ResponderExcluir
  11. Oiee Tamara ^^
    Eu só fiquei sabendo da existência desse livro há pouco tempo, e do filme idem, mas estou doida para conhecê-los. Não sei por que ainda não o li/assisti, não sei o que estou esperando...haha' só sinto que ainda não estou preparada para uma história assim, mesmo gostando de livros mais sofridos com personagens como a Celie. Enfim, um dia o lerei, e verei o filme também, só não sei quando.
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. oi Tamara
    Esse livro parece ser incrível. Quero muito ler. também faço um projeto para er livros clássico e esse está na lista. Já tenho ele na estante, então estou louca para ler. Eu não sabia que eram cartas, fiquei encantada.
    Bjus

    ResponderExcluir
  13. Olá,
    Já ouvi falar sobre esse livro. Assim que tiver a oportunidade pretendo comprá-lo. É muito triste saber que a realidade de muitas mulheres continua igual a vivida pela Celie. Esses questionamentos citados são feitos por muitas pessoas no decorrer da vida.
    Gostei das suas impressões, muito bem colocadas!
    Bjos.

    ResponderExcluir
  14. Que resenha linda você fez! Eu já tinha lido outra resenha do livro e fiquei muito curiosa para ler. Agora lendo a sua a empolgação só aumentou, só me falta tempo, hahaha. A leitura parece ser maravilhosa e cheia de mensagens belas e reflexivas.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  15. Já ouvi falar desse livro e sempre quis ler, mas nunca li nenhuma resenha e a sua me deixou bem curiosa.
    Não gosto muito de livros contados por cartas, mas mesmo assim vou dar uma chance a esse.
    Não sei se a comparação entre o outro livro, pois nunca li, mas que bom que têm destinos diferentes.
    Assim que possível lerei.

    Virando Amor

    ResponderExcluir
  16. Olá Tamara,
    Uma amiga leu esse livro e é um dos seus favoritos da vida. Acho a premissa desse livro muito fascinante e a Cellie me lembrou uma protagonista do livro A Resposta - se você não leu, deve ler, é um ótimo livro.
    Entendo que você gostou da narrativa e entendo, ainda mais, que você sentiu as cartas um pouco superficiais, acho que não tem como ter um grande aprofundamento só quando você imagina mesmo.
    Sua resenha aumentou muito minha curiosidade de ler, será que consigo ler um livro clássico por mês como você?
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  17. Olá
    Não conhecia a obra e nem me lembro de ter lido nenhuma resenha, mas confesso que fiquei super curiosa com a historia a premissa me encantou e o fato do livro ser baseado em cartas deixa realmente a leitura fluida.Queria conhecer um pouco mais da personagem ela parece ser aquele tipo de personagem que você tem vontade de pegar e cuidar.Em breve pretendo ler por mais que não leio muitos clássicos.❤

    ResponderExcluir
  18. Ainda não li o livro, mas só vejo elogios em sua maioria. O filme eu já vi e é adorável, o que me dá ainda mais vontade de ler a obra. Eu entendo o que fala em relação às lacunas em relação às cartas, já aconteceu comigo. Como não li, fica difícil opinar, mas talvez o ângulo da narrativa pede que alguns pontos fiquem ocultos. Da mesma forma quando o livro é narrado por um personagem e outro fica para trás e não sabemos o que aconteceu com ele.

    *☆* Atraentemente *☆*

    ResponderExcluir
  19. Achei super interessante essa forma de narrativa do livro, através de cartas. Creio que teria tido o mesmo lado negativo que afirmou, pois sou dessas também, que quer cada espacinho de lacuna preenchido. Sua resenha ficou muito boa, adorei!

    ResponderExcluir
  20. Eu sabia que esse era um livro clássico e que falava sobre machismo, mas não tinha lido nenhuma resenha, ainda. Cara, que livro incrível! Super adicionei na minha lista de Quero ler do Skoob.
    Ao ler os quotes também fiquei um pouco incomodada com a escrita, mas é como você disse: isso dá mais veracidade à obra. Acho que depois que acostuma "vai que vai".
    Amei demais a parte em que ela pergunta por que perguntam a ela o motivo de ela ser teimosa, mas não perguntam por que ela é casada... tenso! Isso reflete bem o que vivemos hoje em dia: a mulher é culpada por aquilo que vive, por pior que seja :( não é fácil ser mulher.
    E sobre as lacunas temporais, acredito que também ficaria meio chateada com isso, mas no fim acho que dá pra preencher com nossa imaginação, o que pode ser um ponto bem positivo.

    Beijos,
    Kemmy|Duas leitoras

    ResponderExcluir
  21. Oi Tamara,
    Já tem uns 2 anos que planejo ler A Cor Púrpura e NADA!!
    Espero conseguir sair desse limbo em breve. ótima resenha! Me animou bastante a persistir e ler essa obra maravilhosa!
    Beijos
    Blog Relicário de Papel
    www.relicariodepapel.wordpress.com

    ResponderExcluir
  22. Oi Tamara,

    É um livro que precisa ser lido por todos. Acho uma história atemporal bem pesada e eu me senti um pouco mal em alguns momentos. Eu concordo contigo que as cartas poderiam ser menos superficiais e mais aprofundadas, já que a gente se sentiria mais ligado ainda com a personagem. Mas é um livro clássico, muito bem escrito, muito bem construído e que vale a pena ler. E assista o filme mesmo, porque é ótimo!

    bjs

    ResponderExcluir
  23. Oi Tamara,
    Eu já conhecia o título, tanto relacionado ao livro quanto ao filme, mas ainda não tive contato com nenhum dos dois, sabia que era uma obra de forte impacto, mas ainda não sabia a que diretamente ela se referia e olha, pelo que percebi, se trata não de um livro mas do livro não é?
    Sem dúvidas esse é um título que eu acrescento na minha lista para futuras aquisições, pois além de tudo a sua resenha está maravilhosa.
    Beijos

    ResponderExcluir
  24. Oi Tamara
    Esse livro é realmente incrível. Amei acompanhar a vida e as situações que na nossa personagem viveu. Engraçado você mencionar preciosa, pois também pensei nela enquanto lia.
    Gostei e me identifiquei muito com suas impressões.
    Ótima resenha
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  25. Oi
    Eu já vi o filme, se não me engano foi numa exibição na faculdade para se debater justamente os temas tratados no filme mas não li o livro, na época de universitária de exatas se a gente arruma tempo para comer já é um milagre! Quando tive a oportunidade de voltar a ler, não lembrei dessa história. É um clássico, merece ser lido e debatido sempre, seja em livro ou em filme!
    Abraços

    ResponderExcluir
  26. Olá! Esse livro está na minha lista de desejados com toda certeza. Já faz tempo que vi o filme e achei incrível. Mas não lembro de ter lido o livro, mas logo logo estarei lendo.

    ResponderExcluir
  27. oie!
    Eu ainda não li o livro, mas achei a premissa bem interessante. E realmente é um livro atemporal, pois é tema que pode ser visto em qualquer época, e ainda continua atuais. Gostei bastante dessa dica, ainda não conhecia esse livro.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  28. Oii Tamara, tudo bem? Adorei sua resenha e saber que gostou tando do livro. Realmente A Cor Púrpura é um livro atemporal com mensagens muito importantes e deveria ser lido por todos. Eu fiz a leitura alguns meses atrás e amei demais. Ainda não assisti ao filme, mas quero fazê-lo em breve.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  29. Olá, acredita que eu peguei a referência desse filme num episodio de todo mundo odeia o chris onde tônia cita ele e decidi assistir o filme ? nem sabia que tinha um livro e agora com certeza quero lê-lo, o filme é maravilhoso e tocante, chorei pra caramba e aposto que o livro terá o mesmo efeito sobre mim, mesmo sendo em cartas que é um jeito que eu não gosto muito de leitura pelo fato do tempo passa rápido demais e eu perder várias coisas assim como você citou.

    ResponderExcluir
  30. Oi Tamara, tudo bem? Puxa eu não conhecia essa obra mais achei sus prenoe bem interessante e apesar de fortes gostei dos temas abordados e infelizmente esses abusos com mulheres do mundo todo ainda acontecem. Então é um tema bem atual. Fico imaginando a dor e o desespero da personagem em passar por tudo que você descreveu. Deve ser um livro muito triste.
    Vou deixar a dica anotada psra ler futuramente.
    BJ

    ResponderExcluir
  31. Ooi!
    Já vi falarem sobre o livro em algum lugar, mas não me lembro de ter lido alguma resenha, acho que essa é a primeira. Gosto bastante da premissa dela, gosto muito desses livros que abordam temas do tipo, são sempre ótimos para refletir. Dica anotada! Espero ter a oportunidade de lê-lo.
    Ótima resenha!

    Beijoos

    ResponderExcluir
  32. Oi, tudo bem?
    Já ouvi falar sobre esse livro, mas nunca tinha parado para saber sobre a história dele. Agora lendo sua resenha fiquei muito interessada no livro, pois os temas abordados são muito importantes e chamam minha atenção em livros. Além disso, a protagonista parece ser uma personagem bem cativantes e deve ser doloroso acompanhar tudo. Sem contar que também acho bacana histórias narradas através de cartas. Enfim, espero um dia ler essa obra e gostar tanto quanto você.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  33. Olá Tamara!
    A história parece ser triste, mas ao mesmo tempo mostrar uma força sem igual. Não é fácil uma mulher passar tudo que ela passou e mesmo assim ficar firme. Já li muitas coisas desse livro e ele está na minha lista de desejados.
    Amei a sua resenha.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  34. Oi!!
    Eu já assisti o filme, mas nunca me imaginei lendo esse livro. Eu amo o filme Preciosa e adoraria ler o livro, agora que você falou que eles parecem ser semelhantes até bateu uma vontade de conferir a leitura desse clássico, é legal conferir histórias como essa, devem trazer momentos de reflexão.
    Beijão!

    ResponderExcluir
  35. Olá
    eu infelizmente não li o livro todo mas com certeza quero e espero gostar muito por ser um livro bem realista e triste, o enredo é ótimo, eu só não terminei pelo momento que estava, amei sua resenha

    Bewijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  36. Oie!!!
    Este parece ser um clássico atemporal, pois apesar de ter sido escrito (e adaptado para os cinemas) há bastante tempo infelizmente ainda nos deparamos com notícias de violência doméstica e de atitudes machistas sendo feitas diariamente.
    Amei esse seu desafio de um clássico por mês! Acho que vou copiar esta ideia pra treinar meu inglês e para reler aqueles clássicos da língua portuguesa que quando somos obrigados a ler muito jovens nunca entendemos completamente!
    Valeu a dica!
    Bjinhos;)
    Elaine M. Escovedo
    Caminhando Entre Livros
    Http://www.caminhandoentelivros.com.br

    ResponderExcluir
  37. Esse é um clássico pelo qual estou super interessada para ler, por se tratar de um tema que está sendo bem discutido ultimamente: a desigualdade dos gêneros, e a autora parece ter conduzido de maneira fluida e envolvente a estória, deixando o livro leve mesmo com um enredo pesado, os pontos negativos também não me incomodariam tanto, já que gosto de livros com cartas e principalmente quando consiga perceber algo nas entrelinhas.

    ResponderExcluir
  38. Não tinha lido a obra, mas sei que é um clássico. A capa é imagética, não tinha lido resenha alguma, e achava que haveria um romance. Longe disso, a obra é intensa e arranca reflexões severas sobre o abuso! Fiquei assustada quando vc citou que o marido também tinhas as mesmas práticas do padrasto. Ainda bem que ela conseguiu vê que existe coisa melhor no mundo! Fico com receio de ler a obra por saber que vou me torturar por dias.

    ResponderExcluir