30 junho 2016

Resenha - Flor da pele





Estamos no início do século XIX, e a varíola, também conhecida como flor negra
pelas marcas que deixa na pele daqueles que são infectados, é a doença mais temida do mundo. Não há rico ou pobre, criança ou velho, que esteja a salvo. Ao menos até pesquisadores começarem a testar um método ousado, porém eficaz, que consiste em provocar infecções atenuadas em pessoas saudáveis, tornando seus organismos resistentes ao mal.
É nesse momento que uma jovem mãe solteira, Isabel Zendal, torna-se a primeira enfermeira da história numa missão internacional. Acompanhada por vinte e duas crianças com idades entre três e nove anos, ela parte rumo aos territórios espanhóis no além-mar para levar a recém-descoberta vacina da varíola à populações pobres. A expedição é liderada pelo médico Francisco Xavier Balmis e por seu ajudante, Josep Salvany, que enfrentarão a oposição do clero e a corrupção de autoridades locais e
também disputarão o amor de Isabel. A história real de amor e coragem de Isabel Zendal, à qual o best-seller Javier Moro teve acesso após ampla pesquisa, é retratada
neste romance com a mesma riqueza de detalhes e delicadeza de outros sucessos do autor, como Paixão índia e O sári vermelho.

Livro: Flor da Pele
432 páginas || Skoob || Cortesia: Editora Planeta|| Onde Comprar







"- Tem razão, precisaríamos fazer alguma coisa para conter a varíola. Muita gente na Corte não percebe que esse também é um assunto político, não apenas de saúde. Por ora, a única coisa que se mostrou eficaz foi um procedimento chamado variolização, mas é perigoso. Só nos resta extremar as medidas de higiene.
- E rezar para os santos.

Ambos sustentaram um olhar de incompreensão mútua. O mundo não se dividia apenas entre europeus e indígenas; as fissuras começavam a se tornar perceptíveis também entre os próprios brancos."

Isabel Zendal era uma camponesa pobre que perdeu a mãe aos treze anos para a varíola, doença que vinha tomando conta do mundo e que atingia todas as pessoas, sendo elas ricas ou pobres, e era um mal temido por todos. Sendo incumbida de ser a responsável pelo pai e pelos irmãos, Isabel faz o que pode para ajudar na sobrevivência daquela família, mas a fome é impiedosa e o frio é fustigante, até o dia em que prevendo uma vida melhor para a filha, o pai, Jacobo, vai até o cura da região, Dom Cayetano, e pede para que ele arranje um trabalho de criada para Isabel, longe daquela aldeia pobre, antevendo um futuro melhor para a menina, uma vez que antes de a mãe morrer ela insistia para que a filha aprendesse a ler, escrever e calcular para no futuro ter uma vida melhor. Logo aparece a oportunidade de Isabel trabalhar na casa de uma família rica, cuidando das crianças, e é nesse local que sua vida muda.

Ainda muito jovem e inocente Isabel logo conhece um soldado, que lhe faz uma dezena de promessas e antes de partir acaba engravidando a moça e depois a abandona para nunca mais voltar. A moça que vive sem perspectivas de vida é ajudada por Dom Gerônimo, o dono da casa onde trabalha, que lhe arranja um posto de diretora em um orfanato, onde Isabel poderá cuidar de seu filho e ter uma vida melhor.

"A deformação da doente era espantosa. Uma erupção cutânea invadiu o contorno dos orifícios da face e as pústulas avançaram em direção ao peito, aos braços e às pernas. O médico anotava a cor das manchas: esbranquiçada, enegrecida, plúmbea ou rubra; e a forma: mais ou menos elevada, dilatada ou profunda. O pior foi a inflamação das mucosas; mal conseguia abrir os olhos devido à conjuntivite; a respiração se tornou pedregosa; a voz, rouca."

Também na Espanha havia um sonhador chamado Francisco Balmis. Decendente de uma família de barbeiros-sangradores-cirurgiões ele desejava seguir a profissão da família, porém de uma forma muito mais aprimorada. Ele queria aprender, ter uma formação sólida, grandes hospitais e grandes postos. Balmis se casa mas logo percebe que essa vida não é o suficiente, então segue para cidades maiores onde consegue conquistar os seus almejados aprendizados e consegue se tornar um cirurgião respeitado. Até o dia em que através de um livro, Balmis descobre que um homem criou uma vacina eficaz para a varíola, e decide ele ser o mentor de uma expedição de vacinação pela Espanha e pelas américas.

"Quando posta em prática, a ideia de utilizar crianças para transportar a vacina era muito mais complicada do que Balmis pensara de início. Cada um tinha sua personalidade, seu caráter, seu gênio e seu passado de abandono. Conviver com eles não parecia simples. Balmis, Salvany e os demais adultos se perguntavam como aguentariam uma travessia de várias semanas no espaço reduzido de um barco, se uma viagem pela estrada já era infernal. Como manter a disciplina? Como matar as horas entediantes? Como curá-los quando ficassem doentes? Como suportariam as mudanças de temperatura? Balmis estava obcecado por essa parte da organização, que lhe escapava; tudo o que tinha a ver com o universo infantil lhe era estranho. Nunca havia lidado com elas. No entanto, precisava delas; sem os garotos, não era possível levar o material para as vacinas até o outro lado do mundo. Sem os seres mais fracos da sociedade, não era possível levar a cabo a façanha médica e humanitária mais ambiciosa da história."

É através dessa vacinação que os caminhos de Isabel e Balmis se cruzam. Ao ir a um orfanato para levar crianças para transportarem a vacina, Balmis também recruta isabel para fazer a longa travessia e ajudar com aqueles órfãos desamparados, e juntos eles embarcam em uma viagem cheia de sofrimento, inovações, más condições e uma viagem que ainda não sabiam mas mudaria a história do mundo, ao mesmo tempo que Isabel é admirada e amada por sua coragem e desperta o amor em Balmis, Salvany o outro médico que está ajudando na expedição e em outros que cruzam o seu caminho.

"Isabel estava percebendo que aquela expedição, mais que um desafio físico, seria uma constante provação afetiva. Não conseguia imaginar seu futuro para além da imensa extensão que os rodeava. Era uma mulher endurecida, mas não o bastante para aceitar o sofrimento de um órfão. Saber que os jovens acabariam se dispersando e que a expedição precisaria sempre de novos garotos não era suficiente para enfrentar a dor lancinante de abandoná-los sucessivamente. O abandono... Se alguém conhecia bem a devastação que ele provocava na alma de uma pessoa, era ela."

Javier Moro, autor famoso por seus romances históricos, nos traz nesse livro de escrita leve um histórico da varíola e da destruição que causa e também traz a história do início de sua cura e dos rostos por trás de tanto empenho e dedicação.

"Se o homem ganhou essa guerra que travava desde o alvorecer de sua existência, não foi só pela heroica perseverança dos que participaram da expedição, mas também pela visão de futuro, por terem focado na educação pública e na utilização de pessoas relevantes e símbolos locais, que ajudaram a difundir os benefícios da vacina entre a opinião popular. Foi um exemplo de como um esforço sanitário internacional, logisticamente complexo, podia trasladar avanços médicos a contextos culturais distintos e remotos. Nesse sentido, a expedição continua a inspirar os planos internacionais para acabar com as pragas de nossa época."


[ - Minhas Impressões -]

Ainda estou sem palavras para definir esse livro cativante e emocionante. Após o término dele sinto que tive uma belíssima aula de história e que pude aprender um pouco mais sobre o mundo em que vivemos e sobre sua história. Aqui Javier moro dá nas 432 páginas um panorama incrível do que foi a varíola e da destruição causada por ela onde passava e também nos deixa ver um outro século, uma outra cultura, e um modo muito primitivo de vida. Confesso que essa foi a minha primeira experiência com esse autor que é tão comentado e consagrado por seus romances históricos e preciso dizer que sim, ele conseguiu me fascinar e pretendo conhecer muitas das suas outras obras.

Nessa história Javier fala especialmente da varíola e de sua história e de como foi o início de sua cura, e também nos apresenta com muita maestria todos os que estiveram diretamente empenhados na expedição de vacinação. Ele nos deixa ver histórias muito lindas de dedicação e esforço e em meio a essas histórias podemos ver as nuances do ser humano como os amores e os ódios, mas saliento que esse não é em nenhum momento o foco do livro.

Como pontos positivos posso destacar o modo como a história é conduzida, as descrições de cenários que foram muito bem feitas pelo autor de modo com que possamos nos sentir naquelas aldeias pobres, na travessia junto com Isabel, Balmis e Salvany, na tristeza vivida por aqueles órfãos tão inocentes que sem saber estavam ajudando em uma grande missão humanitária, e também pela forma como o autor nos passa o sentimento de cada pessoa ali presente, os ódios, amores, os sentimentos de abandono. Além disso senti que aprendi muito a respeito da varíola, doença da qual sempre ouvi falar mas sobre a qual não sabia nada a fundo. Podemos ver nesse livro uma reconstrução de todo o sofrimento causado pela doença e o alcance e poder de destruição que ela tinha. Porém o ponto que acabou me cativando mais ainda foi saber que a história que eu estava lendo, apesar de estar transformada em um romance foi real, Isabel, Balmis e a primeira expedição de vacinação realmente existiram e foram um marco histórico, talvez muito pouco lembrado e reconhecido, que deram início a dizimação da Varíola que teve seu último caso registrado em 1978.

Eu diria que não tenho pontos negativos de forma pessoal a destacar, porém sei que nem todos os leitores amam romances históricos tanto quanto eu, então alguns pontos podem ser incômodos para alguns leitores, como por exemplo o fato de o romance não seguir uma linearidade. Começamos quando Isabel perde a mãe, logo depois vemos sua ida para cidade e assim seguimos na história, mas nada que abarque um dia após o outro e sim os fatos mais importantes de sua história. Para exemplificar melhor, eu poderia dizer que me senti ao redor de uma fogueira com alguém me contando uma longa história, pulando anos e reunindo os fatos mais importantes pois não caberia, por exemplo, narrar cada dia pois na época em que Isabel era babá teríamos tarefas iguais todos os dias, quando a vacinação era feita teríamos descrição da mesma vacinação dia após dia, portanto o autor reuniu o que era mais importante para relatar assim conseguindo nos apresentar toda uma vida, desde quando Isabel era jovem até quando já tinha certa idade.

Também cabe um destaque que pode incomodar que é a ausência de romance. Realmente Isabel se apaixonou e se apaixonaram por ela, porém diante de tanta grandiosidade  na história da varíola e de sua vacina, Isabel se dedicava a essa causa nobre, relegando o romance sempre a segundo plano.

Em relação aos personagens todos me cativaram à sua maneira. As crianças foram as que mais tocaram meu coração pois eram órfãos sem perspectivas de vida, que não tinham suas vontades respeitadas e tinham o papel de receber uma injeção da vacina para carregarem em seus corpos o produto da vacina e depois deixar que retirassem esse líquido de seus braços infectados para ser aplicado em outras pessoas para  assim se disseminar a vacina. Não era um procedimento doloroso, mas era um uso um pouco invasivo daquelas crianças que no século XIX não tinham voz mas o autor apenas retratou como era a realidade. Essas crianças me cativaram pelo apego que dedicaram a Isabel, e por podermos presenciar seus medos, suas esperanças, suas felicidades. E Isabel também é um grande exemplo de mulher. Com toda certeza ela entrou para minha lista de mulheres fortes e corajosas. Ela percorreu o mundo sempre aguentando as más condições e sempre lutando para dar o melhor e o que estava ao seu alcance para aquelas crianças e para os doentes de quem cuidava. Os homens da trama, como Salvany também merecem destaque por seu desempenho e bondade, e Balmis apesar de ter sido o mentor de toda a expedição, era um homem frio que só pensava em alcançar seus objetivos, por isso em muitas vezes não gostei dele.

A narração é feita em terceira pessoa e o livro é dividido em 79 capítulos curtos, que facilitam a leitura e fazem com que as 432 páginas passem rapidamente e nem nos damos conta do fim que se aproxima. Não encontrei erros e como sou deficiente visual e não visualizo as capas dos livros, nessa leitura fiquei muito curiosa com o que a capa nos transmitiria e pedi descrição da imagem para uma amiga, e fiquei com a impressão geral de que a capa passa certo tom de serenidade, de repouso, e creio que a editora Planeta conseguiu associar muito bem a imagem com o que nos passa o livro, além de o título ser muito bacana e também simbolizar bem a varíola, que era chamada de flor negra.

Recomendo essa história maravilhosa para todos os leitores que gostam de bons romances históricos bem detalhados e que querem conhecer um pouco mais sobre a história do mundo através de uma escrita leve e gostosa. Também é uma ótima recomendação para os fãs de Javier moro ou para quem quer conhecer a escrita dele, creio ser um ótimo livro para iniciar nas obras do autor.

32 comentários:

  1. Javier Moro é um grande escritor. Em paixão Índia pude conhecer sua escrita. Amo romances históricos, principalmente quando a leitura flui e emociona.

    sonhoseaventurasdeamor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Eu gosto de romances históricos, fiquei com vontade de ler esse, aprece uma delicinha!!
    www.byanak.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi Tamara,
    Eu gosto bastante de romances históricos, especialmente os que apresentam uma ambientação rica em detalhes, o que imagino ser esse o caso, além do romance em si, e dos sentimentos individuais dos personagens. E claro que entendo que o romance fica em segundo plano mesmo..
    Eu não conhecia esse livro e nem o autor, mas fiquei bem curiosa e pretendo procurar mais informações para ler também.

    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  4. Tamara, muito boa a tua resenha!!! Despertou mais ainda a vontade para ler este livro.

    ResponderExcluir
  5. Adoro livros históricos que conseguem nos ensinar um pouco do nosso passado, sempre acho encantador aprender sobre o que aconteceu antigamente e ainda mais sobre coisas que foram devastadores e marcantes na história, então esse livro me interessou demais, com certeza irei tentar lê-lo.
    beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi, Tamara
    Suas resenhas são sempre tão profundas. Eu já conhecia a obra mas ainda não li, eu já estava curiosa mas diante de uma resenha tão linda como essa eu fiquei ainda mais curiosa e interessada no livro. A premissa me agradou muito e espero que quando eu ler, eu possa gostar da leitura e que ela atenda às minhas expectativas.

    ResponderExcluir
  7. Oi Tamara, li um livro do autor e fiquei: uaaaaaaaaaaaaaauuuuuuuuu!!! E gostei exatamente pelas características que você encontrou neste livro aqui: conhecer o mundo através de uma história bem contada. Acredito que a parte das crianças me deixará bem sensibilizada, mas quero encarar mesmo assim.
    Adorei a dica.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Não sou muito fã de romances históricos, mas esse me chamou e demais a atenção. Amei o plot, achei diferente. Talvez pelo fato de ter uma história real, não sei ao certo, mas fiquei curiosa. E suas impressões só me deixaram com mais vontade ainda de ler. Enquanto escrevia aqui, entrei no Skoob pra ver mais a respeito. Em resumo, quero pra ontem.

    ;D
    Nelmaliana Oliveira

    ResponderExcluir
  9. Oiee Tamara ^^
    Eu sou louca por livros que, além de trazerem romances belíssimos, nos dão uma aula de história daquelas. Ainda não conhecia este livro, mas a sua resenha me deixou animadíssima para lê-lo, novamente, principalmente por conta da parte histórica. Acho que, dependendo do livro, o romance tem que ficar em segundo plano mesmo, a não ser que seja um romance de época estilo Julia Quinn e cia.... hehe' já anotei a dica :)
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oi Tamara,
    nossa que resenha, confesso que perdi o fôlego enquanto lia. Eu fiquei com muita dúvida e até pensei em solicitar esse livro, mas acabei optando por um outro lançamento que me chamou mais a atenção. Agora, meio que me arrependi de não tê-lo escolhido, sinto que teria gostado muito dessa história tão arrebatadora, espero ter uma outra oportunidade de lê-lo algum dia.

    Abçs
    Nosso Mundo Literário

    ResponderExcluir
  11. Oi, Tamara!
    Que livro lindo! Não só é uma beleza de romance histórico, baseado em fatos reais, como está bem escrito e o autor parece que trabalho divinamente nele. Não me incomoda o fato de não ter uma linearidade (manter pontos mais importantes em destaque), menos ainda o fato de o romance ter ficado em segundo plano, se para a protagonista ficou, pq n ficaria pra nós, não é? Só a premissa e a leitura da sinopse já me agradaram, a sua resenha só me fez ter certeza que preciso dele! Lindeza de texto!!! um beijo!!! Nu.
    As 1001 Nuccias | Curte aí!

    ResponderExcluir
  12. Parece ser um ótimo livro, mas não gosto tanto do gênero.
    Parece ser belo a forma que ele retrata fatos reais, como a varíola e a cura dela em uma trama bem romântica.
    Mas a linearidade me incomodaria um pouco, confesso, então acho que não leria.
    Mas se eu tiver a oportunidade, quem sabe?

    Virando Amor

    ResponderExcluir
  13. Heey Tamara! Que resenha maravilhosa! É a primeira que leio do livro, que não conhecia, e estou encantada! Gosto de romances históricos, e ainda mais com contexto assim, abordando uma doença horrível que matou tanta gente. Curiosíssima para conferir esse romance. Dica anotada!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Olá Tamara,
    Esse é um dos meus gêneros favoritos e a premissa desse livro me ganhou completamente. Acho que a ideia do autor de trabalhar com a varíola foi o fato principal que me fez precisar ler o livro para ontem. Essa sua observação sobre o romance não é um ponto negativo pra mim, pois a grandiosidade da história exige isso mesmo.
    Os capítulos são curtos, então, a leitura deve ser bem fluída.
    Adorei sua resenha e anotei a dica para ontem.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  15. Confesso que não leio muitos romances históricos, na verdade faz muito tempo que não leio nada do gênero. Bom eu não conhecia o livro e nem o autor, mas fiquei curiosa com o tema abordado, ate porque não conheço muito sobre o assunto e sempre é bom acrescentar algo mais ao nosso conhecimento né... A ideia do livro me agradou demais e com certeza já adicionei na minha lista de desejados e espero ler em breve.

    ResponderExcluir
  16. Oii!
    Nunca tinha ouvido falar desse livro, acredita?? Gosto bastante de romances históricos, mas esse não despertou meu interesse! rs Não sei porque a história não me ganhou, mas depois de tantos elogios impossível não ficar curiosa! Quem sabe não dê uma chance um dia?

    Beijão!
    Vem conhecer o meu cantinho ♥
    http://cantinhodosrabiscos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  17. Oi Tamara, tudo bem?
    Que dica maravilhosa de leitura, eu acho que vou gostar muito desse livro pois assim como você antes de realizar a leitura eu não tenho muitos conhecimentos a respeito da varíola, apesar de já ter ouvido por alto várias histórias sobre, sua resenha me despertou a curiosidade para a leitura. Me interessei muito em saber mais sobre a expedição para distribuir a vacina e como era feito o processo para coletar o fluido, fiquei bem curiosa para saber como foi realizada essa abordagem no livro. Gostei muito da descrição que fez de Isabel, apesar do foco não ser paixões, acho que ajuda a preencher as lacunas e conhecer melhor a personalidade da personagem. Dica anotada!
    Beijos
    Um Rascunho a Mais

    ResponderExcluir
  18. Oi!
    Gosto muito de romances de época, mas os que retratam a realidade e o sofrimento me deixam um pouco nervosa, sei que precisamos conhecer a história, mas prefiro as minhas leituras mais leve, ressaltando o romantismo e a beleza. A sua resenha ficou incrível. bj

    Uma vida literária

    ResponderExcluir
  19. Olá Tamara, tudo bem?
    Nossa, que resenha e que história incrível. Amo esse gênero de leitura e ainda mais quando abordam assuntos que eu não tenho muito conhecimento, como a varíola.
    Deve ser realmente uma história maravilhosa, e devo dizer que a sua resenha me ganhou. Já quero muito ler !

    Um beijo,
    umavidaliteraria1.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. Olá!
    Eu nunca li nenhum romance histórico e fiquei bem interessada nesse por causa da sua resenha. Acho que foi legal deixarem o romance um pouco de lado pois o foco é a varíola e a busca da cura, e o que os personagens passaram para consegui-la. Deve ser uma história bem emocionante e nos leva a um grande aprendizado sobre essa época.
    Beijos.
    http://arsenaldeideiasblog.wordpress.com

    ResponderExcluir
  21. Antes de tudo, quero lhe agradecer por compartilhar a resenha desse maravilhoso exemplar conosco! Depois que li sua resenha, tive certeza de que preciso desse livro! Eu amo exemplares de época bem detalhados com toques históricos para nos ensinar grandes coisas. De fato, o livro que resenhou me proporcionará essa experiência! Houve muitas coisas no século retrasado que hoje julgamos ser coisas de outro muito, a varíola é ums delas. A primeira vontade do autor ao retratar essa peste que causou tanta destruição é excecionalmente brilhante!
    Não creio que o fato de não haver romance ns obra seja um problema, afinal, não é esse o generoso livro!
    No mais, tenho que lhe parabenizar pela resenha organizada com pontos claros e diretos.
    Grande abraço e sucesso para você!
    Filipe Penasso - Pena Pensante

    ResponderExcluir
  22. Que linda resenha, me envolveu, com certeza esse vai para minha lista.

    ResponderExcluir
  23. Amo romances, principalmente os históricos, pois adoro quando o autor explora os costumes da época ou do evento histórico, gostei da história de Isabel, cheia de reviravoltas e buscando uma vida melhor, não li nada ainda sobre essa doença, mas percebi que a maneira como os dois se encontram é inusitada, é uma pena para os amantes de romance como eu não irão gostar por completo do livro, já que o romance fica de segundo plano. Mesmo assim gostaria de ler o livro, gosto de aprender sobre algumas épocas por meio de obras fáceis e complexas

    ResponderExcluir
  24. OI, Tamara

    Não conhecia o livro, mas fiquei impressionada com a relevância do enredo. Acompanhar Balmis e Isabel nessa jornada deve ser super enriquecedor. O fato do romance ser deixado um pouco de lado me agrada muito, pois a importância da história é bem mais relevante para mim.
    Fiquei bem interessada mesmo, parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
  25. Oi, tudo bom?

    Nossa, essa resenha consegue transmitir bem o que o livro passa - bem aprofundado. Mas esse não seria um livro que eu leria, não curti muito - como você falou - o fato de focarem mais nos acontecimentos históricos, acho que seria legal para quem está estudando sobre o assunto, mas para um leitura casual, não.

    Abs,
    http://perdidoemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  26. Olá, tudo bom?

    Não conhecia esse livro ou o trabalho desse autor, mas lógico que já me interessei bastante sobre o assunto e quero ler logo. Adoro romances históricos, acredito que é uma maneira incrível de nos mostrar a história do mundo. Nesse caso, por exemplo, como eu não conheço muito sobre a varíola, a obra poderá me ensinar um pouco mais sobre o assunto, de uma maneira diferente dos livros de história.

    Gosto de saber que o romance acaba ficando para segundo plano, pois muitas vezes o romance é o foco e perdemos a parte importante da época em que é retratada. Além disso, ele nos absteve de detalhes desnecessários e nos mostrou partes significativas da vida de Isabel.

    Enfim, eu adorei sua resenha! Obrigada pela dica ;)

    Beijos.

    http://instantesmemoraveis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  27. Oi, tudo bem?
    Eu não costumo ler livros assim, mas fiquei muito animada com esse, a premissa dele é muito interessante e triste ao mesmo tempo, imagino o quanto deve ser difícil a vida para Isabel e o leitor deve sofrer com ela, né? Como uma adoradora de romances talvez sentisse falta de romance nessa obra, já que não é o foco, mas ainda sim acredito que seria conquistada na hora e fiquei bem animada ao saber que esse livro ainda ensina muita cosia para o leitor.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  28. Ola Tamara lindona a primeira vista o livro não me chamou atenção, mas lendo sua resenha percebi a riqueza em sentimentos e cenários do livro, o que me despertou atenção. Mesmo não sendo focado no romance acredito que o livro seja uma leitura que irá nos enriquecer. Dica anotada. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  29. Olá. Apesar do comentário de o autor ser muito conhecido por seus romances de época, ainda não tive nenhum contato com suas obra. Recentemente li uma obra muito parecida com essa - digo, na forma de contar a história -, chamada O Livro dos Negros e, desde então, leituras assim são difíceis para mim por saber que todo esse sofrimento ocorreu no passado, mas que foi necessário para que as próximas gerações pudessem ser salvas dessa doença tão devastadora. Fiquei impressionada com a profundidade com a qual foi criada a história da personagem e toda a luta que ela enfrentou. A resenha ficou incrível e, mesmo não tendo a certeza de que lerei futuramente, com certeza anotarei a indicação. Livros que, além de relatos surpreendentes, ainda nos trazem ótimos ensinamentos são sempre muito bem-vindos. ♡

    Beijos,
    Fernanda F. Goulart.

    ResponderExcluir
  30. Oi Tamara, tudo bem?
    Eu não conhecia esse livro ainda e nem o autor, e confesso que sua resenha me deixou bem curiosa, ainda mais eu que adoro um bom romance histórico e esse trás um enredo bem interessante. Com toda certeza irei adquirir meu exemplar bem em breve para ver se também irei gostar. Ótima resenha!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  31. Olá!!!
    Nossa, eu fiquei tão imersa na sua resenha que nem sei como comentar sobre o que li. Você escreveu com uma profundidade que me deu uma ótima perspectiva de como a história realmente é. Adorei.

    Bem, eu não conhecia esse autor, isso me envergonha demais. Mas nunca é tarde né?!
    Eu gosto muito de histórias que me dão contextos históricos de um período que de fato foi vivido na sociedade. Isso faz a história ser muito mais crível e impactante. Digo que estou muito curiosa para saber como essa questão da varíola foi tratada e como a personagem principal lidou com todas essas intempéries da vida.

    Muito obrigada pela dica.
    Ingrid Cristina
    Plataforma 9¾

    ResponderExcluir
  32. Oi, que resenha mais completa! Não conhecia o autor mas a história me chamou muito a atenção. É cativante e por um lado triste, principalmente por saber que é um passado real. A varíola matou muita gente e é bom lermos livros que tratem desses assuntos. Izabel parece ser uma personagem muito autêntica e altruísta, queria saber mais sobre ela e de como foi o desfecho entre seus dois amores.
    Ótima resenha, beijos!

    ResponderExcluir