09 junho 2017

Resenha: O Terceiro Testamento



Título: O Terceiro Testamento
Autor: Christopher Galt
Editora: Grupo Editorial Pensamento / Editora Jangada
Skoob / Goodreads
Páginas: 400
Onde comprar: Saraiva / Amazon

O mundo parece estar enlouquecendo!
Em toda parte, as pessoas começam a ter visões. Um adolescente francês assiste Joana D'Arc ser queimada na fogueira, e até tenta tirar uma foto com o celular, e a presidente dos Estados Unidos tem visões de seus antecessores dentro da Casa Branca. Ninguém sabe se essas misteriosas aparições são uma espécie de alucinação coletiva, uma doença virótica causada por bioterrorismo ou se são sinais do Apocalipse. Ocorrem suicídios em massa em várias partes do mundo, e o psiquiatra e neurocientista John Macbeth, à frente de um projeto para criar uma inteligência artificial autônoma, busca freneticamente uma resposta antes que seja tarde demais. Ele descobre que a verdade por trás de tudo pode mudar os rumos da humanidade para sempre. E até custar a sua vida. Uma história eletrizante que o fará questionar sua perspectiva da realidade. E até mesmo a sua sanidade.






“-“O especialista é aquele que conhece cada vez mais sobre cada vez menos”. – Macbeth sorriu, erguendo o copo com ar de cumplicidade. – Nicolas Murray Butler.”

John Macbeth, um importante psiquiatra e neurocientista, é o responsável por uma das pesquisas mais importantes já desenvolvidas: a criação e desenvolvimento de uma espécie de cérebro artificial capaz de reproduzir a forma como a mente humana funciona. Em Copenhague, junto a uma grande equipe, o Projeto Um, vêm ganhando forma prometendo provar o que há muito ele insiste em afirmar: o ser humano é incapaz de se identificar com o mundo ao seu redor, levando-o a criar o seu próprio o atribuindo a sua realidade. No entanto, muitas dúvidas acerca de uma inteligência artificial e autônoma surgem, afinal, seria seguro tal experiência? Dr. Macbeth afirma que sim, mas quando ele começa a se deparar com essas situações estranhas e inusitadas de mortes, inclusive presenciando uma delas, ele passa a questionar muitas coisas ao seu redor; inclusive a possibilidade de existência de algum vírus que cause esse padrão de desmoronamento psicológico que o mundo está apresentando.

Para onde se olha o mundo está enlouquecendo. Em diversos países coisas bizarras e sem explicações acontecem sem motivos e sem ninguém entender o por quê. Vinte e sete jovens saltam da ponte Golden Gate. Um homem rico é encontrado morto por inanição em seu apartamento em uma área nobre em Nova York. Cinquenta estudantes japoneses cortam sua jugulares no meio da Floresta de Aokigahara. Perto da Organização Europeia para Pesquisas Nucleares uma mulher se suicida colocando fogo em si. Pessoas passam a ter visões acerca de fatos que já ocorreram e que não se encontravam presentes, enquanto mortes continuam acontecendo seguidos da frase: “Estamos nos tornando”, mas se tornando o que?

 Pete Corbin, psiquiatra e amigo de Macbeth, com o qual sempre faz questão de se encontrar quando esta em Boston; revela a ele que encontra-se tendo visões estranhas. Na casa branca, a Presidente Yates tem visões sobre presidentes que já morreram. Mais do que apenas enxergar coisas que não estão realmente ali, essas experiências envolvem todos os sentidos do corpo humano como se realmente estivesse presente no momento do acontecimento, mas sem conseguir interferir ou modificar os fatos. Cada vez mais perguntas aparecem, mas nenhuma resposta é encontrada. A única coisa que se sabe é que algo está errado, e o que a principio se pensava se tratar apenas de uma referencia a uma obra é bem maior e mais perigoso do que se pensava.

"- Há algo que preciso lhes dizer antes - começou Macbeth. - Além de ter tido a experiência do terremoto como os demais, tive pelo menos duas, talvez três alucinações menores em que vi pessoas ou coisas inexistentes."

Quando a segurança nacional está em risco e as coisas parecem estar indo longe demais, o FBI juntamente a cientistas de todo mundo tentarão descobrir a resposta para esse descontrole psicológico que está assolando não só o pais, mas como o mundo... Mas será que existe realmente uma resposta para o que está acontecendo? E pior ainda, eles estão preparados para lidar com o que irão encontrar?




[ - Minhas Impressões - ]

Tenho que começar minhas impressões revelando a vocês que o Terceiro Testamento é uma obra que me envolveu de uma forma que eu não imaginava e que me surpreendeu em diversos pontos! Primeiramente porque sua escrita apesar de não ser rebuscada é composta por diversos termos técnicos, que ao invés de levar o leitor a ficar confuso por desconhecer do que se trata, o ensina acerca deles trazendo uma complexidade para o enredo sem que se torne uma obra de difícil compreensão. O autor soube encontrar o equilíbrio perfeito entre criar uma obra que consiga ser compreendida por todo público, mas sem que para isso se banalize a parte cientifica presente. Outro ponto a ser destacado é que os diálogos constantes, construídos de forma a instruir e dar uma direção na leitura, são inseridos nos momentos certos para que se tenha uma maior compreensão de como as patologias presentes na obra funcionam e como alguém que sofre com elas se sente.

Os personagens, tanto principais quanto secundários, foram pensados e construídos de forma que mesmo em uma gama grande e vasta deles seja possível que se identifique suas características pessoais no momento em que eles passam a ser o foco da narrativa. Sendo narrado em terceira pessoa, e havendo uma constante troca de foco em cima de cada protagonista, o leitor poderia acabar se sentindo confuso e perdido; mas felizmente, pela forma como o autor escolheu desenvolver, e tendo sempre a apresentação do personagem antes do inicio de cada capitulo, isso não ocorre.

Um ponto bem interessante é que apesar da chuva de informações e questionamentos que surgem devido ao grande mistério que envolve essa questão das mortes sem explicação logica, os capítulos são curtos e separados de forma a se tornar uma leitura fluida e instigante. Mesmo quando você sente que não está entendendo nada, ou que nada mais faz sentido, é impossível largar a leitura até que o livro acabe e tudo seja desvendado (tecnicamente). O tempo todo o leitor é situado acerca de quem esta falando, sobre qual seu papel ali no momento, o local onde se encontra e o que será desenvolvido naquele trecho; sem falar nos trechos que são uma verdadeira aula de história, algo que mesmo eu não sendo muito fã, veio a se tornar um ponto positivo na obra.

Outro ponto positivo acerca da obra é que há o incentivo direto para o leitor não ser apenas um telespectador, mas sim se envolver na história e junto com os psiquiatras e toda a equipe que passa a trabalhar na investigação, desvendar o que está realmente acontecendo. O tempo todo surpresas acontecem e reviravoltas mudam todo o curso do que se pensava saber, fazendo com que tédio não seja algo que acompanha quem o está lendo.  Sempre que se acha que as coisas começam a fazer algum sentido ou vão ficar mais devagar, um novo acontecimento surge fazendo tudo ficar no ritmo acelerado novamente. Eu, inclusive, me peguei diversas vezes me perguntando como Craig iria conseguir trazer uma nova reviravolta e o que viria a seguir; e obviamente, nunca era o que eu imaginava. Mas assim como toda obra, mesmo com toda a desenvoltura que o autor possui, em algumas partes quando ele insere fatos que mostram sua genialidade de forma recorrente e desnecessária, com descrições exageradas e que não precisam estar ali e em raros momentos que sua narração se torna um pouco enfadonha, acabaram por ser pontos negativos. Nesses casos eu sentia que minha paciência estava sendo testada, me levando ao limite para ver quanto eu iria aguentar...

Em relação à diagramação eu não tenho do que reclamar. Com tamanhos de letras ideais e confortáveis para leitura, uma folha amarelada e sem erros gramaticais percebidos por mim; a editora se preocupou em trazer para o leitor uma diagramação que o faça se sentir confortável permitindo horas de leitura sem que a visão passe a reclamar.

Já se tratando de Christopher Galt, pseudônimo de Craig Russell, e autor de O Terceiro Testamento, é notório que ele é um escritor que escreve com a alma, que não tem medo de transmitir sua paixão e nem de criar histórias que ultrapassam o conceito do real. Mesclando temas atuais e que fazem parte de nossa realidade, além de realizar criticas acerca de assuntos polêmicos como o extremismo religioso; Craig, em seu enredo, tem por objetivo mais do que apenas a leitura feita de forma desinteressa ou fantasiosa sobre o tema. Claramente e por diversas vezes em sua narrativa, ele incentiva o leitor a pensar e refletir sobre como o exagero pode acabar por levar a grandes catástrofes. Não é atoa que diariamente vemos nos jornais guerras e conflitos gerados por grupos que de tão focados no que pensam ser a grande verdade, não se ressentem de destruir e causar mortes de pessoas inocentes cujo único erro que já cometeram é não compartilhar dessa visão extremista.


Esse é um livro que eu já adianto que não é para todos, muitos irão amar enquanto outros não irão gostar. Mas é uma leitura que eu recomendo e que como já dizia o Publishers Weekly: "poucos leitores poderão imaginar o final de cair o queixo, e os fãs de thrillers de ficção científica vão rezar para que Galt continue escrevendo sobre este gênero". Não vou dizer que é o livro que mais amei no mundo, achei que poderia ter sido melhor em alguns aspectos; motivo pelo qual eu dei apenas 4 estrelas para ele. Mas é uma obra que mostra o talento de autor que se arrisca e que fala sem medo sobre assuntos que muito temem abordar, e isso é algo que me fez coloca-lo em alta consideração. Acredito que essa questão de como o livro será para você é muito subjetivo, então leia para tirar suas próprias conclusões, mas se você gosta de ser surpreendido e de uma boa ficção então esse é um livro que você definitivamente precisará ler!



PARTICIPE !! SE INSCREVA !!!




10 comentários:

  1. Oi Bruna!!!
    Já tinha lido algumas resenhas desse livro e confesso que achei bem meio confuso não estou tão acostumada a ler nada do gênero mas está na minha meta de leituras desse ano espero poder conseguir em breve.
    Abraços!!!

    ResponderExcluir
  2. Oi Bruna
    Sabe que já vi esse livro antes mas nunca dei muita moral, sei lá, a capa é meio feinha =/
    Mas fiquei surpresa em ver do que o livro se trata, e ainda mais por ele ter te envolvido tanto. Creio que a linguagem mais complicada possa ser um empecilio pra mim porque sempre demoro mais pra ler livros assim pois presto mais atenção. Mas sabe que agora fiquei curiosa em ler o livro? Espero poder me envolver tanto como vc.
    Bjão

    ResponderExcluir
  3. Não sei se leria esse livro. A trama dele me deixou um pouco curiosa e achei legal porque parece deixar a gente com vontade de entender, tentando desvendar os mistérios junto com os personagens e tal. Mas ao mesmo tempo ele não me deu aquela animada pra ler. Algumas coisas acho que iriam me irritar ou ficaria confusa, não sei...
    Acho que seria um desses livros que pegaria sem esperar muito, só na sorte mesmo sabe? Ele não acabou me chamando muita atenção...

    ResponderExcluir
  4. Bruna!
    Interessante ver como o autor fez uma forma desconexa aparentemente, para depois juntar tudo e dar uma expicação plausível para todos os fatos e para desvendar o mistério.
    Gosto de capítulos curtos, facilitam a leitura e gostei também de saber que as explicações científicas podem ser totalmente entendida para os leigos no assunto.
    Deve ser um ótimo livro.
    Desejo um ótimo final de semana!
    “É preciso já ser sábio para amar a sabedoria.” (Friedrich Schiller)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JUNHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Eu não conhecia esse livro, e achei a história dele bem interessante. Parece que o autor realmente fez um trabalho muito bom no livro, sabendo encontrar esse equilíbrio, e criando personagens muito bem construídos. Mas confesso que não me interessei muito pelo livro, eu acho que não iria gostar muito do livro :/

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Apesar de preferir os romances, também adoro um bom mistério, principalmente aqueles que conseguem verdadeiramente nos surpreender no final. Vou guardar esse nome para quando eu estiver no clima de me aventurar em um thriller <3

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Ainda não conhecia esse livro e gostei muito dos seus comentários. Li poucos thrillers, e acabei não gostando dos que li. Será que com esse será diferente? Espero que sim ashuhuashsu
    Gosto muito de livros com finais surpreendentes (:
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Olá! Ainda não conhecia esse livro, mas achei muito interessante essa mistura de ciência, religião e física quântica, é muito bom que o autor possa passar isso de uma maneira que os leitores consigam compreender, adorei a dica, certamente será uma leitura fantástica.

    ResponderExcluir
  9. Olá !!
    Não sei, acho que esse livro não é pra mim !!
    Muita confusão
    Sei lá 😂😂 Mas que bom que você gostou !!

    ResponderExcluir
  10. Olá Bruna,
    Não lembro de já ter visto esse livro, mas fiquei vidrada nesse thriller, que história mais surpreendente!
    Pelo que eu li na resenha, essa não é uma leitura nem um pouco tediosa, pelo contrário, uma leitura repleta de reviravoltas, surpresas e descobertas ao acompanhar o desfecho da investigação, fiquei bem intrigada para saber o que está por trás desse grande mistério do descontrole psicológico que está afetando boa parte do mundo. São tantos pontos positivos presentes nessa trama que não há como não ficar ansiosa para se jogar nessa leitura frenética.
    Beijos

    ResponderExcluir