26 novembro 2018

Resenha: Com todo amor do mundo


Título: Com Todo Amor do Mundo
Autora: Monaliza Nunes
Editora: Editora Coerência
Páginas: 176
Onde comprar: Submarino

Um minuto para uma criança que está na escola, ansiosa para brincar, vale o mesmo que uma senhora de oitenta anos que está cansada da vida. Um minuto para uma mãe que acaba de perder um filho é o mesmo que um dia para um soldado em campo de guerra. Um minuto para um homem de negócios, cheio de assuntos para resolver é igual há quinze minutos que uma adolescente tem para chegar em casa na hora.Então mesmo sem ser considerada uma grande aluna de física e química, acho que este negócio de tempo não tem importância de verdade, porque muitas vezes o momento mais importante da nossa vida durou dez segundos o que em nossa mente vale por dez minutos, ou dez vidas ou cinco segundos, isso depende de cada um.Talvez o tempo dependa mais nós, do que nós dependemos dele. Talvez o tempo seja uma lenda criada pelos índios antigos, o que importa de verdade é garantir que nosso tempo está sendo usado de forma correta.




Liz é uma mulher com personalidade forte, gosta de bebidas, diversão, quase sempre mentirosa, bom, mentiu para si mesma a sua vida inteira, sempre com poucos amigos, mas o suficiente para faze-la inteiramente feliz, não viveu a vida do modo como gostaria de ter vivido, pois foi entregue aos desejos dos pais, construindo sua história dentro do que eles se interessavam, desde os pequenos aos grandes planos, como por exemplo, a interferência na sua escolha profissional. 

Larissa, sua melhor amiga, era aquela que trazia paz nos dias de tempestades, vivam sempre juntas, passavam a tarde na companhia de seus outros amigos: Miguel, André, Duda e Bruno. Eles prometiam que após o ensino médio tudo continuaria como antes, iriam se encontrar sempre que possível, as risadas seriam as mesmas ou ainda mais intensas. Entretanto, a conclusão do colegial fez com que cada um buscasse o seu caminho, ir ao colégio era como uma válvula de escape para Liz. Mas o medo começou a invadir o seu íntimo, já que ela estava prestes a iniciar uma nova fase de sua vida: a faculdade, bastou apenas o sinal bater no colegial pela última vez que o pânico manifestou em seu coração, se tornar adulta era um desafio e ela não se sentia pronta para aquilo.

Para Liz, até mesmo os momentos mais intensos e felizes da vida chegam ao fim, não importa o quanto eles sejam especiais, ser adulto, para ela, é desejar reviver e não poder, pois simplesmente chegou ao fim o que tanto um dia lhe fez bem. O inesperado por todos acontece com Larissa e o mundo se tornou ainda mais difícil de viver para Liz, talvez, tenha sido a pior notícia que receber sobre alguém que tanto amava, sua melhor amiga. O sentimento de dor, de impotência, de pensar que poderia ter feito muito mais por ela e que tudo o quanto fez foi insuficiente passou se transformou em um fardo difícil de ser carregado. 

Então acaba se envolvendo afetivamente com seu amigo de infância, Miguel, que, mesmo com suas diferenças, era o que completava o coração dela, embora diversas vezes pensou que pelas diferenças não conseguiriam lidar com as mudanças, contudo, foram surpreendidos pelo destino que os levaram até ao altar. No auge da faculdade, da experiência de estar morando longe da casa dos pais, sentiu que precisava aprender a andar sozinha, mesmo sabendo do conforto que tinha na casa dos pais. 

Ela não parecia estar tão animada para o dia do matrimônio, pois estava enganando a si mesma quando parecia estar feliz, e, na verdade, carregava uma dor de estar vivendo escolhas que não foram feitas de coração por si mesma, e sim, as escolhas que os pais e as pessoas a sua volta realizaram por ela, que teve consequências drásticas: um vida pouco vivida e um coração entristecido.

“Eu não queria decepcionar ninguém, por isso guardei tudo para mim e deixei que aquilo me matasse por dentro, até o dia que finalmente aquele sentimento se foi, talvez ele ainda continue aqui, mas se encontre escondido no meio de tantos outros sentimentos piores que apareceram com o tempo”.


Com todo amor do mundo foi publicado de modo independente pela Editora Coerência, não carrega consigo subtítulo, dedicado para o avô da autora, que deixa explícito que gosta de pensar na ideia de que ele está sorrindo e cuidando daqueles que ficaram, pois a morte, segundo o que dizem, é uma aventura.

Os personagens foram bem elaborados pela autora, trazendo consigo características reais que fazem parte do ensino médio e do fim dele, como o medo do que irá suceder aquela etapa. A personagem que se destaca de modo impactante além da protagonista Liz, é sem dúvida Larissa, que por sua escolha deixa uma marca e um vazio inexplicável, visto que, sua atitude apresenta uma ligação direta com os problemas sociais, emocionais e psicológicos enfrentados na sociedade. A escrita da autora é simplesmente deliciosa de ser lida, impulsionando o leitor a desfrutar das páginas de uma só vez, os capítulos são construídos por data e local, pois são cartas escritas. A capa do livro é linda, em ligação com a história e a diagramação é excelente.

Indicamos este livro para todos aqueles que precisam refletir: o quanto vale viver os seus desejos e os quais são as inúmeras consequências de viver o que é desejo dos outros, pois os impactos podem ser irreparáveis, transformando uma vida que poderia ser imensamente feliz em uma vida de lágrimas e arrependimentos. E, com todo amor do mundo, Liz nos deixa lições no amor, amizade, saudade e existência.

Inscrições Abertas - Participe !



11 comentários:

  1. Que vontade de ler agora! Fiquei impactada com a resenha, e muito intrigada com essa história, quero saber o que aconteceu com Larissa, que escolha foi essa que deixou Liz tão triste e amargurada.
    Gostei muito do trecho do livro que fala sobre o tempo, a importância dos minutos e das horas para todas as pessoas, não importa quem for.
    Livros escritos em forma de cartas são maravilhosos, me sinto parte da história, e mais uma vez Coerência dando show com as capas. Lindíssimo.

    ResponderExcluir
  2. Esse livro me chamou atenção por conta dessa transição da personagem para a vida adulta; é uma fase assustadora, e sinto que vou me identificar com os sentimentos dela.
    Parece uma leitura muito bonita, que nos faz refletir... Gostei.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Tempo. Acredito que este seja o maior "problema" de todos nós. A falta dele. Ou a forma que estamos usando este tempo. Há tantas reclamações diárias e quantas e quantas vezes, dizemos: não fiz isso, não li isso, não vi isso,pois não tinha tempo.
    Jogamos nosso tempo fora por muitas vezes com bobeiras e deixamos o importante de lado, como estar com quem amamos, brincando com nossos filhos, netos ou saindo com amigos!
    Liz e Larissa parecem que aparecem para nos fazer tentar enxergar este tempo!
    E com certeza, a capa está maravilhosa e quero demais conferir este trabalho!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Pela sua resenha parece que gostou bastante do livro, mas eu não consegui sentir uma ligação ou vontade de lê-lo, porque normalmente quando a personagem aceita os desejos dos outros e não consegue expressar sua própria voz vai me deixando nervosa, não consigo entender porque simplesmente não bate de frente, sou uma pessoa que quando vejo alguma coisa que não gosto não consigo ficar quieta, não consigo só ir deixando, e quando vejo isso em um livro não consigo gostar muito.

    ResponderExcluir
  5. Parece ser um livro incrível por tudo o que simboliza. Muito bonito a memória do avô presente. Essa época que vive a personagem é realmente de muitas mudanças, pessoas que amamos ficam para trás, amigos se separam, afastam... Novas coisas acontecem. São tantas expectativas sobre nós que acabamos muitas vezes abrindo mão dos próprios sonhos. Dica anotada.

    ResponderExcluir
  6. Olá! Ai que quando se fala em tempo a primeira coisa que vem a minha mente é a posição de prancha na academia (eita minutinho demorado), só para descontrair. Lendo a resenha, deu para sentir que a autora não conta apenas a história da Liz, mas de muitas e muitas pessoas que se deixam levar pelas escolhas alheias e acabem seguindo caminhos totalmente diferente do que realmente gostariam. Larissa, despertou minha curiosidade e já me deixou aqui com o coração apertadinho e sem dúvida quero conhecer sua história.

    ResponderExcluir
  7. Oi Marcela,
    Eu penso que o livro toca em um ponto que rodeia a vida de muita gente, principalmente nesse fase da adolescência. Escolher entre o que é, ou o que os outros desejam que seja?
    E claro, imagino o que aconteceu com Larissa, e isso transforma, de forma negativa, todos a volta...
    Liz é o tipo de protagonista tão real, tão verdadeira, que conquista, assim como sua história.
    Gostei, quero ler!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi, Marcela!
    Apesar de ter ficado muito curiosa para saber o que aconteceu com a Larissa, a melhor amiga da Liz, confesso que prefiro o romance do que os livros que faz o leitor refletir, o romance na história é o que me convence e me faz decidir ler o livro ou não, e o romance presente em Com todo o amor do mundo não despertou o meu interesse, não curto romances sobre amigos de infância; sem falar que não gostei da personalidade da protagonista, ela parece tão insegura... Enfim, esse é um livro que eu não leria. Abraços!

    ResponderExcluir
  9. Eu já queria esse livro pela capa linda, depois da resenha preciso dele! Gente, achei que é uma história daquelas pra nos ensinar e carregar pra vuda toda.

    ResponderExcluir
  10. Oi Marcela.
    Acho que quando somos jovens tendemos a querer satisfazer os desejos dos outros, principalmente daqueles que amamos ou nos são especiais. Mas isso torna a pessoa amargurada ou ressentida depois. É uma grande lição de vida.
    Parece que a autora conseguiu criar personagens bem reais, o que sempre é um ponto positivo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Eu não tinha conhecimento do livro, mas tem uma premissa ótima e com uma historia muito envolvente e emocionante. O passo entre o ensino médio para a vida e grande demais, isso assustar qualquer quer um...muitos já passara por essa fase e tiveram medo mas lutaram..Com certeza a protagonista tem uma boa historia para contar.

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir