05 outubro 2017

Dia de Quote [49]


Oi, gente! Hoje eu venho aqui falar da nova obra da autora Amanda Ághata Costa, uma autora nacional que já encantou a muitos com sua escrita no gênero de fantasia e que chega agora no romance para surpreender através de uma história repleta de sensibilidade e totalmente apaixonante. É por isso que hoje eu estou aqui para mostrar um pouco do que vocês podem esperar encontrar nessa história que ultrapassa barreiras e é cheia de cor!


[- Cinco livros de Fantasia Nacional -]



Olá leitores, 
Como vocês estão? Hoje decidi fazer uma postagem indicando CINCO fantasias nacionais que já li e recomendo, vamos lá?




O Segredo da Caveira de Cristal #1, Mallerey Cálgara
Os habitantes de Heilland, cansados de décadas de guerra e fome, depositaram todas as suas esperanças no Rei Alphonsus, que governava com justiça e bondade. As esperanças cresceram com a notícia de que a Rainha Arápia estava grávida de gêmeos, embora muitos, no castelo, assegurassem que uma nova guerra estava sendo travada no ventre da soberana.
Os gêmeos nasceram e, com o passar do tempo, Heilland compreendeu que havia um novo inimigo, ainda mais implacável: o sombrio futuro Rei. Dor, ódio, sangue, traição, passaram a fazer parte da rotina do castelo, restando ao mago Mongho e à futura Rainha Driadh a perigosa busca por respostas!
Embarque nessa aventura cheia de mistérios e lutas pelo poder.



Magia dos Quatro, Priscila Visacri
Sonhos premonitórios, uma amiga misteriosa, uma viagem no tempo e um mundo paralelo. É este o cenário da vida de Sarah quando ela descobre que é uma princesa de um reino chamado Calien e que fora enviada ainda bebê para a Terra através de uma magia muito antiga para que pudesse se manter salva da guerra que o mal e as trevas travavam em seu reino. Agora ela precisa regressar à suas origens e aprender a dominar a magia dos quatro elementos para proteger a si, aos seus amigos e a um reino inteiro. Magia dos quatro: a oportunidade única de vivenciar momentos de aventura e emoção na busca de acabar de vez com um conflito mortal através do uso das forças vitais da natureza.