18 junho 2016

Resenha - Capitães da areia




Desde o seu lançamento, em 1937, Capitães da Areia causou escândalo: inúmeros exemplares do livro foram queimados em praça pública, por determinação do Estado Novo. Ao longo de sete décadas a narrativa não perdeu viço nem atualidade, pelo contrário: a vida urbana dos meninos pobres e infratores ganhou contornos trágicos e urgentes. Várias gerações de brasileiros sofreram o impacto e a sedução desses meninos que moram num trapiche abandonado no areal do cais de Salvador, vivendo à margem das convenções sociais. Verdadeiro romance de formação, o livro nos torna íntimos de suas pequenas criaturas, cada uma delas com suas carências e suas ambições: do líder Pedro Bala ao religioso Pirulito, do ressentido e cruel Sem-Pernas ao aprendiz de cafetão Gato, do sensato Professor ao rústico sertanejo Volta Seca. Com a força envolvente da sua prosa, Jorge Amado nos aproxima desses garotos e nos contagia com seu intenso desejo de liberdade.

Título: Capitães de Areia
283 páginas || Skoob || Editora: Companhia das Letras || Onde Comprar









"Todos reconheceram os direitos de Pedro Bala à chefia, e foi desta época que a cidade começou a ouvir falar nos Capitães da Areia, crianças abandonadas que viviam do furto. Nunca ninguém soube o número exato de meninos que assim viviam. Eram bem uns cem e destes mais de quarenta dormiam nas ruínas do velho trapiche. Vestidos de farrapos, sujos, semiesfomeados, agressivos, soltando palavrões e fumando pontas de cigarro, eram, em verdade, os donos da cidade, os que a conheciam totalmente, os que totalmente a amavam, os seus poetas."

Em uma cidadezinha no interior da Bahia, onde viviam ricos e pobres aconchegados em suas casas, também viviam Os capitães da areia, meninos sem teto que habitavam um trapiche abandonado e que eram esquecidos e ignorados pela sociedade. Os capitães da areia eram apenas meninos, com idades entre doze e dezesseis anos, ou as vezes mais novos, que apenas faziam o que podiam para sobreviver: roubavam ou as vezes acabavam até mesmo ferindo alguém no processo, mas no fundo eram apenas meninos pequenos com uma alma infantil e necessidade de carinho.

"João José, o Professor, desde o dia em que furtara um livro de histórias numa estante de uma casa da Barra, se tornara perito nestes furtos. Nunca, porém, vendia os livros, que ia empilhando num canto do trapiche, sob tijolos, para que os ratos não os roessem. Lia-os todos numa ânsia que era quase febre. Gostava de saber coisas e era ele quem, muitas noites, contava aos outros histórias de aventureiros, de homens do mar, de personagens heroicos e lendários, histórias que faziam aqueles olhos vivos se espicharem para o mar ou para as misteriosas ladeiras da cidade, numa ânsia de aventuras e de heroísmo. João José era o único que lia correntemente entre eles e, no entanto, só estivera na escola ano e meio. Mas o treino diário da leitura despertara completamente sua imaginação e talvez fosse ele o único que tivesse uma certa consciência do heroico das suas vidas. Aquele saber, aquela vocação para contar histórias, fizera-o respeitado entre os Capitães da Areia, se bem fosse franzino, magro e triste, o cabelo moreno caindo sobre os olhos apertados de míope."

Através de fragmentos de uma história construída a cada dia na rua, onde não sabiam o que teriam para comer no dia seguinte, conhecemos professor, um menino que sonhava com algo maior e que gostava muito de ler jornais e conhecer sobre o mundo lá fora e que também desenhava as pessoas na rua, enquanto retratava aquilo que via e as vezes ganhava um dinheiro, quando os retratados gostavam do que viam. Pirulito, um menino que amava os santos e que vivia rezando, enquanto sonhava um dia não precisar mais roubar e se tornar padre. Sem perna, um menino com uma deficiência mas que estava sempre com os companheiros, ajudando e muitas vezes sendo aquele que mais recebia um segundo olhar das pessoas na rua devido a seu problema. João grande, um negro cheio de força que perdeu os pais muito cedo, e Pedro bala, o chefe de todo aquele bando, que protegia e dava a vida por cada um deles, que era o pai para todos e que dava apoio quando ele mesmo precisava disso. E também encontramos algumas pessoas especiais, em meio a sociedade que os ignorava, que tentavam ajudar aqueles garotos da maneira que podiam.

"No começo da noite caiu uma carga-d’água. Também as nuvens pretas logo depois desapareceram do céu e as estrelas brilharam, brilhou também a lua cheia. Pela madrugada os Capitães da Areia vieram. O Sem-Pernas botou o motor para trabalhar. E eles esqueceram que não eram iguais às demais crianças, esqueceram que não tinham lar, nem pai, nem mãe, que viviam de furto como homens, que eram temidos na cidade como ladrões. Esqueceram as palavras da velha de lorgnon. Esqueceram tudo e foram iguais a todas as crianças, cavalgando os ginetes do carrossel, girando com as luzes. As estrelas brilhavam, brilhava a lua cheia. Mas, mais que tudo, brilhavam na noite da Bahia as luzes azuis, verdes, amarelas, roxas, vermelhas do Grande Carrossel Japonês."

Capitães da areia é um livro que deveria ser obrigatório para todas as idades e todas as gerações. É uma história de luta, de muita falta de apoio, assistência e de um segundo olhar. Jorge Amado foi extremamente certeiro ao retratar a vida de tantos meninos sem rosto e sem casa que vivem no nosso país em todas as épocas.

"Nas noites de chuva eles não podiam dormir. De quando em vez a luz de um relâmpago iluminava o trapiche e então se viam as caras magras e sujas dos Capitães da Areia. Muitos deles eram tão crianças que temiam ainda dragões e monstros lendários. Se chegavam para junto dos mais velhos, que apenas sentiam frio e sono."


[- Minhas Impressões -]

Já contei aqui no blog em uma de minhas resenhas do livro O sol é para todos que esse ano me propus a ler ao menos um clássico da literatura por mês para conhecer aquilo que temos de mais maravilhoso na literatura mundial e brasileira, e para entender porque alguns livros são tão amados pelos leitores de todas as épocas e idades. Até agora a experiência tem sido ótima e alguns clássicos que li acabei não gostando e alguns se tornaram livros favoritos e essenciais, como aconteceu com o livro que trago hoje, Capitães da areia.

Esse foi meu livro de maio e eu não conhecia a obra do Jorge Amado. Assim que comecei estava um pouco temerosa, com medo de não gostar, mas nas primeiras vinte páginas fui totalmente fisgada para dentro da história, para dentro do mundo daqueles meninos de rua e só consegui largar quando virei a última página. Achei uma história linda, e é como um tapa na cara de todos nós que não olhamos para os meninos e meninas que viviam nas ruas em 1930, época em que se passa mais ou menos essa história, e não prestamos tanta atenção ainda hoje, porque esses meninos ainda existem. É um tapa na cara sobre crianças que precisam se tornar adultos cedo e sobre crianças que aprendem cedo demais com a vida aquilo que não podem aprender nas escolas.

É bastante difícil falar sobre a obra sem destacar todas as lições aprendidas, porém abordando um pouco o livro em si ele é carregado de pontos positivos: um dos principais é a veracidade da narração, parece que o autor passou meses com garotos de rua para compreendê-los, fica evidente o tom de realidade nas descrições da miséria e da fome, nos diálogos e nos sonhos inocentes de quem não tem nada. Outro ponto importantíssimo a ser destacado é a forma como Jorge entrelaça todas as vidas e ao mesmo tempo narra as particularidades de cada um, sem que deixe a história confusa em qualquer momento, ele vai de um personagem a outro, de um lado da cidade a outro com muita maestria. Também podemos encontrar recortes de jornais falando sobre a tal gangue dos Capitães da areia que estava ficando famosa na cidade e até mesmo podemos ver autoridades se manifestando sobre eles e o que significavam, dando uma visão muito ampla sobre todas as pessoas envolvidas. Por fim não poderia deixar de destacar que um dos meninos fala muito a respeito de Lampião e seu bando, cangaceiros famosos na história do Brasil e através dos sonhos desse pequeno garoto de se juntar ao bando de seu padrinho, podemos conhecer muito também sobre esse personagem histórico.

Realmente tentei mas não consegui encontrar pontos negativos para destacar nesta obra, embora saiba que ela não vai tocar a todos da mesma maneira e para alguns a falta de ação, pois acompanhamos apenas a vida desses meninos por muitas páginas, com esparsos acontecimentos grandiosos pode se tornar entediante para os ansiosos por uma obra mais agitada.

Os personagens são muito bem construídos e conseguimos sentir suas emoções durante toda a história. há àqueles que possuíam muita raiva da vida miserável que levavam, mas o sentimento mais predominante e mais doloroso era a carência, um desejo puro e intenso de carinho, principalmente o materno. Eram meninos que faziam coisas erradas obrigados pela sua condição e sua vida, mas que ao fim do dia voltavam a ser crianças e só queriam um afago como todas as crianças da sua idade.
A personagem que mais me chamou atenção foi Dora, uma menina que apareceu na metade da história mas foi a presença mais forte e marcante para mim, a única menina a dar um pouco de carinho e força para o bando.

O livro é dividido em algumas partes, cada uma contendo um título significativo para a obra, falando sobre os capitães. É narrado em terceira pessoa e a revisão da Companhia das Letras está sem erros.

Uma curiosidade a respeito desse livro: ele foi lançado em 1937 e seus primeiros exemplares foram queimados em praça pública, junto com outras obras do autor, uma vez que ele era filiado ao partido comunista e então acusavam a obra de ser uma apologia ao comunismo, mas alguns anos depois o livro estava novamente em circulação e hoje é conhecido e adorado em diversos países.

Recomendo esse livro para todos os leitores. Para aqueles que gostam de dramas, de romance, de aventura e de conhecer um pouco da realidade, mesmo que através da ficção. Recomendo como uma leitura indispensável, que nos abre os olhos e nos faz refletir muito a respeito de situações que estão ao nosso redor.

Capitães da areia é um livro de 1937, mas sua temática serve para ontem, para hoje e talvez infelizmente ainda para amanhã, e mesmo que atualmente tenhamos muitas leis que protegem as crianças e adolescentes do nosso país ainda temos diversos capitães da areia por aí, por aqui e em todo lugar.

34 comentários:

  1. Li em 1973, para a escola.
    Eu tinha 12 anos, achei maravilhoso, e chocante, e foi um escândalo, a ditadura militar estava no auge, muitos pais reclamaram e até fizeram abaixo assinado.
    Foi uma introdução e tanto para o mundo adulto, tanto pelo conteúdo quanto pela perceção de como e quanto as pessoas e instituições temem o conhecimento.

    ResponderExcluir
  2. Olá Tamara,
    Li esse livro há muito tempo, na época em que estudava e que a leitura foi obrigatória. Me lembro que não havia curtido ler por obrigação, mas que uma das coisas que falei para a professora foi como esse livro tinha me emocionado e como os personagens pareciam pessoas vivendo ao meu lado.
    Hoje que sou mais madura sinto que aproveitaria mais a leitura e é, por esse motivo, que pretendo reler a obra para me recordar do que senti e - como imagino - aprender coisas novas.
    Sua resenha está incrível.
    Parabéns!
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  3. Já li o livro e tenho um exemplar de edição antiga aqui em casa! Eu sou suspeito a falar, pois Jorge Amado é um dos meus autores brasileiros preferidos, desde quando eu li o Gato Malhado e a Andorinha Sinhá. Capitães de Areia para mim foi um divisor de águas, pois me fez refletir sobre a vida de uma forma única.
    É um verdadeiro clássico que valoriza muito nossa cultura e literatura; àquele que nos faz ter orgulho de sermos brasileiros! Tamara, sei o quanto foi difícil para você fazer essa resenha e, por isso, tenho que lhe parabenizar pelo capricho e organização!
    Faço de suas palavras as minhas: leitura indispensável para todos.
    Tomemos os ensinamentos de Jorge Amado e guardemos conosco a fim de vivermos melhor com a gratidão por termos uma boa vida! Grande abraço para você e continue a escrever resenhas como essa! =)
    Filipe Penasso - Pena Pensante

    ResponderExcluir
  4. Capitões de Areia é lindo. Um dos poucos livros de Jorge Amado no qual tive gosto de ler. Mostra uma história que até se confunde com a realidade de hoje.
    Assista o filme, é muito bonito.
    Beijinhos, Helana ♥
    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir
  5. Oiee

    Muito gostoso ver uma resenha de Capitães da Areia. Amado Jorge Amado, sou completamente apaixonada por sua obra e essa é uma das minhas favoritas. Concordo que deveria ser lida por todos.
    Eu sempre leio os clássicos, preciosas jóias da literatura mundial e nacional e é tão difícil encontrar resenhas assim. Gostei demais da sua! Parabéns!

    bjs
    Fernanda
    http://pacoteliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Tamara, eu nunca li nada do autor mas tenho muita vontade. Suas obras sempre são tão bem comentadas que acho até vergonhoso o fato de eu nunca ter lido. EU ainda não conhecia esse livro e pela sua bela resenha eu fiquei curiosa suas impressões foram as melhores possíveis e você me convenceu a procurar o livro para começar a ler.

    ResponderExcluir
  7. Oi,
    Concordo que é uma história para todas as idades e gerações, uma história linda e apaixonante.
    Eu li na minha adolescência e fiquei com vontade de reler.
    Sua resenha está perfeita, impossível não bater aquela saudade
    beijos

    ResponderExcluir
  8. Olá, Tamara.
    Adorei sua resenha. Já é a segunda resenha apaixonada desse livro que eu leio. Já li um livro do autor e gostei bastante. Quando um autor passa veracidade na sua história, o livro se torna único. Acho que vou aproveitar e ler ele para o desafio que estou participando e não tinha encontrado ainda o livro para o quesito Proibido. E como ele foi queimado, ele se encaixa.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  9. Olá Tamara,
    nunca li algo do Jorge Amado, mas se não me engano tenho um livro dele surradinho na minha estante, rs!
    Sua resenha está ótima :)

    Beijos!
    http://entre-gatoselivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Olá!! :)

    Eu nunca li nada do autor... Mas ja ouvi falar IMENSO deste livro! :) E fico bastante curioso, ate porque ja li varias criticas positivas...

    Bem, a verdade e que a tua opiniao me fez ficar mais interessado, de tao positiva que foi! :) Especialmente pela parte dos personagens estarem bem construidos... :)

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  11. Oi Tamara,

    Esse livro é uma obra prima. Eu amei de mais realizar a leitura, não só pela premissa, mas porque ele me fez amar literatura brasileira. Jorge Amado é um mestre e essa história, como você mesma disse, pode se aplicar atualmente. É uma grande lição de moral sobre a sociedade. Espero reler essa obra em breve, você me deixou com vontade com essa resenha linda! haha

    beijo!

    ResponderExcluir
  12. Também preciso de um projeto como este de ler um clássico por mês, tenho uma lista intermináveis deles loucos para serem lidos. Nunca li Capitães de Areia, mas percebo pela sua resenha que é um daqueles livros que a gente lê imaginando em detalhes cada um dos personagens e dos lugares citados.... Ai que vontade!!

    Beijo, Van - Retrô Books
    http://balaiodelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Oie...
    Fico muito feliz quando vejo blogs resenhando clássicos, pois, infelizmente existe um preconceito bobo com esse tipo de leitura... Eu ultimamente tenho deixado a desejar, porque tenho bastante tempo que não leio um clássico rsrs... Preciso de uma meta que nem a sua de ler um por mês ;)
    Desse autor li o grande clássico Gabriela e gostei bastante!
    Adorei sua resenha e com certeza irei botar nos desejados...

    http://coisasdediane.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Oiii Tamara, tudo bem?
    Fiquei completamente apaixonada por essa sua resenha e adoro Jorge Amado <3 realmente este está na minha listinha a bastante tempo, esse autor realmente me fascina <3
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  15. Oi Tamara, tudo bem?
    Sua resenha ficou maravilhosa, eu sempre quis ler algo do Jorge Amado e agora não tenho dúvidas que irei ler Capitães de Areia. Muitas crianças no Brasil se vêem obrigadas a entrar nesse mundo de roubo muito cedo, apesar de todas as leis que as protegem, não existe suporte suficiente. Enquanto o que mais anseiam é amor e carinho, alguém que cuide delas e as protejam. Infelizmente ainda é um tema atual e recorrente.
    Dica anotada! Espero ler em breve.
    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Oii Tamara, tudo bom? Sua resenha ficou maravilhosa como sempre! Eu também me propus a ler mais clássicos esse ano, porém com a correria eu acabei por dar preferência a títulos de parceria... Mas li alguns muito bons. Capitães da Areia me pareceu incrível, só de ler sua resenha, e já anotei sua dica. Está mesmo na hora de ler algo do autor hehehe.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  17. Jorge amado sempre arrasa né! Sempre excedendo as expectativas. E esse livro parece ser maravilhoso trazendo esse tema da ditadura militar, bem polêmico e intrigante.
    Amei a resenha!
    Beijos

    Treslivrolatras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  18. Olá Tamara, que linda a sua resenha. Realmente esse livro merece ser favoritado, além de ser um clássico da nossa literatura nacional ainda tenho orgulho de dizer que Jorge Amado é da minha querida terra. Foi maravilhoso rever a história através do seu ponto de vista, eu li na época do colégio e já nem lembro tanto do enredo (mas sei que a leitura vale muito a pena).

    Beijos,
    Luan - Carpe Diem Literário.

    ResponderExcluir
  19. Oi, Tamara

    Ótima resenha! Eu tenho Capitães da Areia aqui, mas nunca li. Tenho que tomar vergonha, pois só leio resenhas ótimas sobre essa história. Gosto de livros assim, que fazem a gente refletir e que dão um tapa na nossa cara. E é impressionante mesmo o fato de que, apesar de tão antigo, o livro é atual...nos mostra como a situação, infelizmente, nunca muda! E acho que não viveremos para ver um cenário diferente!

    Beijos

    ResponderExcluir
  20. Oie!
    Eu confesso que não sou muito chegada em ler clássicos, mas esse fui obrigada a ler na época da escola para preparação do vestibular.
    Concordo com você em tudo o que vc disse sobre o livro e essa me foi uma grata surpresa.

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  21. Achei bacana esse projeto de se dedicar a um clássico por mês, eu deveria fazer isso, também nunca li nada do autor, mas já ouvi falar dessa história.
    Parece ser uma leitura bem envolvente e reflexiva. Gostei de saber que a leitura só tem pontos positivos.
    beijo
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  22. Mesmo que você considere o livro leitura obrigatória para todos, não me interessei por ele. A verdade é que não sou muito fã de leituras tão próximas da realidade, curto livros que me façam viajar de preferência por outros universos, que me permitam esquecer um pouco esse mundo cheio de coisas horríveis em que a gente vive. Além disso, li apenas um livro do autor, Gabriela Cravo e Canela, e não curti, o que me faz ficar com um pé atrás a respeito de outra obra dele. Mas gostei dessa ideia de ler um clássico por mês, vou tentar fazer isso também.

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  23. Oi. Tenho esse livro e até comecei a ler por causa do vestibular, mas acabei parando quase na metade do livro, sempre penso em continuar e sua resenha me fez ver que preciso urgentemente pegar esse livro e ler até o fim.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  24. Oii,

    Ainda não li nada de Jorge Amado, mas tinha ouvido falar nesse livro. E confesso que fiquei bem interessada em lê-lo. Parece uma história bem envolvente e também emocionante. Quem sabe em breve lerei para tirar as minhas conclusões.

    beijos

    ResponderExcluir
  25. Oie!
    Acredita que ainda não li nada do autor? Assim como não conhecia a história desse livro,a té que assisti uma adaptação recentemente, onde fiquei sabendo um pouco mais. Mas é uma história que não me atrai, e por isso vou deixar para outra oportunidade. Quem sabe eu mude rs
    Bjs!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  26. Tamara, você não sabe a alegria que eu senti quando abri esse post e vi que a resenha era de um dos meus livros favoritos de toda a vida. Capitães da Areia foi o primeiro clássico que eu li na vida e foi um dos meus primeiros livros também, um dos primeiros que me trouxe esse amo pela leitura. Eu tenho essa edição aí da imagem e você não tem noção do quanto eu amo essa história, do quanto ela me tocou, mesmo eu sendo uma garota sem muito conhecimento na época. Fico extremamente feliz que você tenha favoritado esse livro e que ele tenha te tocado. Realmente, recomendo para todos!

    ResponderExcluir
  27. Oi Tamara!!!
    Não li nada do autor Jorge Amado, Ainda.. Mas pretendo ler ainda esse ano, por causa da faculdade. Adorei a sua resenha, pois relata muito bem o que o autor quis passar pra nós, sobre os personagens. Esse livro é ótimo para quem gosta de livros tocantes, e quer trazer você de volta pra realidade.
    Bom, adicionei o livro na minha lista de leitura, e pretendo lê-lo o mais rápido possível. Beijoss, Alice

    www.blogmixbooks.blogspot.com

    ResponderExcluir
  28. Olá,
    Estou louca para ler esse livro faz um tempo e a sua resenha só me deixou mais ansiosa ainda, vou tenar organizar as minhas leituras e encaixá-lo para o mês que vem. Adorei a sua resenha. =)

    Beijos

    ResponderExcluir
  29. Oie
    jesus, estou mais do que atrasada para ler esse livro, quero muuuuito tentar esse ano pois me sinto um alien de ainda não ter lido e tenho até vergonha hahah as expectativas estão altas e adorei a resenha

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  30. Conheço o livro porque os outros me contaram, mas nunca li...não pq não e sim pq quero estar com vontade de ler, não me dou bem com classicos, mas ainda tenho esperança de começar a ler. Amei sua resenha fico feliz em saber que os classicos se tornam favoritos das pessoas esses livros nao podem ser esquecidos

    ResponderExcluir
  31. Ai Tamara, ler sua resenha só aumentou ainda mais a vontade que eu já tinha de ler esse livro.

    Primeiro que sua ideia de ler um clássico por mês é fantástica, espero que você os traga para o blog para conhecermos também.
    Eu nunca li nada de Jorge Amado ainda e sinto que estou perdendo tempo, já que sei que vou gostar da escrita dele.
    Sobre esse livro: que história linda e emocionante, mas também triste. Meu coração se parte ao meio só de imaginar a dificuldade que essas crianças enfrentaram para sobreviverem as duras penas de morarem na rua. E como você mesmo disse, isso é tão atual que chega a assustar.

    Bem, muito obrigada pela dica, eu amei! Sua resenha está incrível. Parabéns!
    Abraço!
    Ingrid Cristina
    Plataforma 9 3/4

    ResponderExcluir
  32. Menina, preciso ler essa obra logo...kkkk
    É uma vergonha, mas acho que nunca li nada do autor.

    Adorei sua resenha
    Abraços

    ResponderExcluir
  33. Oi Tamara, para ser sincera eu nunca me interessei em ler esse livro, isso que sempre ouvi falar muito bem dele, e a sua resenha não foi diferente. Fiquei bem feliz com os pontos positivos que você destacou do livro, vou ver se dou uma chance a ele uma hora dessas e quem sabe mudo de opinião, né?

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  34. Oi, tudo bem?
    Esse livro só me lembra de um amigo, que gosta muito do autor e sempre fala super bem. Que bom que gostou do livro, pois pretendo ler futuramente e bom saber que a obra traz reflexões importantes.
    Sua resenha ficou ótima, Tamara. Você relatou pontos importantes e que me fizeram ficar mais curiosa a respeito desse livro. Espero poder fazer a leitura ainda esse ano e gostar como você e meu amigo ;)

    Beijos
    www.leitorasempre.com

    ResponderExcluir