19 outubro 2017

Resenha - Filha das Trevas

Título: Filha das Trevas
Autora: Kiersten White
Editora: Editora Vergara&Riba / Plataforma21
Páginas: 472
Skoob
Onde Comprar: AmazonSaraiva

Lada Dragwlya e o irmão mais novo, Radu, foram arrancados de seu lar em Valáquia e abandonados pelo pai – o famigerado Vlad Dracul – para crescer na corte otomana. Desde então, Lada aprendeu que a chave para a sobrevivência é não seguir as regras. E, com uma espada invisível ameaçando os irmãos a cada passo, eles são obrigados a agir como peças de um jogo: a mesma linhagem que os torna nobres também os torna alvo. Sombrio e devastador, este é o primeiro livro da mais nova série de Kiersten White. Cabeças vão rolar, corpos serão empalados… e corações serão partidos.






Filha das Trevas é uma releitura da história real de Vlad, O Empalador, ele ficou conhecido por sua luta contra a expansionismo islâmico na Europa e pela crueldade em suas punições. Esse foi um dos melhores livros que já li do gênero, e fiquei surpresa com o quão rápido a história me prendeu e ganhou meu coração. 

Vassilissa é uma princesa que foi dada em casamento a Vlad como uma aliança política, ele culpa sua descendência e fraqueza por ter gerado uma filha, ao invés de um menino como era esperado. Lada pelo fato de ter nascido mulher, ganhou o seu desprezo logo de cara, porém seu jeito desafiador de ser, apenas mostrou ao seu pai que ela não é uma mulher que está disposta a se curvar e aceitar tudo de boca fechada como assim espera a sociedade. Apesar da tenra idade, ela demonstra ser uma menina forte e determinada, ela quer o reconhecimento e amor do seu pai e fará qualquer coisa para obter isso.

Ele jamais imaginara que suas sementes pudessem ser fracas o bastante para produzir uma garota.

Quando Radu nasce, Lada tem receio de perder seu lugar, afinal ele é homem e não importa o que faça ela não pode mudar isso, porém Radu se mostra uma criança sensível que vive chorando e por isso é maltratado por todos a sua volta, sua única fortaleza é sua Ama de leite, uma mulher que conhece o seu espirito e fará de tudo para que nada de mal lhe aconteça.

Ela tem um filho, Bogdan, que é o melhor amigo de Lada e a pessoa que tornou sua infância um pouco mais suportável, ele é seu amigo de crime e a pessoa que ela adora, porém, seu jeito de ser não demonstra isso, por fora Lada é apenas uma criança mandona que não aceita um não e que não hesitará em usar seus punhos para fazer seu ponto válido. Por dentro ela é uma menina que luta contra seus sentimentos e afeições, afinal não pode demostrar fraqueza a ninguém.

Vlad não é um homem bom, a única coisa que ele ama é seu reino, então quando surge a oportunidade de fazer uma aliança política com o Sultão Murad, que o ajudará a recuperar suas terras e garantirá sua soberania sobre Valáquia, ele não pensa duas vezes antes de aceitar, porém o preço cobrado é alto, entregar seus dois filhos como garantia de que ele permanecerá fiel ao Sultão, deixando então, Radu e Lada em Otomana em meio aos inimigos.

Lada e Radu serão educados pela religião Otomana, que tem como base o Islamismo, longe do seu povo e da sua casa, sem ter ninguém em quem confiar, eles conhecem Mehmed, ele é filho do sultão, porém por ser o terceiro filho sempre foi desprezado por seu pai e ignorado por todos, uma amizade improvável então surge entre os três, no entanto Lada se vê em um dilema, afinal Mehmed faz parte do reino que ela jurou destruir.



[ - Minhas Impressões - ] 

Filha das trevas foi um livro que me surpreendeu bastante, justamente pela riqueza de detalhes e pela narrativa do autor, ela é fluída e apesar de ser um pouco arrastada em alguns momentos, não foi algo que me incomodou ou atrapalhou na leitura. As intrigas políticas é o ponto alto da história, eu me senti dentro daquele reino em meio as guerras, desavenças e traições. 

Como já era de se esperar, temos o fato religião e a luta dos cristãos para combater o expansionismo islâmico. Eu não sou muito ligada a religião não, porém eu adorei o pouco que o autor abordou sobre o assunto, principalmente as crenças e costumes da cultura muçulmana. 

Lada é uma jovem forte e bem à frente da sua época, ela não se limita pelo fato de que é mulher e que em decorrência disso não nego que a admirei muito, porém seu jeito de ser e sua personalidade foi algo que não funcionou para mim, ela é egoísta e impulsiva e apesar de amar, faz de tudo para que não pareça, magoando assim as pessoas que ao meu ver não mereciam ser magoadas. 

Radu foi um amorzinho, ele é sensível, inteligente e amável, porém essas não são qualidades que se espera de um príncipe potencial, por isso desde criança sempre foi maltratado, tanto por seu irmão mais velho Mircea, quanto pela Lada, e isso partiu meu coração. No entanto eu adorei ver o seu crescimento, pois foi algo que me chamou a atenção. Outro fato é que ele não perdeu seu jeito de ser, apenas aprendeu a utilizá-lo em prol de algo muito maior. 

Enquanto Lada era como a grama resistente que crescia em meio às frestas de uma superfície seca e rochosa, Radu era como uma flor delicada que só desabrochava em condições absolutamente perfeitas.

Por se tratar de uma releitura, eu esperava uma história com ar mais histórico, mas apesar da riqueza em detalhes que o autor traz, não é algo que torne a leitura chata, muito pelo contrário, apenas torna tudo ainda mais interessante, em especial pelas guerras e intrigas políticas e de caráter religioso. 

Mehmed foi muito importante para o desenvolvimento da trama, porém ele foi o personagem que mais me decepcionou no decorrer da história, porque eu esperava mais dele e sinceramente caiu feio nesse quesito, mas como nem tudo é ruim, ele teve algumas atitudes que eu realmente o admirei como futuro sultão, porém já como amigo e pessoa, ele foi um personagem que não me convenceu. 

Os personagens secundários, tiveram grande participação na trama, um povo que ganhou espaço no meu coração foram os janízaros, pois eles são os soldados/escravo do sultão, e através da interação com outros personagens da trama, percebemos o quão forte esse povo é, por isso eu não poderia deixar de cita-los. 

O crescimento dos irmãos Draculesti é inegável, eles se tornaram pessoas que são dignas de admiração, mas principalmente pela força que demostraram ter em momentos difíceis. Uma reflexão que ficou para mim após o termino dessa leitura foi: até onde você iria pelo que acredita ser o certo? E quem você eliminaria, para alcançar seu objetivo? 

O final foi bem obvio, confesso que já esperava por aquilo, porém ainda fiquei surpresa com o rumo dos acontecimentos, não vejo a hora de ler o segundo e descobrir o que acontecerá com os personagens. 

- Você vai me defender?
- Até o dia em que eu matar você.

Esse é uma leitura que recomendo muito para quem gosta de livros do gênero.


Se Inscreva e Participe!!!








11 comentários:

  1. Oi! Já li outras resenhas sobre esse livro, mas só descobri agora que se trata de uma releitura. Gosto bastante de livros com tema de guerra. É realmente muito legal se imaginar no meio das batalhas e tudo mais. Adorei o fato do autor ter explorado um pouco da cultura muçulmana na obra. Deve ter deixado a história bem mais rica. Em relação aos personagens, achei bem legal ter uma protagonista forte que luta pelo que quer, uma pena que tenha o defeito de ser egoísta. Enfim, gostei da proposta do livro, e fiquei curiosa para saber se Lada ainda vai querer destruir o reino! Beijoss

    ResponderExcluir
  2. Marlene!
    Não sabia que é a história baseada na vida de Vlad, o Empalador.
    Gostei que o livro a surpreendeu, embora não seja uma leitura rápida, mas é fluida. E como gosto dos detalhes, acho primordial.
    Gosto muito de aprender cada vez mais sobre os conflitos históricos religiosos, é outra coisa que atrai no livro.
    Pena que o final foi um tanto óbvio, mas ainda assim, acredito que vale a pena fazer a leitura.

    “É melhor saber coisas inúteis do que não saber nada.” (Sêneca)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE OUTUBRO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  3. Boa noite, se antes de ler sua resenha eu já estava interessada em comprar esse livro, agora sim que quero comprar ele. Primeiramente porque amei essa capa, estou in love com ela,e por saber que é uma releitura (que amo demais ler) me conquistou de vez. Beijos e aguardo a próxima resenha.

    ResponderExcluir
  4. Preciso ler esse livro!! Não conhecia, mas adorei saber um pouco mais sobre ele aqui no blog. Adoro histórias de vampiros e nesse livro pelo que vejo, conta outra história em torno do Vlad, fiquei curiosa para saber o que sua filha vai aprontar e também sobre o islamismo,pois é uma religião intrigante!!

    ResponderExcluir
  5. Eu adoro estas releituras, mas confesso que não sabia que este livro em si, era também.
    Aliás, não tinha nenhuma informação sobre o livro. Só havia visto a capa por aí, pelo mundo literário.
    Embates de religiões não me agradam muito, mas amo saber sobre a cultura de outros povos. E pelo que li acima, o livro traz bastante disso.
    Vai para a lista de desejados e espero ter a oportunidade de conhecer mais a fundo.
    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Caramba, que resenha incrivel, eu quero muito ler esse livro. Só li coisas boas sobre ele e agora uma resenha lacradora dessa só me fez querer ainda mais. Nao sabia que era uma releitura, e apesar de não conhecer a outra historia em que ela é baseada, ainda estou curiosa. Eu amo viajar nas leituras, e conhecer outras culturas e acho que nunca li nada sobre a cultura mulçumana. Ele ja estava na lista, mas agora vai pro topo.

    ResponderExcluir
  7. Olá Marlene,
    Confesso que não sabia que se tratava de uma releitura, aliás, julgando pela capa, imaginei que se tratasse de uma estória bem diferente.
    Muito legal o autor mostrar os conflitos religiosos de uma forma não enfadonha, pois assim aprendemos sem que o texto se torne cansativo. E os fatos verídicos devem tornar a estória bem interessante.
    Uma grande pena é saber que o final é uma coisa óbvia, desanima um pouco a gente. Mas acredito que a leitura, ainda assim, é bem enriquecedora.

    ResponderExcluir
  8. Oi Marlene, tudo bem?
    Eu tinha visto a premissa desse livro umas vezes, mas apenas pela premissa eu não tinha me interessado muito. Não imaginava que o livro fosse tão rico de detalhes, e pensei que seria algo mais cheio de guerras e tals.
    Fiquei curiosa pela leitura.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Olá! Adoro essa temática histórica, então esse livro com certeza vai pra minha lista de leitura. Gosto muito dessa questão religiosa também. E o fato de ser uma série me anima ainda mais, mas provavelmente vou esperar sair o segundo livro pra começar a ler.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Oi Marlene ;)
    Estou muito interessada em ler o livro, e apesar de ter lido alguns comentários sobre ele, não fazia ideia de que era uma releitura de Vlad!
    Pela sua resenha da pra ver mesmo que a história do livro é riquíssima em detalhes, falando desde a religião até os costumes.
    Até gosto da parte histórica, e ainda bem que a autora sobre trabalhar com isso sem deixar o livro entediante. E que bom que até os personagens secundários não estão ali na história a toa!
    Não sei se é uma série/trilogia e tal, mas acho que vou esperar lançarem todos para eu ler, porque fico ansiosa kkkkk
    Bjos

    ResponderExcluir
  11. Olá Marlene,
    Já tinha lido a sinopse desse livro, mas essa é a primeira resenha
    Não gostei muito de saber sobre as características da personagem principal, espero que ela melhore. Bom saber que o autor soube trabalhar com as personagens principais e os secundários.

    ResponderExcluir