22 abril 2016

Resenha - O Ladrão de Destinos





No bairro onde mora, todos conhecem Mayumi como a menina sonâmbula, e não se importam em ajudá-la quando ela está nessa situação. Entretanto, o que nem mesmo sua família sabe é que a menina tem o espírito livre e todas as vezes que isso acontece, ela é capaz de sair do próprio corpo.
Mayumi vai parar em um mundo desconhecido, controlado por um sujeito capaz de capturar o destino das pessoas. Só que esse ladrão possui intenções nada boas ao realizar crimes
tão espetaculares.
Contando com a ajuda dos amigos Flecha, Córmaco e de um enorme tigre, Mayumi embarcará em uma jornada diferente de tudo que você já viu. E descobrirá por que nem sempre o destino pode estar em nossas mãos.




Livro: O Ladrão de Destinos
319 páginas || Skoob || Cortesia: Novo Conceito || Onde Comprar







                                                         
A narrativa é em terceira pessoa e é contada por meio da perspectiva de Mayumi, uma menina muito incompreendida. Ela é sonâmbula e para piorar, tem tendência a adormecer em qualquer lugar, inclusive na escola religiosa em que estuda e onde é alvo de bullying das meninas, principalmente de Matilde, que busca constantemente dificultar a vida de Mayumi com inúmeras agressões. O problema é que, ao entrar em um sono profundo, seu espírito sai de seu corpo e entra em contato com um mundo muito diferente, onde o tempo não existe.
“Para eles, sonambulismo não passava de um mal passageiro que poderia ser curado facilmente, como gripe. Para Mayumi, significava a liberdade roubada”.

Ela busca refúgio na loja de antiguidades do Sr. Lao Pengyou um velho sábio e seu amigo que lhe protege das encrencas das quais a menina é submetida na escola. Seus pais, atolados de trabalho e preocupados com o irmãozinho de Mayumi que está para nascer e não comparecem as reuniões da Madre Superiora. Ela se sente deixada de lado pois acredita que o bebê suga toda a atenção dos pais, e é esse ciúme o que lhe trará consequências ruins, cabendo somente a ela mudar o destino das pessoas que ama e levando-a embarcar numa jornada perigosa.

O Sr. Lao Pengyou ensina a ela como controlar o seu corpo quando dorme e a deixá-lo para trás, a fim de explorar o mundo dos sonhos, mas lhe adverte para não ir muito longe. Contrariando o conselho do velho amigo, seu espírito vai parar num lugar chamado Travessa da Orla, onde residem os dormentes, como ela, e aqueles que morreram mas tiveram situações mal resolvidas em vida. Mas há também um ladrão de destinos, que impede Mayumi de voltar para o seu corpo e também impossibilita as crianças que tiveram seus destinos roubados de viverem normalmente.

O autor descreve tão bem os personagens que dá a eles a mesma importância que a personagem principal tem, enriquecendo a história. Entre eles, há o Flecha, um espírito que também está preso na Travessa da Orla, e ajuda Mayumi naquele mundo, e se mostra ser um personagem gentil e bastante prestativo. Nasce uma ligação entre os dois, que é essencial para que consigam se ajudar nas situações de perigo e também no futuro.

“ - Um encontro pode ser coisa do acaso, Mayumi – disse ele, ternamente. – Mas um reencontro... ah, isso só pode ser obra do destino”.

Sou um pouco suspeita para falar desse livro pois tudo aquilo que aborda a cultura oriental me deixa fascinada. No decorrer da leitura, podemos encontrar várias referências, como por exemplo “akai ito”, uma lenda de origem chinesa que diz que há uma linha vermelha ligando as pessoas destinadas a se encontrar. Há também várias expressões usadas, como dizer “itadakimasu” antes das refeições e o Sr. Pengyou chama Mayumi por “xiau nuhai”, que significa “pequena menina”. O fato do livro conter vários aspectos da cultura oriental contribuiu positivamente para a leitura, fazendo com que adentremos profundamente nessa história tão espetacular.

Não costumo ler livros do gênero infanto-juvenil, no entanto, estou feliz por arriscar e ter cumprido a leitura. Os personagens são incríveis e carismáticos, o autor os descreve tão bem que é impossível não nutrir um carinho especial por eles. Fiquei comovida até mesmo com o próprio ladrão de destinos, que vai nos mostrando que há uma razão importante que o leva a cometer os atos cruéis, por mais que sejam injustificados.

A diagramação está perfeita, a escrita é simples e gostosa, fazendo com que a história seja bastante fluída. Há figuras nos capítulos que nos dão uma ótima visualização da ambientação e de como são os personagens, e também nos dá uma prévia do que podemos esperar no capítulo, o que acaba deixando o leitor curioso e o fazendo mergulhar na história. É uma boa sugestão para as pessoas que estão começando a gostar de ler, pois o livro está direcionado para um público mais jovem, mas recomendo fortemente para todas as pessoas, pois ele também pode divertir a criança interior que existe em cada um de nós.

13 comentários:

  1. Oi Amanda, a capa é um mimo só né? Adorei. Ao contrário de você, eu curto leitura de infanto juvenil, sempre busco dicas em função do meu filho e essa está mais anotada. Acho que o livro me envolverá como envolveu você.
    Amei a dica!
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi Amanda, tenho muita curiosidade em ler esse livro, especialmente porque adoro conhecer tramas juvenis e acredito mesmo que a diagramação esteja incrível, visto que todos os livros desse selo, Irado, que eu conheci são repletos de capricho. O que mais chamou a minha atenção foi o fato do espírito da menina sair do próprio corpo enquanto dorme e vai para outro mundo. Os personagens devem ser bem carismáticos mesmo heim...
    Beijos, Fer ♥

    ResponderExcluir
  3. Olá, eu não conhecia o livro ainda, gosto muito de livros infanto-juvenis e sempre leio alguns. Apesar de aparentar uma leitura leve, percebi grandes temas nessa história e muita cultura também. Fiquei interessada.

    ResponderExcluir
  4. Oi Amanda,
    Eu não conhecia o livro e pela capa eu tive a impressão de que era um infanto-juvenil bem leve, mas estava enganada. O enredo traz uma grande história e fiquei muito interessada nessa leitura. Gostei bastante da resenha e fiquei bem curiosa com o livro.

    ResponderExcluir
  5. Oie Amanda.
    Ai essa capa não ajuda viu? Mas lendo percebi que a trama parece bem interessante, eu sou dessas que dorme em qualquer lugar e houve uma época em que eu falava bastante dormindo e tinha sonhos muito agitados, então fiquei compadecida da protagonista.
    Ótima resenha, me fez pensar em saber mais sobre eles, pena não estar tão na vibe infanto-juvenil esses meses, mas dica anotada, quem sabe meu irmão goste.
    Bjokas

    ResponderExcluir
  6. Olá Amanda,
    Ainda não conhecia esse livro, mas achei a premissa muito legal. É bastante inusitada essa questão de uma garotinha ter o 'dom' de desprender o espírito e viajar por vários lugares. Quero saber como ela lida com o ladrão de destinos e tudo o mais que deve acontecer com ela.
    Fico feliz em saber que você tenha gostado da leitura e que ele contém coisas sobre a cultura oriental. Gosto de ler livros assim e já anotei a dica.
    Parabéns pela resenha.
    Beijos,
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oii, tudo bem?
    Eu já tinha visto a capa desse livro antes, mas não sabia do que se tratava a historia. E devo dizer, que apesar do livro se um infanto juvenil, ele parece ter uma historia muito cativante, sem falar da introdução de outra cultura na historia. Eu adorei a premissa do livro e espero ter a oportunidade de o ler.

    ResponderExcluir
  8. Me parece uma leitura leve e agradável de se ler, e essa parte oriental me chamou a atenção, não conheço muita da cultura ou das lenda, e com essa leitura passaria a saber de algumas coisas a respeito, gostei da capa a parte de ser um livro mais infantil me chamou muita a atenção.

    ResponderExcluir
  9. Olá!! :)

    Concordo contigo!! Todos nós temos uma criança dentro de nós...

    Ainda bem que te arriscaste a ler o género.. :) E que gostaste tanto! ;) Eu mesmo quero começar a ler um ou outro livro de vez em quando! :) Vou reler os meus de criança!! :) ahah

    QUe bom que achaste a historia fluida e que gostaste da diagramação.. :)

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  10. Oi Amanda, acredito que unir esses elementos orientais na trama, apesar dessa pessoa que vos escreve não saber muito...kkkk, só deve ter enriquecido a trama, né? Fiquei curiosa para saber mais sobre essa lenda chinesa que fala da linha vermelha e das pessoas... O que me chamou atenção também foi o fato do autor ter feito personagens tão cativantes e coerentes- é tanto que você gostou até do ladrão de destinos. Enfim, tenho certeza que esse livro deve ter uma leitura muito prazerosa. :)

    Beijos
    Vento Literário / No Facebook / No Twitter

    ResponderExcluir
  11. Olá!

    Gostei bastante da sua resenha, me identifiquei um pouco com a personagem em alguns sentidos, principalmente por ela estudar em uma escola religiosa. Eu ainda não li nenhum livro lançado pelo selo #irado, posso dar uma chance a este.

    Abraços, Heitor Botti
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br/2016/04/nove-regras-ignorar-antes-de-se.htmleu

    ResponderExcluir
  12. Oi Amanda, sabe que apesar de eu gostar bastante de livros infantojuvenis, esse não chamou minha atenção. Acho que pela trama ele parece mesmo direcionado para o público que está começando, aí acho que é uma ótima pedida. Parabéns pela resenha!

    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Oiiii!

    Mas, gente, que historinha interessante. Eu gostei bastante.
    E que enredo original. Embora se trate de um livro voltado mais para o público infatojuvenil, já me pego querendo muito ele.

    Muito interessante a sua matéria, eu super gostei!
    Parabéns pelo trabalho.
    Abraço
    Ingrid Cristina
    plataformatresquartos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir