08 junho 2016

Resenha - Encrenca



Quando o colégio inteiro descobre que Hannah Sheppard está grávida, ela tem um verdadeiro colapso. E quem está ao seu lado é Aaron Tyler, um aluno novo e o único garoto que não parece ter segundas intenções em relação a ela. Desejando compensar seus erros do passado, Aaron toma uma difícil decisão: ele se oferece para fingir ser o pai do bebê. E, temendo revelar quem é o verdadeiro pai, Hannah aceita.
Encrenca é a história de dois jovens que estendem a mão um para o outro quando todas as demais pessoas parecem lhes dar as costas. Em um período marcado por perdas, arrependimentos e esperança, os dois vão descobrir que nada se compara a encontrar o seu primeiro melhor amigo de verdade.
Este livro inteligente, por vezes comovente, por vezes engraçado, mostra que crescer pode ser complicado, mas é assim que se descobre o que realmente importa na vida

Livro: Encrenca
307 páginas || Skoob || Editora: Verus || OndeComprar








"As palavras parecem ficar suspensas no ar por muito mais tempo do que o possível. Tudo parou e o quarto prende a respiração, esperando até que o significado do que eu disse assente. Grávida. Sinto um vazio por dentro e posso ouvir a palavra ecoando dentro de mim. A questão é que estamos falando do oposto de vazio, não é mesmo? Esse é o problema."

Hannah Sheppard é uma menina que vem de uma boa família, tem tudo o que deseja e está em uma fase da adolescência na qual é muito influenciável e gosta de fazer tudo aquilo que está popular entre os amigos. Junto com sua melhor amiga, Katie, Hannah frequenta várias festas e fica com vários meninos, o que a deixa com má fama na escola. Até o dia em que ela se descobre grávida aos quinze anos, e se sente perdida, tendo dificuldades para contar para sua família e tendo de esconder quem é o pai da criança. Além disso, todas as pessoas que estudavam com a garota e que antes eram suas amigas lhe dão as costas, e começam a criar boatos sobre Hannah, e apenas sua avó fica ao seu lado no momento difícil até que ela conte para sua mãe e o resto da família.
"Uma saudade da vida que deixei para trás me invade tão rápido que dói: lembranças de me sentar em cima das mesas pertinho dos meus amigos, os cotovelos esbarrando sem querer de vez em quando; das garotas nem se importando se as nossas pernas roçavam quando nos sentávamos em muitos no mesmo banco; dos caras me puxando para um abraço de comemoração quando eu consegui me colocar entre a bola e o gol em uma semifinal que eu não deveria ter jogado. Aqui é diferente. As pessoas pedem desculpas quando esbarram em mim, as garotas e os garotos parecem ocupar hemisférios distintos, e os caras do basquete comemoram batendo as mãos e com tapinhas nas costas. Eles se cumprimentam trocando socos. Tudo é muito agressivo."

Já Aaron Tyler também era um garoto feliz, até o dia em que uma tragédia acontece e se culpa por isso. Quando ele se muda para a escola onde Hannah estuda e descobre por um acaso que ela está grávida e que não pode revelar quem é o pai, Aaron imediatamente se oferece para dizer perante todos que o filho é dele, tentando assim amenizar uma parte da culpa que havia dentro de si. Os dois jovens, perdidos e forçados a descobrir um novo mundo de maneira muito rápida, se unem para enfrentar todas as dificuldades, perdas e também para tentar descobrir a felicidade.

"No fundo, sempre achei que ia acabar optando por um aborto. Simples.
Na realidade? Não é tão simples.
Estamos falando de vida e morte. Para mim, a gente só existe depois que nasce, pelo menos plenamente, mas tem algo lá, e é esse algo que conta. Se o bebê na barriga da mãe não importasse, ninguém olharia feio para uma grávida que fuma nem faria comentários quando uma delas bebesse.
Não existiriam todas essas regras e normas sobre o que é bom para o bebê, se ele não tivesse nenhuma importância.
Mas ele é um ser vivo? Eu o estaria matando?"

Em uma história muito bonita que traz uma adolescente grávida como protagonista, com uma situação envolvendo escolhas, amigos e escola que faz com que a maioria dos leitores se identifique, a autora nos faz mergulhar no enredo e nos sentirmos ao lado de Hannah em todo o tempo, e mostra que as melhores coisas e pessoas podem surgir dos momentos mais difíceis.

"Com a decisão tomada, eu me sinto um pouco mais calma, apesar de saber muito bem que não deveria.

São tantas as coisas sobre a vida deste bebê que já foram decididas...
 Se é menino ou menina. Se vai ter cabelo cacheado ou liso.

Se vai ser destro ou canhoto.

Bom em matemática ou péssimo em ciências.
Esportista ou sedentário.

Uma vida traçada antes mesmo de ele começar a vivê-la.
Só o meu papel é deixado ao acaso."


[- Minhas Impressões -]

Fiquei curiosa em relação a esse livro por causa de algumas resenhas bem positivas que vinha encontrando e senti que precisava adquiri-lo imediatamente. E assim que embarquei na leitura não consegui mais parar. É um livro leve, despretensioso mas que traz uma série de assuntos sérios, conflitos pelos quais todos os adolescentes passam, como a necessidade de ser aceito nos grupinhos formados na escola, o medo de contar algo para os pais, seja sobre uma gravidez ou qualquer outro assunto, a descoberta do primeiro amor, as amizades que vem e vão e a necessidade de sermos maduros em um mundo que mal conhecemos.

Achei ótima a temática de conhecer os sentimentos da personagem em relação a uma gravidez na adolescência, e a sua maturidade perante o que tinha a enfrentar, e coragem por optar por manter a gravidez e por cuidar de um ser humano quando mal sabia cuidar de si. O livro traz momentos engraçados, tristes e também aqueles que nos dão um choque de realidade, além de ao contrário da maioria dos livros atuais que focam de forma intensa nos romances, esse livro não é tão focado no romance e sim em todas as outras relações que temos na vida.

O único ponto negativo que encontrei para destacar foi a falta de um epílogo, pois fiquei muito curiosa em relação ao que aconteceu depois da última parte do livro, e também o  fato de não termos conhecimento profundo em relação aos sentimentos de alguns personagens essenciais na história, também acredito que os sentimentos de Hannah em relação a gravidez poderiam ser ainda mais explorados, embora possamos conhecer muito sobre eles.

O livro é narrado em primeira pessoa, às vezes por Hannah e às vezes por Aaron, o que nos permite conhecer o ponto de vista dos dois em todas as situações. Os capítulos são divididos em dias, desde antes de Hannah descobrir a gravidez até o nascimento do bebê. Achei o livro de fácil leitura e muito rápida, e não encontrei nenhum erro de revisão.

Hannah é uma personagem que no início do livro irrita por toda a sua futilidade e por toda sua história com tantos meninos ao mesmo tempo, mas a medida que a gravidez se desenvolve é impossível deixar de gostar dela e de se comover com suas atitudes e mudanças, mesmo sendo tão nova. Já Aaron é um personagem que desperta empatia desde o começo e seu segredo do por que ele carrega tanta culpa é muito bem guardado, sendo revelado apenas no fim do livro, já o segredo de Hannah sobre quem era o pai do bebê eu deduzi desde as primeiras páginas e estava correta. Inclusive a respeito do personagem que é o pai não tenho muito a destacar, a não ser que não consegui sentir bons sentimentos sobre ele durante a leitura e o achei um pouco covarde fugindo das responsabilidades.

Os personagens secundários, como Robert, o padrasto de Hannah e Paula, a mãe da menina foram muito compreensivos e são cativantes. Cabe ainda um breve destaque para a avó de Hannah, que esteve ao lado dela todo o tempo e não a julgou em nenhum momento, e também para os pais de Aaron que faziam o possível e o impossível para ver o filho feliz.

Esse é um livro muito recomendado tanto para aqueles leitores que gostam de histórias com personagens adolescentes e tanto para aqueles que preferem uma história mais madura, pois aqui podemos ver os dois lados, primeiro uma adolescente inconsequente e logo depois seu amadurecimento, e também é recomendado devido as questões importantes que traz e com as quais todos nós podemos refletir profundamente.

17 comentários:

  1. Oi Tamara, eu já lo algumas resenhas sobre esse livro e assim como as suas impressões, todas são bem positivas. Legal saber que na história podemos encontrar algo mais jovial e ao mesmo tempo mais maduro. Estou ainda mais curiosa sobre o estilo de escrita de Non Pratt. Que bom que o livro é de fácil leitura!
    Beijos, Fer

    ResponderExcluir
  2. Oi Tamara.... :) Que coisa boa quando um livro agrada a gente... vc já assistiu àquele filme, Juno? Parece muito com a premissa do livro! Que fofo Aaron se oferecer para ser o pai da criança, mesmo com a confusão do mundo de Hannah.... me parece um livro promissos, embora eu não ache que esteja na fase de lê-lo. Achei a capa linda, e acho uma boa pedida pra indicar pros alunos, por exemplo..... obrigada por compartilhar!
    abraço!

    ResponderExcluir
  3. Oi Tamara,
    Primeiro eu quero falar que eu amo quando os livros trazem um epílogo, também adoro saber o que acontece com os personagens.

    Eu já tinha visto a capa desse livro por aí e ainda não sabia muito sobre ele, gostei de ver que o enredo traz esses temas e acho que é uma leitura que pode nos deixar pensativos no decorrer das páginas. Achei inusitado ter uma adolescente grávida como protagonista, eu ainda não li nenhum livro assim.

    ResponderExcluir
  4. Pela capa do livro, eu deixaria a dica passar fácil, mas sua resenha me deixou mega curiosa em relação a varias coisas. Primeiro em função da temática sobre a gravidez na adolescência e sobre o quanto o tema ainda é pertinente. E outra coisa que me deixou curiosa, foi você sentir falta do epilogo, que eu sempre julgo ou como faltou um pouco ou o livro é tão legal, que poderia ter mais um pouco.
    Amei a resenha!
    MEU AMOR PELOS LIVROS Beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi Tamara
    Não tenho problemas com livros que tenham personagens adolescentes. Até gosto na verdade e esse já está na minha lista de leitura. Ficar grávida nessa fase não deve ser nada fácil e estou realmente curiosa para ver de perto como a autora tratou isso. Gostei de saber que é um livro maduro e acessível. Espero ler logo!
    Adorei a dica.
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  6. Oi Tamara,
    li esse livro recentemente e amei a história, desde que soube do lançamento desejei loucamente lê-lo e quando finalmente consegui não me arrependi de tê-lo desejado, gostei bastante da trama mais densa, e dos temas abordados no decorrer da história, gravidez na adolescencia, bullyng virtual, entre outros. Sou fã de livros juvenis e descontraídos, mas gosto ainda mais de tramas bem desenvolvidas e com ar realístico, que é o caso dessa obra.

    Abçs
    Nosso Mundo Literário

    ResponderExcluir
  7. Olá Tamara,
    Esse livro chama minha curiosidade desde o dia em que o vi. Achei muito legal ter sido abordada a gravidez na adolescência, pois, na minha época, já era comum e hoje isso tem aumentado, claro que, também, tem recebido uma nova ótica. É uma situação crítica, mas que precisa ser discutida.
    Fiquei triste que não tenha um epílogo e me pergunto se vou sentir falta de algo, como você sentiu.
    Achei a trama bem desenvolvida e anotei a dica.
    Beijos,
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Ola Tamara lindona estou louca para ler esse livro, adorei os temas abordados e gosto de acompanhar a forma como esses fatos amadurecem e fazem crescer os adolescentes. Já gostei do protagonista por sua atitude. A capa está linda, vou ler com certeza depois de sua ótima resenha. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  9. Oi Tamara, acho muito bacana o tema abordado nesse livro sobre gravidez na adolescência que não é algo fácil. Eu engravidei com dezenove anos e já sofri para caramba, imagina com 15.
    Fiquei feliz em saber que o foco desse livro não é o romance e sua resenha ne deixou ainda mais curiosa com a leitura.
    Bj

    ResponderExcluir
  10. Oi!
    Quando saiu esse livro eu decidi não ler, primeiro por medo de me decepcionar muito ao perceber que a autora tinha uma abordagem totalmente errada sobre a gravidez na adolescencia, e outra porque eu achava que a história seria bem clichê, me enganei completamente sobre as duas opções rsrsrs
    Adorei histórias em que a protagonista amaduresce, e percebe que tem que acordar pra vida pois estava fazendo tudo errado. Só isso já me fez gostar muito da história, e espero ler um dia tbm

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Eu ainda não sei se quero ler esse livro ou não, rs. Sempre vejo bons comentários sobre ele, sempre resenhas positivas, como a sua, mas não sei... algo me trava em relação a ele, não sei se é porque comparo mentalmente ao filme Juno kkkk
    Sua resenha conseguiu me deixar curiosa, mas acho que no momento eu não faria a leitura... talvez mais para frente.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Oi!
    Ah eu não gosto quando o livro não tem o epílogo, pois sinto que fica faltando algo, como se não tivesse realmente um fim na história. Estou curiosa para conferir essa história, e vou acrescentar na minha lista. A cada resenha que leio, fico ainda mais curiosa para conferir e agora vou fazer isso.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  13. Oi Tamara, tudo bem?
    Desde que esse livro lançou fiquei curiosa a respeito dele e a sua resenha é a primeira que leio. Gosto muito de livros com adolescentes, mas não lembro de ter lido nenhum com uma protagonista grávida. Gosto de histórias com personagens bem construídos e apesar de Hannah apresentar-se como alguém fútil no início, fico feliz que ela tenha amadurecido ao longo da trama. Um ponto negativo é que também não gosto de livros sem epílogo, acho que fica faltando uma parte essencial do livro, mesmo assim tenho interesse em ler.
    Beijos.

    Um Rascunho a Mais

    ResponderExcluir
  14. Amei a temática do livro, alem de mostrar como é difícil ficar gravida cedo, ele ainda mostra que a vida muda completamente com a gravidez, amei a atitude de Aaron, acho que os dois personagens tem seus erros e ajudam um ao outro, acredito que o livro nos traz um mensagem excelente, sobre como as atitudes que tomamos podem mudar nossa vida por completo, amei a indicação

    ResponderExcluir
  15. Oi!

    To bem curiosa em relação a esse livro, então quero lê-lo em breve, mesmo tendo um pouco de preguiça de livros mais adolescentes, acredito que esse passa uma mensagem bacana sobre um assunto muito julgado, a gravidez nessa fase da vida. Eu acho que vou sentir falta do epílogo também, rs, adorei a resenha Tamara!

    beijo!

    ResponderExcluir
  16. Olá Tamara, tudo bem?

    “Encreca” é um livro que nos trás uma realidade que, infelizmente, vem se tornando cada vez mais comum em nossa sociedade. Livros assim merecem ser divulgados entre os docentes para serem adotados didaticamente em escolas.

    Beijos,

    Gabriel Albuquerque

    ResponderExcluir
  17. Oi Tamara

    Assim como você vi várias resenhas positivas da estórias mas algumas falaram sobre a forma distorcida que a autora trás da gravidez na adolescencia. Não consigo nem imaginar como é ter um filho nessa idade, deve ser devastador pois é basicamente a fase de transição e a pessoa tem que pular, é um baita choque. Infelizmente isso tem se tornado cada vez mais corriqueiros nos nossos dias.

    BJos

    ResponderExcluir