27 fevereiro 2018

Resenha - Anne de Green Gables

Título: Anne de Green Gables
Autora: Lucy Maud Montgomery
Editora: Martins Fontes
Páginas: 480
Skoob
Onde comprar: Amazon

Uma menina de 11 anos com cabelos ruivos, sardas e uma mente tão imaginativa quanto um cientista em busca de conhecimento chega a uma terra onde as tardes são calmas; os pores do sol, alaranjados; as florestas, aconchegantes e os rios correm no ritmo suave do povoado.
Como a floresta mal-assombrada do mundo criativo de Anne, as pessoas de Avonlea não a recebem muito bem. Diferente, inteligente, preocupada e um tanto desastrada, a garotinha de sonhos sapecas vai aos poucos conquistando o coração de cada um.
Entre uma travessura e outra quem insiste em permear os gramados em que pisa, Anne vai mostrando como aproveitar a vida de uma forma mais simples e divertida. Seja caindo de um barco ou esquecendo de preparar um bolo, ela vai amansando a todos, pois uma pitada de baunilha não faz mal a ninguém, nem que isso traga um pouco de confusão.
Sua boca é uma matraca e seus sonhos são maiores que moinhos de vento. Anne vai crescendo... e crescendo... e de patinho feio revela-se um elegante e atento cisne, pronto para abrir suas asas e voar para além das veredas. Mas a vida é feita de artimanhas, e a nossa garotinha adotada pelos irmãos Marilla e Matthew tem algumas cercas para pular, sem jamais deixar seus sonhos desvanecerem, como algumas criaturas fazem...



“Não é maravilhoso pensar em todas as coisas que ainda temos de descobrir? É o que me deixa feliz por estar viva... Este mundo é tão interessante. Não seria nem metade do que é se soubéssemos tudo, não é mesmo? Aí não haveria espaço para a imaginação, ou haveria?”

Puro, lindo e apaixonante!


“Anne de Green Gables” conta a história de Anne Shirley, uma menina ruiva e órfã que por engano acaba indo parar na casa de Marilla e Matthew Cuthbert, dois irmãos que viviam juntos e solitariamente, mas que gostariam de ter uma criança, de preferência um menino, que os ajudasse na fazenda da família, pois ambos já estavam envelhecendo.


Então, uma amiga deles, a Sra. Spencer, iria adotar uma menina de um orfanato na Nova Escócia, então muito animados, acabaram que tendo a ideia de uma criança também, porém Matthew já estava passando dos 60 anos e não tinha mais a mesma vitalidade e agilidade de antes para fazer a viagem, por isso, pediram então para sua amiga escolher um menino para eles entre 10 e 12 anos para poder ajudá-los na fazenda.

Porém houve um mal entendido...

Podem imaginar a surpresa que Matthew teve quando chegou à estação para buscar a criança e deparou-se somente com uma pequena garotinha ruiva e de olhos verdes a esperá-lo.

“Até ali, era o que o observador comum veria. O observador incomum talvez notasse que o queixo era afiladíssimo e pronunciado; que os olhos se enchiam de espírito e vivacidade; que a boca tinha lábios meigos e expressivos; que a fronte era plena e perfeita; em resumo, nosso observador incomum e perspicaz talvez deduzisse que não era uma alma banal que habitava o corpo daquela menina-mulher abandonada que tanto e tão ridiculamente assustava o tímido Matthew Cuthbert.”

No início, eles não desejavam ficar com Anne, mas ela, assim como fez com muitos outros mais tarde, conseguiu conquistar cada um com sua personalidade cativante e seu modo único de ser.



[ - Minhas Impressões - ]

Como poderia eu dizer algo sobre quão maravilhosa essa obra é, e o quanto ela tocou o meu coração? Será que qualquer coisa que eu dissesse faria jus ao quão incrível e lindo esse livro é? Não, eu nunca conseguiria transmitir de forma completa toda a beleza desse livro e nem me atreveria. O máximo que posso fazer é tentar convencê-los a desfrutar desse livro e se maravilhar como eu me maravilhei.

Cada vez que releio alguma parte, só me deslumbro ainda mais com o quão puro, simples e delicioso de se ler esse livro é. É uma sensação muito semelhante à que Anne descreveu quando olhou a Avenida de Newbridge pela primeira vez:

“– Bonito? Oh, bonito não parece ser a palavra certa. Nem lindo, por sinal. Não chegam nem perto. Oh, era maravilhoso... maravilhoso. É a primeira coisa que vejo que não há como melhorar com a imaginação. Deixou-me feliz aqui – disse, levando uma das mãos ao peito –, provocou uma dor esquisita, mas agradável. Já sentiu uma dor assim, sr. Cuthbert? [...] Sinto-a várias vezes: sempre que vejo algo de uma beleza régia.”

Vocês já encontraram alguma vez um livro que pudessem dizer que era perfeito? É difícil, não é mesmo? Mas esse eu posso afirmar que chegou muito, muito perto! Ainda não consigo conceber que essa história não seja real, pois poderia muito bem ser. Cada personagem é único e tão bem construído que não há como não imaginar que você esteja vendo eles com seus próprios olhos. Não é a toa que esse livro encantou milhares de pessoas no mundo inteiro.

Podemos acompanhar o desenvolvimento da Anne de maneira fantástica, durante toda a narrativa, porque esse não é aquele tipo de livro que deixa os personagens estagnados ou que muda somente em alguns aspectos.

Não, podemos ver o crescimento da Anne e o seu amadurecimento, conforme as flores e árvores também se transformam com o passar das estações.


Nunca encontrei uma personagem tão incrível como ela, Anne não é de forma alguma uma criança comum ou que se encaixasse nos padrões daquela ou de qualquer época, indo contra todos aqueles que diziam que as crianças foram feitas para serem vistas, e não ouvidas. Ela tem uma personalidade única. Era uma menina doce, muito animada, e sonhadora, e que podia amar algo com todo o seu ser, da mesma forma que podia também odiá-lo com a mesma intensidade. Ela transformava qualquer ambiente que estivesse, seja com sua presença ou sua mente imaginativa, e que via tudo da melhor forma possível, quase sempre de um jeito um tanto dramático e/ou romântico.

Tenho certeza que irão se divertir muito com as peripécias da Anne, são muitas as encrencas em que ela se mete e as situações nas quais acaba se encontrando sem querer. São tantas as coisas que acontecem, e que prendem o leitor que não tem como deixar esse livro de lado.

“– Bem – explicou Anne –, hoje aprendi uma lição nova e valiosa. Eu venho cometendo erros desde que vim para Green Gables, e cada erro me ajudou a me curar de alguma imperfeição.”

Temos uma ótima relação entre os personagens, um pouco diferente daquela mostrada pela série feita pela Netflix, “Anne With na E”, e menos dramática. É maravilhoso ver como se dá o relacionamento dela com os irmãos Marilla e Matthew, que nem de longe são perfeitos, mas que demonstram seu amor e carinho cada um da sua própria forma, seja Matthew com seu jeito tímido e calado, ou Marilla com sua forma severa e dura de lidar com ela, mas que, na verdade, é uma manteiga derretida por dentro; e também sua relação com todas as suas amigas, principalmente Diana, e o amor que tem por cada um, mesmo em vista do seu passado difícil.

Apesar de ter nutrido um grande ódio por Gilbert Blythe, desde o primeiro dia em que o viu por causa do jeito que ele “brincou” sobre seu cabelo.

A história se passa em Avonlea, na Ilha do Príncipe Eduardo, no Canadá, e que de fato existe (tanto que vocês podem ver através do Google como “era” a fazenda dos Cuthberts em Green Gables, e se encantar com a beleza do lugar). O cenário é incrível, como de um sonho e foi muito bem aproveitado pela autora, Lucy Maud Montgomery, que nasceu naquela mesma ilha, e a devia conhecer muito bem.

Há várias descrições, principalmente da Anne explorando o local e renomeando cada canto que encontrava, que não são nem um pouco cansativas e sim muito agradáveis por conta da deliciosa e divertida escrita da autora.

“Uma ponte o dividia ao meio e, dali até sua extremidade inferior, onde uma faixa âmbar de dunas o separava do golfo azul-escuro, mais adiante, a água era uma magnificência de tonalidades furtacor: as nuanças mais imateriais de lilás, rosa e verde etéreo, e outros matizes indefiníveis, para os quais nunca haviam encontrado um nome. [...] Aqui e ali uma ameixeira silvestre se inclinava desde a margem, feito uma menina vestida de branco que, nas pontas dos pés, se achegasse para fitar o próprio reflexo.”

Esse é um livro bem rápido de se ler, apesar de ter até um número razoável de páginas, mas que eu não recomendo que seja lido em pouco tempo, para não deixar de aproveitar cada pedacinho.

Essa série se tornou uma das minhas preferidas, e com certeza tem um lugar especial no meu coração. Aconselho também que deixem para assistir a série de TV depois de já terem lido esse livro, pois se não, terão muitos spoilers, apesar de ela não seguir o livro fielmente (pra variar, risos), e ter mudado várias coisas.

Recomendo, sem dúvida alguma! Esse é um livro puro, lindo e com história maravilhosa de amor, família e amizade, que fala diretamente conosco e deixa várias mensagens tocantes sobre ser otimista e ter fé, não desistir dos seus sonhos, manter-se sempre unido e perdoar.




Existem outros sete livros de continuação, além de muitos outros contos e crônicas sobre a personagem, a maioria, infelizmente, ainda não traduzida para o português. Eu cheguei a ler outros três livros, até “Anne’s House of Dreams” (A Casa dos Sonhos da Anne, em tradução literal), considerado o quarto escrito pela autora, e me sinto imensamente grata por ter descoberto essa série fantástica!

“Fico feliz e também triste. Triste porque este passeio foi tão bom, e sempre fico triste quando as coisas boas acabam. Pode ser que depois venha algo ainda melhor, mas não dá para ter certeza.”

Se Inscreva e Participe!!!








13 comentários:

  1. Oii!
    Eu vi a série e me apaixonei, sempre acompanho TD sobre Anne, e agora sabendo dos livros qro mto conhecer tbm...

    ResponderExcluir
  2. Oi Sophia.
    Nunca tinha ouvido falar sobre essa série. Fiquei bem curiosa em conhecê-la. Também não sabia que tinha uma série dela adaptada no Netflix.
    Depois da sua avaliação de livro quase perfeito, não tem como não querer ler. Parece que deixa o leitor com um calorzinho no coração, junto com mensagens fofas e immportantes.
    Adorei a capa!

    ResponderExcluir
  3. Quando vi esta série, foi paixão a primeira vista! Anne é fabulosa, doce, decidida e sagaz. Ri e chorei muito na maioria dos episódios.
    Mas confesso que não sabia da existência do livro e foi nítido demais ao ler a resenha e ver as diferenças que existem(sempre há)rs
    Vai para a lista de desejados com certeza e espero poder conferir em breve.
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Oi Sophia! Que resenha mais apaixonante, socorro! Eu amo essas leituras que aquecem o coração e nos fazem repensar sobre a forma com a qual enxergamos o mundo e a nossa vida, dá pra gente aprender tanto com elas! Fiquei muito encantada e com certeza vou conferir ao menos o primeiro livro para depois ver a série hehe Obrigada por essa resenha!

    ResponderExcluir
  5. Enquanto eu lia a sinopse e tua resenha fui chegando a mesma conclusao que tu, o livro deve ser maravilhoso, meigo e até fofinho que chega tocar o coração e encher de sentimentos bons. Mesmo parecendo uma historia bobinha ela nao deve ser perda de tempo principalmente depois de uma leitura mais pesada até mesmo de uma ressaca. Tá valendo

    ResponderExcluir
  6. Oi Sophia!
    Que livro mais amor...
    Já me deparei com a série da Netflix, mas não tinha prestado tanta atenção, achei que seria bem infantil, e mesmo tendo esses traços, percebi que por trás da história contém algumas lições. Imagino que a personagem seja mesmo marcante e nos conquiste com suas características! Vou adicionar a série a minha lista e procurar pelo livro.
    BEijos

    ResponderExcluir
  7. Oi Sophia ;)
    Estou doida pra ler esse livro lindo *-*
    Desde que saiu a série no Netflix, me recomendaram muito ler o livro, e vou mesmo tentar ler antes de assistir a série. Parece uma história linda, e de superação de pré conceitos, e é uma pena que por ser menina ela tenha sofrido assim!
    Adorei sua resenha, e fiquei bem animada para pegar o livro e começar a ler agora mesmo a leitura haha
    Bjos

    ResponderExcluir
  8. Esse livro parece lindo mesmo e é um clássico infantojuvenil, o que só aumenta minha vontade de ler. Ainda não assisti a série da Netflix inspirada no livro porque tenho a esperança de conseguir lê-lo antes, rs. Mas imagino que a Anne seja realmente um amorzinho.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Sophia!
    Difícil mesmo ver um livro perfeito ou beirando a isso, mas pelo jeito, você gostou demais e fiquei curiosa por saber qual o destino que Sophie teve e também pela intensidade de seus sentimentos, o que a faz tão diferente das outras crianças...
    “Eu escolho um homem que não duvide de minha coragem, que não me acredite inocente, que tenha a coragem de me tratar como uma mulher.” (Anaïs Nin)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA FEVEREIRO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM

    ResponderExcluir
  10. Oi Sophia!
    Não conhecia nada sobre o livro nem a série mas já fiquei curiosa pela sua vasta descrição com ótimos elogios. Favoritar e colocar como beirando a perfeição não é qualquer livro que chega.
    A história de Anne parece interessante de fato e algo que eu gostaria. Pelo que eu imagino é uma história mais leve e digna de ser lida nesses momentos leves da vida. Quanto a série com certeza quero dar uma chance assim que eu ler o livro. Estou com altas expectativas. Ótima resenha!
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Quando vi que a personagem era ruiva me lembrei na hora de um seriado na Netflix!! E sobre isso tua postagem e fiquei ainda mais interessada por ambos. Que demais essa trama, realmente tua animação é algo que estimula nossa curiosidade. Com certeza já adicionei o livro a lista de desejados. Espero poder saber sobre tudo sobre esta encantadora personagem.

    ResponderExcluir
  12. Oi Sophia! Eu sempre quis ler esse livro! Adoro historias com personagens infantis e pelo visto esse deve ser excelente! Amei a sua resenha! Esse tipo de livro deixa a gente com um quentinho no coração, né? Estou precisando ler algo assim e depois da sua resenha com certeza vou incluir na minha lista! Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Meu Deus, esse livro parece ser mesmo fascinante! Amo esse universo de historias infanto-juvenis, sempre é gostoso de ler esse genero porque eu sempre fico com a sensação de nostalgia. A Anne parece mesmo ser uma personagem encantadora. Sua resenha me despertou muita vontade de ler esse livro, espero conseguir logo haha. Bjs

    ResponderExcluir