19 setembro 2016

Resenha - Pax




Peter e sua raposa são inseparáveis desde que ele a resgatou, órfã, ainda filhote. Um dia, o inimaginável acontece: o pai do menino vai servir na guerra, e o obriga a devolver Pax à natureza. Ao chegar à distante casa do avô, onde passará a morar, Peter reconhece que não está onde deveria: seu verdadeiro lugar é ao lado de Pax. Movido por amor, lealdade e culpa, ele parte em uma jornada solitária de quase quinhentos quilômetros para reencontrar sua raposa, apesar da guerra que se aproxima. Enquanto isso, mesmo sem desistir de esperar por seu menino, Pax embarca em suas próprias aventuras e descobertas. Alternando perspectivas para mostrar os caminhos paralelos dos dois personagens centrais, Pax expõe o desenvolvimento do menino em sua tentativa de enfrentar a ferocidade herdada pelo pai, enquanto a raposa, domesticada, segue o caminho contrário, de explorar sua natureza selvagem. Um romance atemporal e para todas as idades, que aborda relações familiares, a relação do homem com o ambiente e os perigos que carregamos dentro de nós mesmos. Pax emociona o leitor desde a primeira página. Um mundo repleto de sentimentos em que natureza e humanidade se encontram numa história que celebra a lealdade e o amor.

Livro: Pax
288 páginas || Skoob || Editora: Intrínseca || Onde Comprar










Peter, obedecendo às ordens do pai, mas com muita dor no coração precisa abandonar Pax, sua melhor companhia e animal de estimação na floresta, pois como o pai fora convocado para servir na guerra e sua mãe infelizmente havia falecido, não restou outra opção para Peter. Teve que largar sua vida e ir morar com o avô.

“Não estou com raiva. É que não escolhi isso. Não fui eu que quis essa guerra. Não fui eu que fiz meu pai se alistar. Não escolhi ir embora de casa, não escolhi morar com meu avô. E é claro que não escolhi abandonar o bichinho que ficou cinco anos comigo.”

Depois de um certo tempo, depois de tanto tentar ir contra, Peter teve que obedecer às ordens do pai e abandonar Pax na floresta e assim deixando ser levado pela culpa depois de descobrir um passado “sombrio” do próprio pai. Então após essa descoberta, ele decide voltar onde abandonou a pequena raposa e resgatá-la. Pax também decide retornar para casa com a esperança de encontrar seu menino, mas acaba se deixando levar pelo perigos de sua própria natureza selvagem e embarcando na sua liberdade de raposa.

“Tem uma doença que às vezes dá nas raposas que as faz deixar de agir de maneira normal e atacar estranhos. A guerra é uma doença humana parecida.”

Durante a jornada dos corajosos guerreiros, eles encontram amizades que de certa forma os trazem grande aprendizado, os desafiam, os acolhem e acima de tudo lhe dão ajuda, algo que precisavam ter para que conseguissem unir novamente os corações separados. E por caminhos diferentes e almejando o mesmo destino, Peter e Pax vão amadurecendo e moldando suas personalidades ao longo do tempo. Enquanto Peter aprende a lidar com os sentimentos, adquirindo confiança, Pax descobre um novo mundo ainda inexplorado repleto de seus semelhantes e aprende então a reconhecer seus instintos.

Pax aprendeu a dominar, a caçar, a encontrar abrigo, a sobreviver e, acima de tudo, a viver como uma raposa. Peter se preparou e se tornou forte, e aprendeu, principalmente, a não desistir de seus sonhos, que no momento era encontrar Pax.

Será que o amor entre a raposa e seu menino é forte o suficiente para deixarem “suas naturezas” de lado e irem até o fim pela busca da felicidade que até então achavam ser a correta para suas vidas?

“Durante a viagem, Pax refletia sobre o enigma do aroma do seu menino: o aroma que ficava embaixo dos outros. Ficava entre a dor e a saudade, brotando de um sofrimento forte por algo que Pax nunca conseguira definir.”.


[- Minhas Impressões -]


Pax, lançado pela Editora Intrínseca foi escrito em formato de fábula o que forma um enredo bastante simples, mas ao mesmo tempo complexo devido às emoções que nos é permitido sentir nesta história.  A história é toda narrada em terceira pessoa com a visão dividida entre os dois personagens principais, Peter e Pax. Ele vão nos mostrando caminhos paralelos e dualidade presente do começo ao fim.

Durante toda a trama, os dois personagens são muito bem construídos e enfrentam fraquezas, descobertas e paixões.

Então, enquanto Peter deixa o menino submisso que se reprimia pelas vontades do pai, Pax descobre um novo mundo, um ambiente selvagem, onde podia ser o que quisesse e deixar sua natureza aflorar.

“Peter deixou o pai abraçá-lo. Durante tantos anos ele quisera se sentir dentro daquele círculo de amor e proteção…”

O livro possui uma pegada singela onde mostra a reciprocidade de um menino e sua raposa. E acima das próprias necessidades, eles buscam a segurança e o bem do outro. Sara Pennypacker transmite muito bem os sentimentos de cada personagem, principalmente de Pax que chega até o leitor de uma forma muito natural.

“O que o fez se levantar de novo, apoiando-se primeiro nas patas dianteiras e só depois erguendo o restante do corpo, foi um segundo pensamento, o de que precisava encontrar seu menino para saber se ele estava bem. ”.

O que nos ajuda ainda mais com as fortes emoções, são as ilustrações de Jon Klassen, que amplia o ponto de vista de quem lê, nos situando exatamente no momento descrito pela história.

Em minha opinião o desfecho do livro não agradará a todos, mas a reflexão e a lição por trás de toda trama nos deixa com um grande aprendizado. O fim não foi o fim, e sim o início de uma nova história para Peter e Pax. É um livro que contém uma história muito envolvente e emocionante e que prende o leitor desde a primeira frase do livro.

Sem dúvidas, Pax é uma leitura indicada para quem busca uma história leve, simples mas ao mesmo tempo tocante e cheia de aprendizado!

“… – Aqui eu tenho paz.
– Por causa do silêncio?
– Não. Porque estou exatamente onde deveria estar e fazendo exatamente o que deveria fazer. Isso é paz.”

18 comentários:

  1. Olá Amanda
    Eu estou simplesmente apaixonada por essa capa, é muito bonita. Eu quero poder fazer essa leitura também, e gostei muito da premissa e de todos os comentários que venho lendo a respeito. Parece ser uma história encantadora! Adorei poder ler seus comentários por aqui e fiquei ainda mais motivada. Tenho curiosidade sobre as lições na trama.
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  2. Olá.
    AH, que amorzinho essa resenha! Estou tão encantada com esse livro e parece que irá me envolver do começo ao fim. Espero ler em breve.

    Beijos. | * Blog PS Amo Leitura *

    ResponderExcluir
  3. Olá
    Eu ja tinha visto essa capa, porém nunca procurei saber o que era e confesso que sua resenha mexeu comigo.Fiquei sedenta em saber mais sobre o Petter.A premissa da história é instigante .Fiquei intrigada por você falar que o final não vai agradar a todos, mas pode nos deixar uma lição. Espero em breve poder fazer a leitura ❤

    ResponderExcluir
  4. Olá Amanda,
    Quando vi esse lançamento, fiquei bem curiosa para ler o livro, pois acho legal termos uma obra que mostra o ponto de vista de uma criança e do animal a respeito do abandono, mas sabe quando a vontade vai abrandando até que o livro está ali na lista, mas só isso? É assim que me sinto em relação a esse livro, infelizmente.
    Gostei muito da sua resenha e fiquei contente por você ter gostado. Fiquei me perguntando se, quando eu ler, farei parte do time que o final agradou ou desagradou. Apesar disso, acho que a lição é a melhor coisa que podemos tirar da obra.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  5. Vi PAX na livraria e amei. Sou apaixonada por raposas como personagens literários desde O Pequeno Príncipe. Eu vi que era uma história ambientada na guerra e me senti muito curiosa. Adorei saber, através da sua resenha, que as emoções "prometidas" na sinopse nos alcançam realmente. Tenho certeza de que me sentirei envolvida no enredo e torcerei pela felicidade dos protagonistas (o garoto e sua raposa), mas (pelo seu comentário) talvez tenha meu coração partido com o desfecho.

    Beijos!
    http://www.myqueenside.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá,
    Desde que vi o lançamento da obra fiquei muito curiosa para conferir o envolvimento de Pax com o garoto. Essa parte me lembra um pouco O pequeno príncipe e a raposa.
    É bom saber que existe um turbilhão de emoções ao ler a obra e que elas podem realmente ser sentidas. Nos faz refletir sobre nossas relações e fiquei curiosa com o fato de você dizer que o final não agrada a todos.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Já conhecia o livro, apesar de ainda não ter lido. Acho que a história apresentada deve ser maravilhosa e certamente eu adoraria acompanhar a caminhada e Peter e Pax. Como você disse que o final não agrada a todos, fiquei com um pouco de receio do que esperar da história, mas espero lê-la em breve!
    http://www.virandoamor.com/

    ResponderExcluir
  8. Oii Amanda, tudo bem? Gostei muito da sua resenha e saber tua opinião a respeito de Pax. Desde o lançamento fiquei bem curiosa com a leitura, por envolver uma criança e uma raposa. Acho que iria adorar a leitura. Fiquei super curiosa agora sobre esse final. Será que irei gostar do desfecho? Bem, espero ler em breve.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Olá amore,
    Pra ser sincera não curti muito a capa desse livro, masss... talvez até daria uma chance para a leitura tendo em vista que os comentários que tenho visto a respeito do livro são bem positivos!
    Que bom tenha gostado do livro, parabéns pela resenha!

    Beijokas!
    www.facesdeumacapa.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oi, tudo bem? Esse livro me pareceu uma releitura do pequeno príncipe e o fato dele ser escrito em fábula deu um encanto ainda maior no livro. Com certeza parece uma história emocionante dessas que nos enchem os olhos....quero esse livro o quanto antes.
    Bj

    ResponderExcluir
  11. Olá,

    Tenho visto resenhas muito positivas desse livro e achei a premissa um bocado encantadora, afinal o laço de amizade entre um garoto e sua raposa, é sem dúvidas algo impactante, ao mesmo tempo em que ambos na busca de se encontrarem vão percorrer um caminho repleto de reflexões. Eu confesso que tenho medo de iniciar a leitura dessa obra e cair no choro, pois fico com ressaca literária por dias com obras assim. Mas espero um dia, dar uma chance a essa leitura da forma que ela merece. Gostei muito da sua resenha, deu um excelente vislumbre do que esperar da história.


    Abraços
    Cá Entre Nós

    ResponderExcluir
  12. Oi, tudo bem?
    Eu já vi esse livro por aí e fiquei bem animada, porque a premissa é super bacana. Bom, eu adoro histórias simples, mas que ao mesmo tempo conseguem despertar várias emoções no leitor. Os dois personagens parecem ser super cativantes e a jornada deles deve trazer várias mensagens para a gente também. Enfim, eu meio que imaginei um final pra história e agora to curiosa para saber se estou certa.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  13. Eu sou muito sensível quando o assunto é livros com animais, principalmente quando eles são abandonados e precisam arranjar maneiras de sobreviver. Esse lançamento com certeza me conquistaria e me faria refletir bastante, alem de se emocionar. Gostei de colocarem o ponto de vista da raposa, para conhecermos o lado dela na história. A edição está linda, a Intrínseca arrasou e já é um desejado.

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Eu já estou vendo que quando ler esse livro vou chorar horrores. Achei muito interessante ser escrito em formato de fábula, pois nunca li um livro assim antes, sem falar que mostrar o ponto de vista da raposa deve ter dado um toque maravilhoso na obra. Não sabia que esse livro tem ilustrações, quero muito vê-las também.
    Beijos.
    http://arsenaldeideiasblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  15. Oie!!!
    A capa e a estória são belíssimas! Como você bem destacou fábulas normalmente possuem enredo simples para explorarem os complexos sentimentos e relacionamentos humanos. E parece que a autora soube trabalhar muito bem essa característica e a estória em si.
    Uma pena não ter alguma foto das ilustrações deste livro na resenha, pois se seguirem a capa devem ser extraordinárias!
    Valeu pela dica!
    Bjinhos ;)
    Elaine M. Escovedo
    Caminhando Entre Livros
    Http://www.caminhandoentelivros.com.br

    ResponderExcluir
  16. Já faz algum tempo que venho namorando esse livro. No momento que eu vi a capa, já o desejei com todas as minhas forças. Vejo agora que estava certa. Eu realmente preciso desse livro.
    Não sabia que o livro era contado em fábula, fiquei ainda mais interessada depois disso. A história me parece ser muito boa, daquelas que nos dão uma sensação boa.
    Preciso ler este livro o mais rápido possível.
    Obrigada pela dica.
    Bjs, Mila

    http://a-viagem-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Que livro encantador! Confesso que até o presente momento o livro não tinha chamado a minha atenção. Mas com a sua resenha, algo mudou na percepção que eu tinha da obra. Parece ser uma linda história de busca e de superação. Gostei do fato de a obra ser escrita em forma de fábulas, simples mas sem abrir mão da complexidade das narrativas que tratam de emoções. Adorei a resenha!

    Tatiana

    ResponderExcluir
  18. Conheci o livro no encontro com a editora e achei o enredo ótimo, principalmente por conta de duas reflexões e ensinamentos. A amizade que nasce entre a raposa e o menino deve ser encantadora e com certeza levará o leitor a grandes emoções. Fico imaginando que final será este que não agradará a todos.
    Bjs.

    ResponderExcluir