26 fevereiro 2016

Resenha - Distopia



Em uma sociedade governada por militantes, com um sistema incorruptível, as crianças são isoladas no regimento militar aos sete anos de idade e treinadas para serem soldados. Lá, eles aprendem da forma mais cruel a atirar e a matar, perdendo muito cedo a sua inocência. Depois da Grande Guerra, o mundo passou a ser dividido entre governantes e governados e cada um tem as suas dores, suas mágoas e limitações. E o que nos resta saber é: de qual lado você está? Porque no final das contas, não estamos vestidos para lutar... Assim como nunca estaremos vestidos para morrer...

Livro: Distopia
318 páginas || Skoob || Cortesia: Editora Arwen || OndeComprar









Eu  nasci com meu signo em Áries. E pode ser ou não coincidência, mas sou tão controladora quanto uma ariana deveria ser. Mas é claro que não vim falar sobre fatos do zodíaco, e sim sobre como minha necessidade por controle me fez ser obcecada pelo futuro. Não só pelo meu, mas o do mundo, pois eu simplesmente não consigo aceitar que daqui algumas décadas não vão haver mudanças significativas. Talvez achem a cura para o câncer. Talvez descubram que somos unidades micro nesse universo macro. Talvez resolvam o problema da fome no mundo. Talvez a Lituânia vire uma potência mundial. Talvez... 

São tantas possibilidades incríveis para o futuro que não consigo decidir por qual mudança anseio mais. Contudo, também podem haver alterações ruins. A Terceira Guerra Mundial, bombas de hidrogênio, armas biológicas, ebola, crises humanitárias, tsunamis, falta de água... O leque de eventos maléficos que poderiam desenrolar com o passar dos anos é infinito. E é exatamente por estarmos cegos quanto ao futuro que eu amo ler distopias.

Sério, quem inventou esse gênero literário? Porque esta pessoa foi um visionário. É incrível poder imaginar como será o mundo daqui algumas décadas, depois de revoluções tecnológicas. Quando comecei a me interessar por distopias e afins, me entretia com as suposições. Governos autoritários, guerras que destruíram parte do mundo, sociedades utópicas...

Mas com o tempo, infelizmente, a criatividade começou a aflorar menos. O ciclo dos livros distópicos leva ao mesmo lugar : Uma sociedade com um governo autoritário e uma pessoa prestes a desafia-lo. Isso acontece com todos os gêneros. É impossível de evitar tal saturação de conteúdo. Entretanto, quando li a sinopse de ''Distopia'' comecei a me animar novamente. Parecia tão inovador que decidi tentar.

A estória gira ao redor das vidas de Thiago e Laura. Ele, um governado, pobre, obrigado a obedecer o Regimento. Ela, filha do General do Norte, privilegiada. Os dois não vivem em realidades distintas, contudo suas mentalidades são semelhantes.

O mundo, após a Grande Guerra, foi dividido entre os Governantes e os Governados, os quais aos sete anos tem que se submeter a um treinamento árduo e cruel do exército. As pessoas não tem sobrenome, são identificadas pelos números de suas casas. Thiago, juntamente com seus amigos, sai do seu lar, fora dos muros do Regimento, e entra para um mundo diferente. Um mundo no qual ele terá que lutar arduamente para sobreviver e se tornar um soldado forte. Enquanto isso Laura deve rever seus conceitos, desafiando seu pai e os conceitos vigentes na sociedade. Os dois, apesar de engatarem em um romance, têm suas estórias mais focadas no próprio desenvolvimento, evidenciando a evolução de ambos.

"Quem se atreveu a pronunciar em voz alta sobre discordar do Regimento, ou das regras ditadas pelo coronel, nunca mais foi visto."

Kate Willians, nossa digníssima autora, investiu nos laços de amizades que foram desenvolvidos no livro, nos mostrando que a lealdade entre as pessoas existe mesmo nas horas mais sombrias.

"Assim como nunca estaremos vestidos para morrer, meu rapaz. Ninguém sabe que terá que lutar até levar o primeiro soco."

[- Minhas Impressões -]

Assim que li a sinopse fiquei encantada. E isso não foi uma hipérbole. Este enredo maravilhoso me lembrou infinitamente da cidade de Esparta, na Grécia Antiga. E como sou apaixonada por história, não pude deixar de notar as semelhanças. Assim como em Esparta, no Regimento os garotos também são treinados para se tornarem soldados imbatíveis desde seus sete anos.

Sim, esta intertextualidade, mesmo que sem querer, foi muito interessante. Não tenho somente este elogio! A estória em si foi muito bem pensada. A criatividade para elaborar esta narrativa foi impressionante. Inclusive, acho que devido a esta expectativa inicial acabei me decepcionando um pouco com o desenrolar das coisas. Fiquei esperando muito mais do que recebi. Me peguei pensando que haviam sempre caminhos que podiam ser explorados, vertentes que a autora não quis mostrar. Bom, na minha opinião saía muito mais água desta fonte.

Acho que o ponto chave que ficou em falta para mim foi este: Exploração dos personagens, do governo, da ideia da Distopia no geral. Fiquei naquela ânsia de querer mais. Mais emoção, luta, amor, cenas emocionantes. Afinal, a ideia foi tão sensacional que merecia mais atenção para todas suas possibilidades. Além disso, o final do livro veio rápido demais. Em um momento estava tudo andando muito devagar, e no outro, tudo aconteceu e ponto. Acabou. Quase chorei de tristeza (risos). Eu queria mais Kate!

Ademais, a editora está de parabéns! Apesar da capa do livro não ter me agradado, retratando uma forca e outros elementos que não estão presentes na estória, gostei bastante das ilustrações das páginas iniciais. Me senti entrando em uma zona de guerra assim que abri ''Distopia''. Gostei da narrativa e minhas 3 estrelinhas demonstram isso. Parabéns Kate Willian, você superou a saturação de conteúdo. Aliás, que título sugestivo, não é? Distopia é bem mais do que uma simples distopia.

22 comentários:

  1. Oi Emilly, faz um tempão que eu não leio distopias de um modo geral e nem sei explicar esse hiato porque na verdade, gosto muito do gênero. Já tinha visto essa capa por aí, mas ainda não tinha lido nenhuma resenha dele. Que pena que os personagens não foram muito desenvolvidos, acho que isso sempre compromete o enredo, né? Mas ainda assim, fiquei interessada e quero conferir.
    Meu Amor Pelos Livros
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Olá!

    Eu também adoro distopias, apesar que não gosto de imaginar que talvez um dia o mundo possa estar assim. Gosto de imaginar que todos os conflitos que temos hoje em dia, vão acabar. Vamos estar com escassez de recursos naturais, mas que esse sera nosso único problema. Mas bem... Esse é apenas um sonho utópico ne?
    Achei bem interessante a temática desse livro sobre as crianças a partir dos 7 serem levadas para serem soldados e etc. Mas não sei se o enredo me agradou muito... E essa coisa de acontecer tudo de uma vez ao final também não acho muito legal... Bom, de qualquer maneira, muito obrigada pela dica!

    Beijinhos!
    Cantinho Cult

    ResponderExcluir
  3. Oi tudo bem?
    Amo os livros de distopia e achei que o ano passado surgiu livros do gênero de todo quanto é canto, está começando a ficar saturado, o que é uma pena porque em meio a tantos livros iguais, alguns extremamente bons ficam perdido e não aproveitados. A premissa do livro me chamou bastante atenção, acho que eu daria uma chance para o livro sim. Ele vai ter continuação? Assim como você, não gostei da capa, mas esse "tiro" implica bastante com a guerra, deve estar dentro do contexto srrsrsrrs



    Bjos
    http://rillismo.blogspot.com.br/

    Bjos

    ResponderExcluir
  4. Olá Emilly,
    Acho que o começo de sua resenha me definiu completamente, também sou ariana e, por consequência, controladora, também gosto de imaginar mudanças daqui uma década e fico pensando como elas seriam.
    As distopias me atraem muito, não foi diferente com a premissa desse livro.
    Tenho a pretensão de ler, pois acredito ser uma boa história, mas já sei que não devo esperar uma exploração dos personagens e do governo e, confesso, isso me decepciona um pouco.
    Gostei muito da sua resenha e acho que você soube salientar muito bem os pontos negativos e positivos do livro.
    Beijos,
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Olá, a capa do livro também não me agradou e apesar de estar lendo muitas resenhas desse livro, que em sua maioria são positivas, eu não fiquei tão interessada na história, fico contente que ele tenha despertado boas sensações em você, eu no entanto acredito que não o leria. Parabéns pela resenha, destacou pontos importantes da história.

    Abçs
    Sou bibliófila

    ResponderExcluir
  6. Oi, Emilly! Tudo bem?
    Antes de mais nada, preciso elogiar a forma como você se expressa em sua resenha. Adorei a sua naturalidade e domínio do assunto, você escreve muito bem, parabéns! Sobre o livro, nem o título e nem a capa tinha me chamado muito a atenção, mas assim que eu li a sinopse, me apaixonei. Fiquei imaginando as crianças sendo treinadas desde pequenas e isso já me fez pensar em drama, que é uma coisa que eu AMO em livros de guerra ou conflitos políticos em geral. Me interessei em ler o livro, mesmo com os pontos negativos registrados por você. Beijos! ^-^

    ResponderExcluir
  7. Oieeee
    Penso igual a você ultimamente as distopias estão todas iguais, difícil ter uma história diferente e quando li a sinopse pensei o mesmo que você, que esse veio oaa abalar, mas é uma pena que a autora não desenvolveu bem os personagens e a história em si e o final ser corrido, o que na minha opinião mata a história, mas mesmo assim vou ler ele.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi!
    Um dos motivos para eu ter parado de ler distopias atualmente, é porque cansei de ler as mesmas coisas só que contadas diferentes e com novos personagens. A criatividade tem mandado um abraço para os autores do gênero. Ainda sim, é sempre bom ver distopias diferenciadas e me parece que esse livro ele é. Justamente pela intertextualidade. A editora tem lançado bastante coisas bacana e acho que será uma boa ler essa história. Já que outros livros do gênero já estão bem batidos.

    ResponderExcluir
  9. Oi Emilly, eu confesso que não sou chegada em distopias e por isso o livro não chama minha atenção, sua resenha está muito boa e por isso talvez um dia mais para frente eu dou uma chance a ele e quem sabe mudo minha opinião né?

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Acredito que as pessoas sempre tenham esta ideia nas distopias porque se apaixonam por este tema e porque de alguma dá forma. Mas eu não sou muito ligada nesta questão e só vejo mais os filmes mesmo. Mas acho que é difícil achar algo que seja um pouco diferente, porque geralmente é o mesmo resultado. A questão é o que se envolve durante a trama, o que há de diferente nela.

    Beijos,

    Greice Negrini

    Blogando Livros
    www.amigasemulheres.com

    ResponderExcluir
  11. Oi!!!
    Realmente este gênero veio para ficar e ganhou muito fãs, eu sou uma, mas no fim acaba havendo uma realmente um saturação. Não tinha lido nada do livro e achei interessante e parece ter algo novo, pena que acabou não fluindo como imaginava, que faltou abordagem maior dos personagem e do final ter sido corrido.

    Beijos
    Carla Fernanda

    ResponderExcluir
  12. Eu não costumo a ler distopias, assim, não desgosto, só não tenho o costume mesmo. Venho vendo várias resenhas sobre o gênero, principalmente agora sobre o A Quinta Onda, que me interessou muito, mas já estou um pouco saturada de tanto falaram da obra e do filme. Agora você vem e me fala sobre o gênero, mas com um livro diferente para despertar ainda mais meu interesse. Adorei a premissa e o fato de misturar história! Estou muito curiosa para conhecer o gênero e esse livro aguçou ainda mais minha vontade.

    Beijos,
    Mariana Baptista
    umavidaporlivro.wordpress.com

    ResponderExcluir
  13. O que mais chama atenção no livro, é que esse pode sim, ser um futuro para nós, quem sabe? Ainda não conhecia ele, mas pela resenha já estou querendo saber como terminará essa historia, terá continuação? Enfim, espero poder ler ele em breve.

    http://perdidoemlivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Eu li o livro também, e achei ele bem legal.
    Tive certa dificuldade em gostar da Laura e achei o Thiago meio bobo também, mas no fim não atrapalhou a leitura.
    De fato, as distopias caíram em um lugar-comum hoje. Ainda acho válido livros de aterem ao clichê, desde que faça tudo muito bem feito.
    Algumas partes da história também não fluiram pra mim, mas no conjunto, acabei gostando!
    =D

    http://osdragoesdefogo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. Oi!
    Amo distopias, cada vez mais me vejo encantada e fascinada pelo "mundo"/"nova realidade" que eles criam.
    Mas tenho que concordar que a 'mesmice' está muito presente nesse gênero.
    Confesso que estou curiosa para ler Distopia, mesmo sabendo que, de todo, ele não agrada muito rs

    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Olá!
    É muito ruim quando pegamos um livro para ler e ele não é nada daquilo que imaginamos. Ler as mesma coisas as vezes cansa e nos deixa saturados. Ter criatividade é difícil. Eu já não tinha interesse de ler o livro e agora com a sua resenha desanimei mais ainda.
    Adorei a sua resenha.
    Beijinhos!
    http://www.eraumavezolivro.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Oi! Tudo bem?

    UAU! Como você escreve bem. Fiquei encantada com a introdução da resenha. Enfim, também sou como você: estou sempre pensando no futuro e também acho que quem inventou a distopia é um(a) gênio! Uma pena que alguns fatores não foram tão bem explorados assim... Mas, por outro lado, é bem bacana ver que o livro te encantou! Já vi várias divulgações sobre ele, mas nunca tinha lido nenhuma resenha. Curti e quero tirar minhas próprias conclusões =)

    Beijos,

    Juliana Garcez | Livros e Flores

    ResponderExcluir
  18. A principio tive muita dificuldade em ler esse livro, mais eu comesei arrastando a leitura porque como vc eu sou fã de distopias, porem demorou um tanto para me prenter na estória e ficar empolgada com o livro, como vc disse a capa não é tão chamativa e não tem nada a haver com o livro.

    ResponderExcluir
  19. Oii, tudo bem?
    Uma vez eu comecei a ler o livro da Kate, porém a leitura não fluiu muito bem. Mas eu tenho visto tantas resenhas positivas a respeito do livro, que eu estou pensando seriamente em dar uma outra chance ao livro. Eu adorei a sua resenha e todos os pontos que você abordou nela.

    ResponderExcluir
  20. VOCÊ ESCREVE MUITO BEM NOSSA!
    deu vontade de correr e ler esse livro! Confesso que não chegada em distopias, mas você me convenceu!

    Beijos, Lali
    Cantinho da Bruna

    ResponderExcluir
  21. Olá, tudo bom?
    Apesar de amar distopias, não sei se leria esse livro. Não sei, tenho problemas com alguns livros e me causam ressaca demais. Mas a sua resenha me convenceu ao contrário, parabéns. Quem sabe não leia em breve né?

    Beijos, Rob

    ResponderExcluir
  22. Olá, tudo bom?

    Você está certa: depois de um tempo, alguns gêneros literários ficam saturados. É comum vermos livros extremamente parecidos e, infelizmente, o mesmo aconteceu com distopia. Os livros contam sobre governos autoritários, adolescentes que não são a favor de sua realidade cotidiana e um romance. Em alguns momentos conseguimos encontrar algo bom e outras, como parece ser o caso, não encontramos.

    É uma pena quando criamos expectativas, né? Pois a maioria das vezes ela não consegue ser superada. Eu também achei que esse livro teria um diferencial, mas também me enganei :(

    Mesmo assim quero ler, só para conhecer um pouco mais da escrita da Katy. Obrigada pela dica!

    Beijos.

    http://instantesmemoraveis.blogspot.com.br

    ResponderExcluir