22 junho 2017

Dia de Quotes [37]


Oi, gente! Não estava programado para que eu trouxesse Dia de Quotes de novo, mas aconteceram alguns imprevistos e, para manter tudo atualizado, resolvi trazer um pouquinho sobre um livro que foi muito especial para mim. Essas citações foram publicadas lá no Psiu, vem ler porque eu realizei a leitura há mais de um ano, mas ainda me lembro da maioria dos detalhes e estou planejando reler, pois é uma leitura maravilhosa! Espero que gostem do que separei e possam conhecer melhor o enredo criado pelos irmãos W-Souza. Beijos!


Sinopse: O incansável explorador dá de ombros e não se deixa abater, tentando demonstrar maturidade e controle. Eval tinha razão, muito ainda estava por vir, aquilo era só o começo.
Aprendeu com sua mãe a ser persistente, a lutar pelo que acredita, e pensou: É como dizia um velho amigo - Para o obstinado, o tropeço é apenas um empurrão para seguir em frente. Agradeceu, despediu-se, pegou a mochila, e virando a aba do boné para trás, gesto que fazia quando estava indignado, partiu, sorrindo apenas para a secretária.
Jamais desistiria, não era o perfil dos Di Carlli. Dali foi direto para a biblioteca preparar o material para uma próxima possível expedição.


Resenha - Proibido



Título: Proibido
Autor: Tabitha Suzuma
Editora: Valentina
Skoob / Goodreads
Páginas: 304
Onde comprar: Amazon / Saraiva

Ela é doce, sensível e extremamente sofrida: tem dezesseis anos, mas a maturidade de uma mulher marcada pelas provações e privações da pobreza, o pulso forte e a têmpera de quem cria os irmãos menores como filhos há anos, e só uma pessoa conhece a mágoa e a abnegação que se escondem por trás de seus tristes olhos azuis.
Ele é brilhante, generoso e altamente responsável: tem dezessete anos, mas a fibra e o senso de dever de um pai de família, lutando contra tudo e contra todos para mantê-la unida, e só uma pessoa conhece a grandeza e a força de caráter que se escondem por trás daqueles intensos olhos verdes. Eles são irmão e irmã. Com extrema sutileza psicológica e sensibilidade poética, cenas de inesquecível beleza visual e diálogos de porte dramatúrgico, Suzuma tece uma tapeçaria visceralmente humana, fazendo pouco a pouco aflorar dos fios simples do cotidiano um assombroso mito eterno em toda a sua riqueza, mistério e profundidade.