05 outubro 2018

Resenha - Amor em Nova York


Livro: Amor em Nova York
Autora: Fernanda Schmitt
Cortesia: Editora Coerência

O maior sonho de Anna – além de conhecer o cantor Drake – é seguir os passos da falecida mãe e fazer faculdade de Medicina. Depois de ser aceita na Eagle, a faculdade para qual se inscreveu, Anna é obrigada a deixar seu pai e sua melhor amiga Lily em Miami para viver seu grande sonho. Sozinha em uma cidade completamente estranha, ela tem como foco estudar bastante e fazer novas amizades. Mas o destino lhe preparou outras surpresas que prometem remedir sentimentos guardados.



“ – Como é gostar de alguém?– Ah, é sentir coisas que nunca sentiu antes, como se esse sentimento fosse algo frágil prestes a quebrar.Tem que manusear com cuidado.”


Anna é uma jovem adolescente, que como qualquer outro de sua idade tem o sonho de conhecer seu ídolo, tem preocupações por quais todos nós um dia já tivemos: o grande será que irei ser aceita na faculdade dos meus sonhos?. Muitos poderiam pensar que ela tinha a vida que sempre quis, porém ninguém imagina o buraco que se encontra em seu coração: ela teve que dizer adeus a sua amada mãe, morta em um acidente de carro e junto dessa despedida, ela teve que ver seu pai ser parcialmente feliz e desde cedo aprender a seguir em frente e superar essa dor. Afinal não podemos ficar presos em uma dor e esquecer-se de viver, não devemos em hipótese alguma abrir mãos de nossos sonhos.

E são com esses pensamentos que Anna decide cursar medicina, ela queria ser uma grande médica como sua mãe um dia fora, assim ela realizaria seu sonho e de alguma maneira se sentiria mais próxima de sua mãe. Mas para realizá-la teria que deixar as duas pessoas que mais amava na sua vida para trás: seu pai e sua melhor amiga. Afinal conseguira ser aceita em uma das melhores universidades: a Eagle. E eis que ela se depara com uma realidade diferente de tudo o que conhecia: ela esta em um lugar novo e desconhecido, pessoas desconhecidas e completamente sozinha na imensa e bela Nova York. E  mesmo com esses obstáculos seu foco se mantém o mesmo: estudar e ser uma boa médica.

Mas o destino não preparou Anna para reencontrar uma pessoa que fez parte de sua infância e adolescência; pessoa essa que ela dizia ser seu primeiro crush; mas mesmo após tanto tempo o sentimento parece estar mais vivo que nunca.

Ela não estava preparada para reencontrar Jake, pois com esse reencontro, ela não esperava que sentimentos á muito tempo adormecidos viriam à tona, isso seria amor? Mas amor não aparece da noite para o dia. Mas e se esse sentimento estivesse sempre presente desde sempre e ela nunca entendeu o que era? Jake é o típico garoto que tem todas as qualidades que uma garota anseia encontrar: lindo, inteligente, divertido, cavalheiro e tímido; mas porque ela não consegue entender seus próprios sentimentos? O que ela busca?

E mesmo com essas dúvidas rondando sua mente, Anna irá conhecer pessoas maravilhosas e de confiança. Outras pessoas nem tanto; afinal na faculdade nos deparamos com diversas pessoas das mais variadas personalidades. E em meio a descoberta de um novo “mundo”, afastada de sua zona de conforto; Anna, Jake e Mackenzie (sua nova amiga), viverão momentos inesquecíveis e sensacionais; outros momentos serão como um terror na vida dessas pessoas. Mas não seria bem uma vida se ela fosse feita com momentos maravilhosos não é? Sempre iremos nos deparar com uma situação que mudará o rumo de nossas vidas.

“É engraçado porque, tendo em mente que bilhões de pessoas habitam nosso planeta, resta tão pouca humanidade dentro de cada uma delas.”



[- Minhas Impressões-]

Tá comprovado que eu não resisto a um bom clichê, pode-se afirmar que não resisto a livros desse gênero; sempre me apaixono pela história em suas primeiras páginas. Gosto de suspirar e ficar sorrindo que nem uma boba pelos cantos durante ou após a leitura. E óbvio que tive todas essas sensações enquanto lia Amor em Nova York. Que livro delicado, com um romance inocente, com situações que qualquer um de nós pode vir a vivenciar.

Aqui nos deparamos com a difícil decisão de deixar para trás o conforto de nossa casa, deixar nossos amigos e tudo para que? Realizar o sonho de estudar em uma das melhores universidades? Ser uma médica respeitada e assim poder sentir mais próximo daquela pessoa que era nossa inspiração?  Decisões são feitas a todo o momento, surpresas nos espera em cada esquina e reencontrar pessoas que fizeram parte e marcaram nossa vida? Bem, isso poderia ser coincidência ou um bônus.

Um livro super fino, mas com mensagens extremamente importantes, um livro extremamente inocente. Essas e mais diversas outras características podem ser atribuídas a esse livro, que admito ter devorado em uma tarde de tão gostosinho que ele é.

É uma leitura fácil, que nos mostra que amizade pode surgir quando menos esperamos; vemos o que a falta de uma mãe faz com uma pessoa, por mais que lutemos para seguir em frente à dor sempre estará lá, presente.

Deparamos-nos também com relacionamento abusivo no decorrer da leitura, que confesso: não estava esperando por isso, pois fiquei completamente impactada; mas foi compreensível o porquê desse tema se fazer presente na história, afinal quando um namoro se mostra extremamente perfeito já devemos ficar alerta, pois às vezes as pessoas preferem aguentar tudo em silêncio e em nome do amor seguem em frente com algo que claramente não faz bem a pessoa. E vemos a importância de uma amizade nesses momentos, um ombro amigo, alguém em que possamos confiar para nos ajudar a se reerguer, enfrentar e colocar um ponto final nesse pesadelo que infelizmente esta presente no dia a dia. Quantas jovens não passam por isso e não estão caladas? Será que o amor unilateral faz bem para nossa vida? E como se isso não fosse o suficiente, nos deparamos com o quanto o vicio em álcool é um fator crucial para destruir de vez um futuro promissor de um jovem.

Iniciei esse livro sem esperar com quantas questões importantes que iria me deparar, vemos que a omissão de fato é o mesmo que a mentira. A descoberta do primeiro amor se faz presente, mas ao mesmo tempo um amor que se depara com obstáculos, o maior deles: o medo e a insegurança; vemos o quanto esses dois sentimentos andam de mãos dadas, e que independente da situação que poderemos viver devemos lembrar sempre que toda história tem dois lados. Falar o que quer e ignorar é fácil, mas ouvir se torna difícil por quê? Todos nós temos nossos momentos de dúvidas, mas quando se ama de verdade sempre devemos nem que seja ouvir a pessoa.

Enfim, um livro maravilhoso e que apesar de sua pouca página nos apresenta diversos temas que de fato devemos parar e refletir um pouco. A escrita da Fernanda é simples, leve e quando percebemos estamos finalizando a história. Mas que no fim não é somente “mais um clichê” ele tem seus valores agregados em cada página. Ver o amor e dedicação de um pai para com sua única filha é algo lindo, foi uma das coisas que mais me cativaram; quantos jovens nos dias de hoje não são colocados em segundo plano por sua própria família? Fora que vemos o quanto o perdão é algo fundamental em nossa vida: perdoe quem lhe magoou (seja uma pessoa da família, um amigo, conhecido), perdoe você mesmo, não tente mentir para si mesmo e viva um dia de cada vez e ame como se fosse o último.

Resumindo tudo: LEIAM, se apaixonem por essa história além de encantadora.

A edição simples, porém maravilhosa nos faz ver o quanto a editora é dedicada com relação a seus livros.

“Sabe, é horrível mentir para si mesma; pensar que tudo vai se encaixar mesmo quando sabe que isso não vai acontecer.”

Inscrições Abertas - Participe !!

5 comentários:

  1. Me encantei primeiramente pela capa, que linda ! A Coerência vem me surpreendendo no quesito capa.
    Eu amo um bom clichê, tem coisa melhor do que ler algo que nos traz reflexões e ainda nos faz suspirar?
    Pelo visto, esse livro vem para mostrar que quantidade de páginas não define qualidade. Vejo que tem amor, amizade, família e as descobertas da vida adulta.
    Parece ser uma história prazerosa!

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Em primeiro lugar, que capa mais linda!!! Ah, e título também!
    Sou apaixonada também por um bom clichê e faço sempre questão de ler um ou outro livro sobre isso, o amor em sua forma mais simples!
    As perdas sempre trazem dor, mas normalmente ensinam uma nova vida, um novo recomeçar.
    E por que não aliar este recomeço a sonho a se realizar e amor?
    Adorei tudo que li acima e com certeza, o livro vai para a lista de desejados.
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Olá! Não tem como resistir ao um bom e velho clichê e esse livro parece ser daquele bem maravilhoso, tanto que já fui pesquisar para garantir minha leitura (risos). É tão bom quando nos deparamos com uma boa leitura, que além de suspiros traz também situações para reflexão. A capa está linda e é mais um motivo para querer conhecer mais sobre a história.

    ResponderExcluir
  4. Aí gente, só eu que não gostei da capa? Achei comum e sem graça. .
    Apesar de não ser fã de clichês também fico torcendo pelo casal ,Anna e Jake. Eu acho que esse primeiro amor é o que ficou no coração de Anna, apesar de nem ela perceber isso. E como não existem contos de fadas...lá vem a resenha mostrar que nada é tão perfeito assim, pelo jeito nosso Jake tem problemas e aí que entra forte o papel da amiga Mackenzie. Deve ser bom de ler mesmo. História boa, livro com poucas páginas, fiquei torcendo pelo casal.

    ResponderExcluir
  5. Eu não conhecia o livro e confesso que ele não faz exatamente meu gênero de leitura, mas acho que livros fofos que fazem a gente suspirar sempre precisam entrar na nossa lista de leitura. Me identifiquei com a história da personagem logo de cara, visto que alguns aspectos dela fazem parte da minha própria história. Acho que seria interessante ler sobre essas situações e lembrar como me senti em cada uma delas. Os temas polêmicos trabalhados também são pontos positivos, afinal é impossível ignorarmos o quanto eles fazem parte do nosso cotidiano. Acho que é um livro simples, mas que ao final se torna intenso e marcante.

    ResponderExcluir